domingo, 25 de outubro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Súmula vinculante e segurança jurídica (Final)

A regulação normativa da Súmula de Efeito Vinculante prevê a hipótese da reclamação (pelo seu descumprimento) provocar, ainda que excepcionalmente, sua revisão ou seu cancelamento se o Supremo Tribunal Federal se convencer de sua inviabilidade ou inoportunidade revelada na questão julgada em face de mudanças econômicas, sociais, políticas e culturais.

quinta-feira, 29 de março de 2007


Breviário forense

Súmula vinculante e segurança jurídica (Final)

René Ariel Dotti*

A regulação normativa da Súmula de Efeito Vinculante (clique aqui) prevê a hipótese da reclamação (pelo seu descumprimento) provocar, ainda que excepcionalmente, sua revisão ou seu cancelamento se o Supremo Tribunal Federal se convencer de sua inviabilidade ou inoportunidade revelada na questão julgada em face de mudanças econômicas, sociais, políticas e culturais. Tal hipótese pode ser levantada em decisão proferida por qualquer Juiz ou Tribunal.

Não resta dúvida que, em situações adequadas, esse novo mecanismo processual trará excelentes resultados para a economia e agilização dos feitos sem prejuízo da garantia de acesso ao Judiciário.

Em artigo publicado em revista especializada, o ex-Ministro da Justiça e Advogado, Saulo Ramos, narra episódio que bem identifica as vantagens da Súmula. O texto se refere a dois dispositivos constitucionais em favor dos aposentados. Um deles estabelece: "Nenhum benefício que substitua o salário de contribuição ou o rendimento do trabalho do segurado terá valor mensal inferior ao salário mínimo". E o outro dispõe: "A gratificação natalina dos aposentados e pensionistas terá por base o valor dos proventos do mês de dezembro de cada ano" (art. 201, §2º e 6º). É oportuno reproduzi-lo, em parte:

"Tempos atrás, o INSS entendeu que para pagar esses benefícios era preciso haver lei que regulasse os comandos constitucionais. E calote nos aposentados. A briga foi ao Supremo Tribunal que decidiu: os comandos são auto-aplicáveis. Não precisava de lei alguma. A maioria dos Tribunais Regionais Federais seguiu o Supremo e os aposentados sob as respectivas jurisdições passaram a receber. Mas o Tribunal Regional do Rio Grande do Sul declarou que o Supremo estava errado e deu ganho de causa ao INSS. Assim, os aposentados de lá, mais os de Santa Catarina e do Paraná, ficaram sem os benefícios.

"Um pobre aposentado daquelas bandas recorreu ao Supremo, mas entrou com o recurso fora de prazo. A inconstitucionalidade da decisão do Tribunal Regional transitou em julgado contra os aposentados do sul.

"Temos, neste caso, muitas lições a aprender: a inutilidade da decisão do Supremo, a rebeldia de um tribunal inferior, a cara-de-pau da autoridade administrativa e, por último, o sistema brasileiro de controle da constitucionalidade que permite o trânsito em julgado de uma inconstitucionalidade por falta de recurso da parte prejudicada. Não é preciso dizer que isto acontece sempre contra os pobres, mas é falha vergonhosa do sistema em um país que vive se vangloriando de ter um Estado de Direito. A doutrina do mundo inteiro, civilizado, é claro, considera a inconstitucionalidade como o mais grave defeito das normas e do ato jurídico, é uma coisa nenhuma, inexistente por nulidade absoluta.

"Se, naquela época, houvesse súmula vinculante nada disto teria acontecido no Rio Grande do Sul. A decisão do Supremo, se sumulada, teria validade, o tribunal regional a teria aplicado, a autoridade administrativa seria obrigada a obedecê-la e os aposentados do sul teriam recebido seus benefícios. Isto acontece nos mais variados casos". (Consulex, nº 175, de 30.04.2004, p. 52/53).

___________




*Advogado do Escritório Professor René Ariel Dotti








_________

Atualizado em: 27/3/2007 11:46

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS

Alessandro Gil

Migalheiro desde 2020

Laura França Silva

Migalheiro desde 2020

Lilian Castelani

Migalheira desde 2020

Hamilton de Oliveira

Migalheiro desde 2020

Rômulo Moreira Torres

Migalheiro desde 2005

Marcos Mairton

Migalheiro desde 2012

Sérgio Pinheiro Marçal

Migalheiro desde 2019

Marcos Ehrhardt Jr.

Migalheiro desde 2020

Marcelo Narcizo Soares

Migalheiro desde 2018

Cristina Lima Monteiro

Migalheira desde 2019

Vinícius Lobato Couto

Migalheiro desde 2019

Bruno Roberto Zambon

Migalheiro desde 2017

Bernardo Vianna Freitas

Migalheiro desde 2015

Laís Lewicki

Migalheira desde 2019

Publicidade