sábado, 28 de novembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

As corretoras de mercadorias

As corretoras de mercadorias estão sujeitas ao controle e à fiscalização da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), bem como das bolsas de mercadorias e futuros das quais tiverem sido admitidas como membros, e também integram o sistema brasileiro de distribuição de valores mobiliários .

sexta-feira, 19 de março de 2004

As corretoras de mercadorias

 

Walter Douglas Stuber*

 

As corretoras de mercadorias estão sujeitas ao controle e à fiscalização da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), bem como das bolsas de mercadorias e futuros das quais tiverem sido admitidas como membros, e também integram o sistema brasileiro de distribuição de valores mobiliários1. As normas e os procedimentos para a organização e o funcionamento das corretoras de mercadorias foram recentemente estabelecidos pela Instrução CVM nº 402, de 27 de janeiro de 20042.

 

Para os efeitos da Instrução CVM nº 402/2004, considera-se "corretora de mercadorias" a sociedade habilitada a negociar ou registrar operações com valores mobiliários em bolsa de mercadorias e futuros3. Para funcionar, a corretora de mercadorias depende de registro prévio da CVM4 e deve atender aos seguintes requisitos: (i) ser constituída na forma de sociedade anônima ou sociedade limitada; (ii) ser admitida como membro de bolsa de mercadorias e futuros5; (iii) indicar à CVM um diretor estatutário ou sócio-administrador tecnicamente qualificado, com experiência no mercado de valores mobiliários, mercadorias e futuros6; e (iv) adotar, em sua denominação social, a expressão "corretora de mercadorias". A corretora de mercadorias deverá apresentar ainda requisitos patrimoniais e financeiros, conforme critérios estabelecidos pela bolsa de mercadorias e futuros.

 

As corretoras de mercadorias também podem ser constituídas sob a forma de sociedade corretora ou distribuidora de valores mobiliários, banco de investimento ou banco múltiplo com carteira de investimento e, quando ocorrer qualquer dessas situações, serão regidas pelas regras a que estão sujeitas tais instituições financeiras.

 

Por ocasião de sua admissão como membro de uma determinada bolsa de mercadorias e futuros, a corretora de mercadorias deverá efetivar a caução real7 do título patrimonial ou das ações de emissão das bolsa detidas pela própria corretora, para garantir privilegiadamente os débitos para com a bolsa a que pertença, nos termos dos regulamentos e procedimentos definidos pela referida bolsa.

 

Nas operações realizadas em bolsa de mercadorias e futuros, a corretora de mercadorias é responsável para com seus clientes, também denominados comitentes8, para com outros intermediários para os quais tenha operado ou esteja operando e para com a própria bolsa: (a) por sua boa e efetiva liquidação; (b) pela legitimidade dos valores mobiliários entregues a qualquer título, assim como por seu regular recebimento e entrega, endosso ou transferência; (c) pela efetivação dos registros, em nome dos comitentes a ela vinculados e atendendo às ordens emanadas desses comitentes; (d) pela legitimidade da procuração e dos demais documentos necessários para a transferência de valores mobiliários; e (e) pelo cumprimento e adoção de elevados padrões de idoneidade e ética.

 

Caberá à corretora de mercadorias manter sigilo das operações e serviços prestados, inclusive dos nomes dos seus comitentes, somente podendo revelá-los mediante autorização dada pelos comitentes ou nos termos da legislação e regulamentação em vigor9. Todavia, no caso do comitente descumprir ou violar as normas legais ou regulamentares aplicáveis, independentemente de quaisquer medidas judiciais ou extrajudiciais, a corretora de mercadorias deverá efetuar a comunicação dos fatos à bolsa de mercadorias e futuros, solicitando, se for o caso, a adoção dos correspondentes procedimentos de execução de garantias do comitente inadimplente, bem como a divulgação desses fatos ao mercado pela bolsa10. Na hipótese de inadimplência de um comitente, a corretora de mercadorias deverá identificar para a bolsa de mercadorias e futuros as operações que ensejaram a inadimplência, comprovando a sua regularidade, e as diligências efetuadas para a cobrança do comitente.

 

No exercício específico de suas funções, é expressamente vedado à corretora de mercadorias praticar as seguintes operações: (i) conceder financiamentos, empréstimos ou adiantamentos a seus comitentes11; (ii) adquirir bens não destinados a uso próprio. Excepcionalmente, todavia, a corretora de mercadorias poderá receber bens em liquidação de dívidas de difícil ou duvidosa solução e, nessa hipótese, a corretora deverá vender esses bens dentro do prazo de um ano, a contar do recebimento, prazo esse prorrogável por até duas vezes, a critério da CVM; (iii) obter empréstimos ou financiamentos junto a instituições financeiras. Entretanto, a lei vigente permite à corretora contrair empréstimos ou financiamentos vinculados à aquisição de bens para uso próprio e à execução de atividades previstas no respectivo objeto social; e (iv) realizar operações envolvendo comitente final que não tenha identificação cadastral na bolsa de mercadorias e futuros, nos termos da legislação aplicável.

 

Da mesma forma que ocorre com as demais instituições financeiras, a corretora de mercadorias deverá elaborar balancetes mensais e, no último dia dos meses de julho e dezembro de cada ano, demonstrações financeiras que serão acompanhadas do respectivo parecer e relatório de auditoria emitido por auditor independente registrado na CVM12.

 

Além do registro para funcionamento, existem vários outros atos relativos à corretora de mercadorias que dependem de aprovação prévia da CVM: (a) transformação, fusão, incorporação e cisão; (b) investidura de administradores; (c) investidura de conselheiros fiscais e membros de outros órgãos estatutários; (d) alienação do controle societário; e (e) liquidação da sociedade por deliberação dos sócios13. Embora não estejam sujeitos à autorização da CVM, os seguintes atos também deverão ser comunicados, em cinco dias úteis, contados a partir da data da sua deliberação, tanto à CVM quanto à bolsa de mercadorias e futuros: (i) transferência da sede; (ii) criação e encerramento das atividades de escritórios ou filiais; (iii) alteração do valor do capital social; (iv) alienação do título patrimonial da bolsa de mercadorias e futuros; e (v) qualquer alteração do estatuto ou contrato social.

 

O registro para funcionamento poderá ser cancelado pela CVM se: (a) a corretora de mercadorias não iniciar suas atividades no prazo de 180 dias contados da data do registro; (b) a corretora de mercadorias solicitar o cancelamento; (c) for constatada a falsidade de qualquer uma das informações ou dos documentos apresentados para obter o registro14; (d) em razão de fato superveniente devidamente comprovado, ficar evidenciado que a corretora de mercadorias registrada não mais atende a qualquer um dos requisitos ou condições estabelecidos para a concessão do registro nos termos da Instrução CVM nº 402/2004; (e) a corretora de mercadorias, no exercício de suas atividades, deixar de cumprir quaisquer das obrigações previstas na Instrução CVM nº 402/2004; ou (f) em caso de alienação do título patrimonial ou das ações de emissão de bolsa de mercadorias e futuros15.

 

Das decisões do Superintendente de Relações com o Mercado e Intermediários da CVM cabe recurso ao Colegiado, nos termos da regulamentação em vigor16.

 

______________

 

1 A Lei nº 10.303, de 31 de outubro de 2001, em seu artigo 4º, criou o inciso VI no artigo 15 da Lei nº 6.385, de 7 de dezembro de 1976, que acrescenta as corretoras de mercadorias, os operadores especiais e as bolsas de mercadorias e futuros ao sistema de distribuição de valores mobiliários. A Lei nº 6.385/1976 dispõe sobre o mercado de valores mobiliário e criou a Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

2 A Instrução CVM nº 402/2004 entrará em vigor 30 dias a contar de 29 de janeiro de 2004, que foi a data de sua publicação no Diário Oficial da União. As corretoras de mercadorias em operação terão um prazo adicional de 90 dias a partir da data da vigência dessa Instrução para adaptar-se ao nela disposto.

3 Essa mesma definição já constava do artigo 2º, inciso III, da Instrução CVM nº 387, de 28 de abril de 2003, que estabelece normas e procedimentos a serem observados nas operações realizadas com valores mobiliários, em pregão e em sistemas eletrônicos de negociação e de registro em bolsas de valores e de bolsas de mercadorias e futuros.

4 O registro para funcionamento da corretora de mercadorias será expedido pela Superintendência de Relações como Mercado e Intermediários da CVM no prazo de 30 dias, contado da data do recebimento na CVM do pedido de registro. Esgotado esse prazo, caso não haja manifestação da CVM em contrário, e desde que tenham sido cumpridas todas as formalidades previstas na Instrução CVM nº 402/2004, presume-se aprovado o pedido de registro. Esse prazo de 30 dias poderá ser interrompido uma única vez, se a CVM solicitar ao interessado informações adicionais, passando a decorrer novo prazo de 30 dias a partir da data de cumprimento das exigências. Para o atendimento das exigências, será concedido prazo não superior a 60 dias, contados do recebimento da respectiva correspondência que tiver formulado essas exigências, sob pena de indeferimento do pedido. O indeferimento do pedido deverá ser comunicado pela CVM por escrito ao interessado e à bolsa de mercadorias e futuros, ficando todos os documentos que instruíram o pedido à disposição da requerente, pelo prazo de 90 dias.

5 Caso o registro para funcionamento não seja pleiteado no prazo de 180 dias da admissão da corretora de mercadorias como membro da bolsa de mercadorias e futuros, a bolsa procederá à venda em leilão do seu título patrimonial ou de suas ações, conforme o caso.

6 Somente pode ser administrador de corretora de mercadorias pessoa natural, residente no Brasil, que seja idônea e tenha formação acadêmica e profissional que evidencie sua experiência no mercado de valores mobiliários, mercadorias e futuros. O candidato a ser investido como administrador deverá apresentar à CVM declarações, informando sob as penas da lei: (a) que não está inabilitado para o exercício de cargo em instituições financeiras e demais entidades cujo funcionamento dependa da autorização da CVM ou do Banco Central do Brasil (Bacen), da Superintendência de Seguros Privados (Susep) e da Secretaria de Previdência Complementar (SPC); (b) que não foi condenado criminalmente, por decisão transitada em julgado, ressalvada a hipótese de reabilitação; (c) que não está incluído no Cadastro de Emitentes de Cheques sem Fundos do Bacen; (d) que não foi, nos últimos cinco anos, administrador de entidade sujeita ao controle e fiscalização da CVM, do Bacen, da Susep ou da SPC, que tenha tido, nesse período, sua autorização cassada ou a que tenha sido aplicado regime de falência, concordata, intervenção, liquidação extrajudicial ou submetida a regime de administração especial temporária; e (e) se foi condenado, nos últimos cinco anos, por infração à legislação da CVM, Bacen, Susep e SPC, explicitando a respectiva natureza. A CVM poderá, a seu critério, exigir documentos e informações adicionais julgados necessários para a autorização do exercício do cargo de administrador de corretora de mercadorias e a comprovação de sua idoneidade e capacidade técnica.

7 O artigo 3º da Instrução CVM nº402/2004, enfatiza que essa caução é oponível a terceiros, nos termos do Código Civil Brasileiro.

8 De acordo com a definição contida no artigo 2º, inciso VII, da Instrução CVM nº 387/2003, comitente ou cliente é a pessoa, natural ou jurídica, e a entidade, por conta da qual as operações com valores mobiliários são efetuadas. Comitente, portanto, é o nome dado ao cliente da corretora nos contratos e nas operações realizadas em bolsa. O cliente não pode operar diretamente na bolsa de mercadorias e futuros e deve ser sempre representado por uma corretora de mercadorias admitida como membro da referida bolsa. A corretora atua por conta e ordem dos seus comitentes. Ordem é o ato mediante o qual o cliente determina a uma corretora que compre ou venda valores mobiliários, ou registre operação, em seu nome e nas condições que especificar (conforme o artigo 2º, inciso X da Instrução CVM nº 387/2003).

9 Em razão da natureza de suas operações, as corretoras de mercadorias foram equiparadas às instituições financeiras pelo Conselho Monetário Nacional e estão sujeitas às regras previstas na Lei Complementar nº 105, de 10 de janeiro de 2001, que dispõe sobre o sigilo das operações de instituições financeiras. Nos termos do artigo 1º, § 3º, inciso V, não constitui violação do dever de sigilo a revelação de informações sigilosas com o consentimento expresso do interessado.

10 Caso as garantias que venham a ser executadas sejam de titularidade de terceiros ou tenham sido prestadas por terceiros, a qualquer título, a bolsa de mercadorias e futuros deverá divulgar essas informações ao mercado.

11 Essa proibição abrange realizar operações que caracterizem, sob qualquer forma, a concessão de financiamentos, empréstimos ou adiantamentos a clientes.

12 A corretora de mercadorias está sujeita às normas sobre a elaboração e divulgação das demonstrações financeiras aplicáveis às sociedades corretoras de valores mobiliários. Os seguintes documentos relativos à atividade da corretora de mercadorias deverão estar à disposição da CVM e ser enviados à bolsa de mercadorias e futuros: (a) balancetes mensais, no prazo de 15 dias após o encerramento de cada mês; e (b) demonstrações financeiras, bem como pareceres e relatórios dos auditores independentes, no prazo de 90 dias do encerramento de cada período. Nos mesmos prazos, a corretora de mercadorias deverá divulgar os balancetes, as demonstrações financeiras e os respectivos pareceres de auditorias na sua página na rede mundial de computadores, se houver, e na página da bolsa de mercadorias e futuros à qual a corretora esteja associada como membro.

13 A CVM deverá manifestar-se a respeito desses atos no prazo de até 30 dias a contar da data do requerimento, e consultará a bolsa de mercadorias e futuros, que terá o prazo máximo de 15 dias para pronunciar-se. Esgotado esse prazo, caso não haja manifestação da CVM em contrário, presume-se aprovado o pedido de realização do ato em questão. Ao efetuar a solicitação à CVM, a corretora de mercadorias deverá dar, simultaneamente, ciência à bolsa de mercadorias e futuros.

14 Nessa hipótese, a CVM oficiará ao Ministério Público para a propositura da competente ação penal, sem prejuízo da aplicação das sanções administrativas cabíveis.

15 Em qualquer desses casos, o cancelamento da autorização para funcionamento de corretora de mercadorias será efetivado sem prejuízo de exigibilidade de todas as obrigações da corretora e de cumprimento das penalidades que eventualmente lhe tenham sido impostas.

16 Atualmente, a matéria está regulamentada pela Deliberação CVM nº 463, de 25 de julho de 2003, que estabelece procedimentos a serem seguidos nos recursos ao Colegiado de decisões dos Superintendentes da CVM. Dessas decisões caberá recurso para o Colegiado no prazo de 15 dias, contados da ciência pelo interessado. O recurso será oferecido em petição escrita e fundamentada, desde logo acompanhada dos documentos em que eventualmente se basear a argumentação do recorrente, sendo dirigido ao Superintendente que houver proferido a decisão impugnada. Dentro do prazo de 10 dias úteis, contados do recebimento do recurso, o Superintende deverá reformar ou manter sua decisão, em despacho fundamentado. Caso mantenha sua decisão, o Superintendente encaminhará o processo ao Colegiado, através do Superintendente-Geral, ainda que tenha entendido ser o recurso intempestivo ou incabível. O recurso será recebido no efeito devolutivo, devendo o Superintendente, imediatamente após recebe-lo e, independentemente de requerimento da parte, decidir sobre a concessão do efeito suspensivo ao recurso, total ou parcialmente. Se houver requerimento de efeito suspensivo, e o Superintendente decidir por seu indeferimento parcial ou total, deverá intimar o recorrente de imediato, remetendo cópia do recurso e da decisão ao Presidente da CVM, a quem caberá reexaminar a decisão denegatória do efeito suspensivo. O Colegiado decidirá o recurso, em sessão interna, independentemente de prévia designação de data, sendo o recorrente notificado da decisão no prazo de 5 dias úteis, pelo Superintendente que houver proferido a decisão recorrida. Quando for alegada a existência de erro, omissão, obscuridade ou inexatidão material na decisão, contradição entre a decisão e os seus fundamento, ou dúvida na sua conclusão, caberá ao Colegiado apreciar tal alegação, a requerimento de membro do Colegiado, do Superintendente que houver proferido a decisão recorrida ou do próprio recorrente. Se for o caso, o Colegiado corrigirá a decisão, sendo o requerimento encaminhado ao Diretor que tiver redigido o voto vencedor no exame do recurso, no prazo de 15 dias a partir da data em que o interessado tomar ciência da deliberação, e submetido pelo referido Diretor ao Colegiado para deliberação.

 

________________

 

 

* Advogado do escritório Stuber - Advogados Associados

 

 

_________________

Atualizado em: 10/2/2004 15:47

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Ronaldo de Jesus

Migalheiro desde 2019

Márcio Aguiar

Migalheiro desde 2020

Júlio César Bueno

Migalheiro desde 2004

Fernando Salzer e Silva

Migalheiro desde 2016

Miguel Reale Júnior

Migalheiro desde 2003

Jocineia Zanardini

Migalheira desde 2020

Italo Bondezan Bordoni

Migalheiro desde 2019

Valmir Pontes Filho

Migalheiro desde 2004

Maria Berenice Dias

Migalheira desde 2002

Justiliana Sousa

Migalheira desde 2020

Levi Rezende Lopes

Migalheiro desde 2020

Ricardo Alves de Lima

Migalheiro desde 2020

Publicidade