terça-feira, 24 de novembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Previdência privada e direito das sucessões

Aline Hungaro Cunha

Os planos de Previdência Privada ou Complementar são geralmente contratados visando garantir ao beneficiário, durante a sua aposentadoria, um padrão de vida semelhante ao que tinha quando estava trabalhando. Entretanto, em caso de falecimento do participante (assim entendido quem contrata o plano), é preciso determinar como será regida a sua sucessão no tocante também aos direitos advindos do plano de Previdência Privada contratado.

quinta-feira, 8 de fevereiro de 2007


Previdência privada e direito das sucessões

Aline Hungaro Cunha*

1. Os planos de Previdência Privada ou Complementar são geralmente contratados visando garantir ao beneficiário, durante a sua aposentadoria, um padrão de vida semelhante ao que tinha quando estava trabalhando. Entretanto, em caso de falecimento do participante (assim entendido quem contrata o plano), é preciso determinar como será regida a sua sucessão no tocante também aos direitos advindos do plano de Previdência Privada contratado.

2. Cumpre esclarecer, inicialmente, que o contorno dos direitos sucessórios dependerá muito do plano de Previdência Privada escolhido e do tipo de benefício contratado.

3. Quando da contratação do plano de Previdência Privada, em geral, o participante indica um beneficiário. O beneficiário, segundo a Resolução n.º 92/2002 do CNSP (Conselho Nacional de Seguros Privados), é a(s) pessoa(s) indicada(s) livremente pelo participante para receber os valores do benefício na hipótese de seu falecimento, de acordo com a estrutura do plano.

4. Deste modo, se em decorrência do plano contratado e do falecimento do participante que o contratou, alguém vier a receber os valores aplicados na Previdência Privada, esta pessoa será o beneficiário indicado. Por outro lado, se o participante não tiver indicado qualquer beneficiário, então os herdeiros legais, segundo o Código Civil (clique aqui) (artigo 792), receberão o montante aplicado.

5. Neste ponto, é importante ressaltar que a liberdade de escolha do beneficiário pelo participante sofre algumas restrições.

6. De acordo com os artigos 30 e 73 da Lei Complementar 109/2001 (clique aqui), a legislação aplicável aos seguros e às sociedades seguradoras aplica-se também, no que couber, às entidades e institutos da Previdência Privada. A partir disso, tem-se que o Capítulo XV do Código Civil de 2002 (Do Seguro) aplica-se subsidiariamente às questões de Previdência Privada.

7. O art. 793 do CC/2002 dispõe que "é válida a instituição do companheiro como beneficiário, se ao tempo do contrato o segurado era separado judicialmente, ou já se encontrava separado de fato". Em uma interpretação a contrario sensu, pode-se inferir que se ao tempo do contrato o segurado não era separado judicialmente, nem se encontrava separado de fato da sua cônjuge, será inválida a instituição da companheira (que, no caso, seria melhor chamada de concubina) como beneficiária.

8. Nesse sentido, era até mesmo mais claro o Código Civil de 1916, cujo artigo 1.474 previa que não era possível instituir como beneficiário pessoa que fosse legalmente inibida de receber doação do segurado. Diante desse artigo, combinado com o artigo 1.177 do CC/1916 (clique aqui) (este mantido no art. 550 do CC/2002), que previa que a doação do cônjuge adúltero ao seu cúmplice podia ser anulada pelo outro cônjuge, ou por seus herdeiros necessários, até 2 (dois) anos depois de dissolvida a sociedade conjugal (arts. 178, § 7°, VI, e 248, IV), era nítido que a instituição de cúmplice do cônjuge adúltero como seu beneficiário em seguro de vida ou Previdência Privada era inválida.

9. Cumpre ressaltar que a mudança de redação do artigo 1.474 do Código Civil de 1916 para o artigo 793 do Código Civil de 2002 não alterou o conteúdo da disciplina quanto à matéria neles tratada.

10. Lembrando-se ainda da aplicação das normas sobre seguros à Previdência Privada, merece destaque o art. 792 do CC/2002, que prevê que "na falta de indicação da pessoa ou beneficiário, ou se por qualquer motivo não prevalecer a que for feita, o capital segurado será pago por metade ao cônjuge não separado judicialmente, e o restante aos herdeiros do segurado, obedecida a ordem da vocação hereditária". Dispõe, ainda, o parágrafo único deste dispositivo que "na falta das pessoas indicadas neste artigo, serão beneficiários os que provarem que a morte do segurado os privou dos meios necessários à subsistência".

11. A partir do acima exposto, nota-se que, não sendo necessariamente seguida a ordem de vocação hereditária, os direitos previdenciários e securitários não obedecem às regras normais aplicáveis aos direitos sucessórios. É por esse motivo que tais direitos são conhecidos como aqueles que compõem a sucessão anômala, afastando-se das regras da sucessão legítima.

12. No entanto, a sucessão anômala não pode ser vista como um meio apto a evitar a aplicação de toda e qualquer regra de sucessão legítima. Os herdeiros necessários, por exemplo, devem ter seus direitos sucessórios preservados, de modo que a sua legítima deve ser respeitada, não podendo o participante dispor sobre a integralidade do seu patrimônio, alocando-o todo para planos de previdência e seguros. Sendo assim, o respeito à legítima dos herdeiros necessários deve ser entendido como mais uma restrição à escolha do beneficiário e ao montante aplicado em planos de Previdência Privada.

13. Visando tornar mais clara a relação entre o plano de previdência privada escolhido e os direitos sucessórios existentes em caso de morte do participante, faz-se necessário especificar alguns destes planos.

14. A SUSEP (Superintendência de Seguros Privados) e as entidades de Previdência Privada chegaram a criar alguns planos padrão, que podem oferecer os seguintes tipos de benefícios: pecúlio por morte, pecúlio por invalidez, pensão por morte e renda por invalidez.

15. Os planos, em geral, possuem duas fases: a fase de contribuições e a fase de pagamento do benefício, sendo que o momento de ocorrência da morte do participante, em uma fase ou outra, tem grande relevância para a definição dos direitos existentes.

16. Ocorrendo a morte do participante durante a primeira fase, o saldo acumulado será disponibilizado a seus beneficiários e, não tendo estes sido indicados, aos seus herdeiros legais. Deste modo, se o titular do plano ainda não estava aposentado quando da sua morte, todo o capital acumulado é transferido aos beneficiários e, na falta destes, aos herdeiros legais, sem necessidade de incluir esses valores no inventário em ambos os casos.

17. Por outro lado, se a morte do titular ocorrer após sua aposentadoria, é preciso verificar o plano contratado.

18. Se, ao entrar no plano de previdência, o investidor não contratar um plano adicional de "renda reversível" ou de "prazo mínimo garantido" e vier a falecer após a sua aposentadoria, o saldo de suas reservas fica para a instituição financeira.

19. Assim, ao adquirir um plano de Previdência, é preciso contratar essa cobertura extra, para que o beneficiário indicado (ou herdeiros legais, se for o caso) tenha direito à pensão em caso de morte do titular durante a fase de pagamento do benefício.

20. Nessa fase são possíveis quatro situações, dependendo dos contornos que o plano possui.

21. Se o contrato for de renda mensal vitalícia, o valor será pago só ao titular em vida, ou seja, morrendo este, nem beneficiário nem herdeiros receberão as aplicações da Previdência Privada.

22. Se o contrato for de renda mensal temporária, o benefício é pago exclusivamente ao titular pelo tempo contratado, cessando com o seu falecimento ou com o decurso do tempo contratado (o que ocorrer primeiro).

23. No benefício de renda mensal vitalícia com prazo mínimo garantido, se a morte do titular ocorrer antes do final deste prazo mínimo garantido, o benefício irá para os beneficiários pelo período restante da garantia. Não havendo beneficiários indicados ou se aqueles indicados tiverem falecido antes do participante, o benefício será pago aos herdeiros legítimos do titular pelo restante do prazo mínimo. Por outro lado, caso ocorra a morte do participante após o prazo mínimo, a obrigação de pagamento de benefícios cessa para a entidade.

24. Por fim, há o benefício de renda mensal vitalícia reversível ao beneficiário indicado, no qual o pagamento é feito ao participante enquanto ele estiver vivo, mas, caso ele morra, o percentual do valor estabelecido será revertido ao beneficiário indicado. Se o beneficiário morrer antes do participante ou durante o período de recebimento, a reversibilidade acabará1 .

25. Diante das diversas possibilidades de planos e de planejamento de benefícios, atualmente, a Previdência Privada tem sido muito usada como instrumento de sucessão patrimonial, possibilitando que, em caso de morte do participante, o patrimônio seja transferido imediatamente aos beneficiários ou herdeiros, sem necessidade de esperar a conclusão do inventário.

26. Conclui-se, assim, que, na Previdência Privada, os direitos sucessórios dependerão do plano e dos benefícios contratados, conforme acima exposto, de modo que, com a morte do participante, pode receber as aplicações o beneficiário, o herdeiro ou, então, pode até ser que a entidade de Previdência Privada fique com os valores investidos.

__________

1 Além das modalidades-padrão supracitadas, há ainda o plano da renda mensal vitalícia reversível ao cônjuge com continuidade aos filhos menores, no qual, ocorrendo o falecimento do participante durante a percepção da renda, o percentual do valor estabelecido na proposta de inscrição será revertido vitaliciamente ao cônjuge. Na falta deste, o benefício é reversível temporariamente ao(s) menor(es) até que completem uma idade para maioridade estabelecida no Regulamento e conforme o percentual de reversão estabelecido.
________

*Advogada do Escritório Boccuzzi Advogados Associados

 

 

 

 

__________

Atualizado em: 7/2/2007 13:23

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Sérgio Roxo da Fonseca

Migalheiro desde 2004

Murillo de Aragão

Migalheiro desde 2018

Guershom David

Migalheiro desde 2020

Guilherme Alberge Reis

Migalheiro desde 2020

Quésia Falcão de Dutra

Migalheira desde 2019

Vantuil Abdala

Migalheiro desde 2008

Fernando Salzer e Silva

Migalheiro desde 2016

Ricardo Penteado

Migalheiro desde 2008

Valmir Pontes Filho

Migalheiro desde 2004

Publicidade