domingo, 29 de novembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Justiça Gratuita: Covid-19 e o acesso à Justiça

O Código de Processo Civil estabelece no art. 82 que "Salvo as disposições concernentes à gratuidade da justiça, incumbe às partes prover as despesas dos atos que realizem ou requerem no processo, antecipando-lhes o pagamento, desde o início até a sentença final ou, na execução, até a plena satisfação do direito reconhecido no título".

terça-feira, 4 de agosto de 2020

t

O acesso à justiça é contemplado na Constituição da República em diversos dispositivos, dentre os quais o inciso XXXV, do art. 5º, que determina que a lei não excluirá da apreciação do Poder Judiciário lesão ou ameaça a direito, bem como o inciso LXXIV, do art. 5º, que contempla a assistência judiciária integral e gratuita aos que comprovarem insuficiência de recursos.

O Código de Processo Civil estabelece no art. 82 que "Salvo as disposições concernentes à gratuidade da justiça, incumbe às partes prover as despesas dos atos que realizem ou requerem no processo, antecipando-lhes o pagamento, desde o início até a sentença final ou, na execução, até a plena satisfação do direito reconhecido no título". Já o art. 98 da referida lei contempla que "A pessoa natural ou jurídica, brasileira ou estrangeira, com insuficiência de recursos para pagar as custas, as despesas processuais e os honorários de advogado tem direito à gratuidade da justiça, na forma da lei."

O Tribunal de Justiça de São Paulo foi acionado para decidir questão relativa a pedido de concessão de justiça gratuita formulado pela autora de ação de extinção de condomínio. O Juiz de primeiro grau rejeitou o pedido dizendo que não teria ocorrido prova do "valor da salário ou rendimento mensal, fatura mensal de cartão de crédito no valor de R$ 487,00 (fls.145), saldo em conta bancária de R$ 2.000,00, não comprovação do valor do patrimônio e moradia em bairro de classe média desta Capital".

A 1ª Câmara de Direito Privado do TJSP, no julgamento do agravo de instrumento 2068726-94.2020.8.26.0000, modificou a decisão recorrida e concedeu o benefício da justiça gratuita dizendo que se encontra demonstrada a demissão e o recebimento do seguro desemprego da requerente do benefício. Além disso, ponderou que os valores existentes em sua conta corrente não são expressivos e serão direcionados para a manutenção da família neste período de pandemia da covid-19, que inclusive dificultará seu retorno ao mercado de trabalho. Evidencia-se, assim, o asseguramento de um direito fundamental destinado a viabilizar o acesso à justiça.

_________

t*José Roberto Della Tonia Trautwein é advogado e membro do Escritório Professor René Dotti.

Atualizado em: 4/8/2020 08:11

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Ronaldo de Jesus

Migalheiro desde 2019

Diogo L. Machado de Melo

Migalheiro desde 2008

Stanley Martins Frasão

Migalheiro desde 2002

Guershom David

Migalheiro desde 2020

Jones Figueirêdo Alves

Migalheiro desde 2011

Abel Simão Amaro

Migalheiro desde 2004

Roberto Rosas

Migalheiro desde 2015

Miguel Reale Júnior

Migalheiro desde 2003

Sérgio Roxo da Fonseca

Migalheiro desde 2004

Márcio Aguiar

Migalheiro desde 2020

Murillo de Aragão

Migalheiro desde 2018

Publicidade