quinta-feira, 22 de outubro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

A falácia de novas leis penais contra o crime organizado (Final)

A experiência demonstra que não é eficiente o combate ao crime organizado com uma legislação de pânico, encenada pelo Congresso Nacional e prometida sob os holofotes da mídia. Essa panacéia reiterada não irá suprir a omissão de governantes e parlamentares que fazem do discurso político a máscara para esconder a prevaricação, a corrupção e outros males que pervertem a autoridade, esvaziam as leis e atormentam os cidadãos.

quarta-feira, 31 de janeiro de 2007


A falácia de novas leis penais contra o crime organizado (Final)

René Ariel Dotti*

A experiência demonstra que não é eficiente o combate ao crime organizado com uma legislação de pânico, encenada pelo Congresso Nacional e prometida sob os holofotes da mídia. Essa panacéia reiterada não irá suprir a omissão de governantes e parlamentares que fazem do discurso político a máscara para esconder a prevaricação, a corrupção e outros males que pervertem a autoridade, esvaziam as leis e atormentam os cidadãos.

Existem analogias entre alguns problemas sociais que merecem reflexão histórica para comparar e compreendê-las. Uma dessas relações assemelhadas ocorre entre a inflação e o progresso da criminalidade. O mal crônico de nosso país era caracterizado pelo aumento persistente dos preços em geral e a continuada perda do poder aquisitivo da moeda. Crescia a circulação monetária em desproporção com o volume de bens disponíveis.

Fernando Collor de Mello anunciou que o seu governo venceria a inflação com um tiro. No dia seguinte à posse (15.3.1990) lançou o programa de estabilização baseado num gigantesco e inédito confisco monetário, congelamento temporário de preços e salários e reformulação dos índices de correção monetária. Apesar de alguns aspectos positivos do Plano Collor, como a iniciativa de privatizar empresas estatais , a modernização da indústria e a abertura da economia para mercados externos, o saldo registrado pelos especialistas em geral é negativo. O autoritarismo e o intervencionismo exagerado foram violentos contra o sistema econômico.

A inflação somente foi derrotada com o Plano Real, assim chamado em face da substituição da antiga moeda (1º de julho de 1994). O ajuste fiscal, a desindexação da economia e a política monetária restritiva venceram as três décadas de inflação que nos dias correntes é mantida sob controle.

A incapacidade do Estado para impedir ou reduzir a multiplicação dos crimes violentos corresponde à continuada falta de segurança da população. A lei está perdendo o poder aquisitivo da confiança. Há um notável aumento da circulação do crime em contraste com o volume de meios e métodos estatais para enfrentá-lo.

A sociedade brasileira, vítima da omissão dos poderes públicos e refém do terror, precisa de um plano real para a segurança coletiva. Não um "plano" direcionado basicamente para o interior das penitenciárias como se os crimes hediondos e as organizações criminosas deixassem de existir fora das grades das prisões. Há determinadas cautelas que devem ser adotadas desde logo como a interdição do uso de celulares, o controle de visita de advogados suspeitos de cumplicidade e a indisponibilidade de bens do integrante de facção criminosa.

Mas a legislação de pânico ou o tiro do Parlamento visando o endurecimento das penas e a multiplicação do tempo de isolamento celular diuturno só irá agravar o cenário de terror.

________________




*Advogado do Escritório Professor René Ariel Dotti

___________________

Atualizado em: 18/1/2007 10:19

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

É Autor Migalhas? Faça seu login aqui

AUTORES MIGALHAS

João Ricardo Camargo

Migalheiro desde 2020

Gabriel Massote Pereira

Migalheiro desde 2020

Thiago Garbelotti

Migalheiro desde 2013

Celso Limongi

Migalheiro desde 2017

Renato Poltronieri

Migalheiro desde 2002

Leonardo Amarante

Migalheiro desde 2019

Juliana Costa

Migalheira desde 2019

Guido Martin

Migalheiro desde 2010

Fábio Christófaro

Migalheiro desde 2012

Publicidade