terça-feira, 27 de outubro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

O bloqueio de bens como ameaça à cidadania

Assim que assumiu a Advocacia Geral da União, o Dr. José Antônio Dias Tóffoli compareceu ao gabinete da Presidente do Supremo Tribunal Federal, Ministra Ellen Grace, em companhia do Ministro Guido Mantega, transmitindo-lhe o interesse do Executivo por dois projetos de lei que serão encaminhados ao Congresso no começo de abril. Ao que consta, o Presidente da República está empenhado em promover a agilidade das cobranças dos tributos, sem que isso ocorra através da via própria, que é o Judiciário.

sexta-feira, 16 de março de 2007


O bloqueio de bens como ameaça à cidadania

Aristoteles Atheniense*

Assim que assumiu a Advocacia Geral da União, o Dr. José Antônio Dias Tóffoli compareceu ao gabinete da Presidente do Supremo Tribunal Federal, Ministra Ellen Grace, em companhia do Ministro Guido Mantega, transmitindo-lhe o interesse do Executivo por dois projetos de lei que serão encaminhados ao Congresso no começo de abril. Ao que consta, o Presidente da República está empenhado em promover a agilidade das cobranças dos tributos, sem que isso ocorra através da via própria, que é o Judiciário.

O argumento trazido pelo Ministro Guido Mantega é que a União somente consegue recuperar 1% do total devido. Assim, com a criação da Lei Geral de Transações que modificará a lei de execução fiscal, será possível alcançar pelo menos 5% dos débitos. A iniciativa importará na realização de penhora sem autorização da justiça, à exceção dos casos de indisponibilidade geral dos bens do devedor e bloqueio do faturamento das empresas com dívidas em execução judicial.

Na vigência do regime militar foi instituída a execução extrajudicial. Naquele processo o devedor sofria a constrição do Estado, sendo despojado de seus bens sem poder recorrer ao Judiciário em defesa dos seus direitos. Naquele regime de exceção, como ainda hoje acontece, a Constituição prescrevia que nenhuma lesão ao direito individual poderia escapar à apreciação da justiça. Causa espécie a justificativa oferecida pelo Procurador Geral da Fazenda Nacional de que a nova lei dará maior facilidade ao contribuinte para suspender "processo de cobrança na justiça", pois, este, após receber a notificação, disporia de prazo de 90 dias para apresentação de parcelamento do débito que lhe está sendo exigido.

Assim, com a criação da "Câmara de Conciliação da Fazenda Pública" a dívida que, em princípio, seria incobrável, deixará de ser "uma bola de neve por causa de multas, juros e encargos, o que colocou o devedor em situação de inviabilidade". Tudo indica que o respeito à Constituição, a esta altura, não passa de uma ficção e o compromisso assumido pelo Presidente da República, no ato de sua posse em defendê-la, importou somente num compromisso transitório, que deve ser esquecido o quanto antes.

É de se estranhar, ainda, que o novo advogado Geral da União, ao invés de esforçar-se no sentido de que a União não continue a recorrer sistematicamente das decisões que lhe são desfavoráveis, esteja mais interessado em aumentar o caixa do Tesouro, pretextando com a dívida ativa em curso que soma R$ 600 bilhões. O Brasil é tido e havido como país que tem a maior carga tributária do mundo. O que é reconhecido, inclusive, pelos nossos credores internacionais. Importa num desatino pretender impedir que o devedor fiscal não possa defender seus direitos através do devido processo legal, ficando, doravante, sujeito a um novo sistema que traz a esdrúxula justificativa de que, com a sua implantação, serão reduzidos, em quinze anos, 75% do número de processos de execução tramitando na justiça.

Quanto à anunciada Câmara de Conciliação, que terá autonomia para decidir sobre dívidas de até R$10 milhões, convém ressaltar que a sua composição contará apenas com procuradores da Fazenda, auditores da Receita Federal e membros do Tribunal de Contas da União, sendo de se estranhar que dela não participem os contribuintes e a classe dos advogados. Conforme advertiu Gandhi, "uma civilização é julgada pelo tratamento que dispensa às minorias". Se o Executivo pretende adotar métodos arbitrários, visando maior arrecadação, através do direito da força, que exercia no Congresso, e não da força do direito que promana da Constituição, a cidadania enfrentará sério risco. É sinal de que a minoria de que falava Gandhi e o próprio povo não têm para um governo que se dizia portador de um projeto social importância alguma, a não ser às vésperas das eleições.

____________








*Advogado do escritório Aristoteles Atheniense Advogados e conselheiro Federal da OAB

 

_____________

Atualizado em: 15/3/2007 14:41

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Ricardo Penteado

Migalheiro desde 2008

Roberto Rosas

Migalheiro desde 2015

Luís Roberto Barroso

Migalheiro desde 2003

Abel Simão Amaro

Migalheiro desde 2004

René Ariel Dotti

Migalheiro desde 2006

Rogério Pires da Silva

Migalheiro desde 2005

Gustavo Binenbojm

Migalheiro desde 2005

Murillo de Aragão

Migalheiro desde 2018

Lenio Luiz Streck

Migalheiro desde 2005

Marco Aurélio Mello

Migalheiro desde 2014

Celso Cintra Mori

Migalheiro desde 2005

Publicidade