segunda-feira, 19 de outubro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

A responsabilidade do Estado, as Milícias e a "Tolerância Zero".

Terezinha Cáritas de Jesus

Todos pecam pela omissão: a sociedade desigual, que nada faz para mitigar esta brutal desigualdade, e que não cobra de seus servidores mais altos das três esferas do Poder Executivo as devidas ações para conter a violência.

segunda-feira, 19 de março de 2007


A responsabilidade do Estado, as Milícias e a "Tolerância Zero".

Terezinha Cáritas de Jesus*

De quem é a culpa da terrível morte do pequeno João? Somente de seus assassinos?

Esta é uma pergunta que não quer calar.

Com certeza não é dos pais dos assassinos, mas de toda a sociedade, e, principalmente, do Estado como um todo (Município, Estado e União).

Todos pecam pela omissão: a sociedade desigual, que nada faz para mitigar esta brutal desigualdade, e que não cobra de seus servidores mais altos das três esferas do Poder Executivo as devidas ações para conter a violência.

Qual o caminho seguro para conter a violência?

Não é, com certeza, cuidando apenas de seus efeitos, com a repressão (insuficiente, por sinal) ao crime, com a prisão, o devido julgamento do criminoso, assegurada a sua ampla defesa.

É necessário, isto sim, retomarmos o "Estado do Bem Social" , em seu verdadeiro sentido, com educação, saúde, emprego e lazer para todos.

É necessário, ainda, que o Estado mostre a sua autoridade na defesa de seu patrimônio e da vida e segurança de seus cidadãos, não permitindo, jamais, que milícias queiram se apoderar deste direito/dever do Estado, e, ainda por cima, explorem a população, seja esta do morro, seja da periferia, seja dos bairros nobres.

É preciso, infelizmente, ser adotada a "Tolerância Zero" nas ruas, principalmente nos grandes centros urbanos, começando com a remuneração digna aos policiais civis e militares, para que não haja corrupção (que não é generalizada, como a mídia quer fazer crer, pois existem bons policiais), e patrulhamento ostensivo mas com tratamento digno aos criminosos, pois temos que ser intolerantes com o crime e não com o criminoso, que é, também, um ser humano, que precisa de muita orientação.

Como dizia Che Guevara "Devemos endurecer, sem perder a ternura".

E por falar em orientação, que tal acabar com a superlotação nos presídios e nas cadeias?

Que tal dar um tratamento digno ao preso, dando-lhe oportunidade de realmente reeducar-se, com trabalho, educação, lazer e cuidados médicos?

Precisamos rever nossos conceitos e temos que recomeçar do zero toda a noção que temos da reeducação dos criminosos.

A democracia, a cidadania e a ética social.

Muito se tem discutido acerca da maioridade penal, mas não é no momento de comoção social que se devem mudar as leis, como bem observou a Ministra Ellen Gracie, Presidente do Supremo Tribunal Federal.

Não é com violência física ou moral (incluída aqui a alteração da legislação de proteção à criança e ao adolescente) que se combate a violência, mas, sim, construindo-se a verdadeira democracia, onde todos têm iguais oportunidades, e todos aprendem e praticam cidadania e ética social.

Concluí meu artigo "Eleições - Reflexão sobre a esperança e o medo" publicado no Correio Popular, com as seguintes observações, que são bastante apropriadas, a meu ver, para o presente momento:

"Assistimos, atônitos, pasmos, o desenrolar dos acontecimentos no país, na América Latina, no mundo.

Algo precisa ser feito, realmente, para mudar o cenário atual, principalmente em nosso país. E isto tem que ser feito aqui, agora.

O que nos falta, entretanto, é realmente coragem para uma revolta, mas temos que nos conscientizar que existem revoltas pacíficas, que são feitas de atitudes.

Como? Unindo-se em associações e comunidades religiosas ou de bairro, a organizações não governamentais que busquem a conscientização de que podemos construir um mundo melhor, com pessoas melhores, que lutem por si e pelos próximos (principalmente os menos favorecidos e excluídos de toda sorte), pela natureza, contra a corrupção, por uma vida digna de todos, inclusive dos encarcerados, sendo estes reeducados dignamente para se integrarem na sociedade.

Lutar sozinho (a) é muito mais difícil (senão impossível), e a união que é feita de forma corajosa, tendo em vista objetivos sérios e concretos sempre dá algum resultado, por menor que seja.

Sonho? Utopia? Espero que não, pois aquele que não sonha já morreu e não sabe. A utopia, por outro lado, não existe. O que está faltando (um pouco) são homens e mulheres de boa vontade, e aqueles poucos que existem precisam ser mais visualizados.

....".

Devemos, sim, não apenas nos indignar com o crime, mas, também, fazer a nossa parte para a construção de um mundo melhor.

Deus já fez e faz a sua parte. Agora é conosco.

_____________

*Juíza aposentada, e estudante de Teologia e Filosofia





____________

Atualizado em: 16/3/2007 10:04

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

É Autor Migalhas? Faça seu login aqui

AUTORES MIGALHAS

Tiago Melo

Migalheiro desde 2019

Rogério Pires da Silva

Migalheiro desde 2005

Julio Engel

Migalheiro desde 2018

Fábio Jun Capucho

Migalheiro desde 2020

Felipe Bastos

Migalheiro desde 2019

Gilda Gronowicz

Migalheira desde 2006

Gabrielle Gazeo Ferrara

Migalheira desde 2016

Patricia Novais Calmon

Migalheira desde 2019

Guilherme Borba Vianna

Migalheiro desde 2007

Rita Riff

Migalheira desde 2020

Publicidade