sábado, 5 de dezembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Depósito em recurso administrativo

O direito a mais ampla defesa, reconhecido pela Constituição, ampara também o interesse daqueles que estão sendo processados internamente pela Administração Pública.

quinta-feira, 26 de julho de 2007


Depósito em recurso administrativo

Sérgio Roxo da Fonseca*

O direito a mais ampla defesa, reconhecido pela Constituição (clique aqui), ampara também o interesse daqueles que estão sendo processados internamente pela Administração Pública.

Tal garantia constitucional é observada quando ao acusado se lhes dá o direito de previamente tomar conhecimento da imputação que lhe é feita, permitindo-lhe ainda o direito de rechaçá-la na forma da lei. O princípio da paridade das armas é o nome que se cunhou para memorizar a questão. Registre-se que a questão vem muito bem estudada no livro "Teoria Geral do Processo", escrito por Cândido Dinamarco e outros.

O ordenamento constitucional proíbe portanto o proferimento de decisões administrativas antes de ouvido o interessado. O professor argentino A. Gordillo anota que um juiz inglês negou-se a condenar um réu, antes de ouvi-lo, lembrando que até mesmo Deus havia se curvado a tal regra. Antes de Deus condenar Adão e Caim, pergunta se cometeram a infração. As duas frases são interrogatórias, como se fosse possível inferir que Deus, onipresente e onisciente, já não sabia do erro de seus réus. Diz o juiz inglês que não foi à toa que Deus interrogou os réus, mas, sim, para demonstrar a toda civilização que tal princípio deve ser respeitado, ainda quando não derivado de uma lei escrita.

Ressoa como eco de tempos pré-históricos, os processos de cassação de mandato e de suspensão de direitos políticos instaurados durante o recente regime militar brasileiro.

No entanto, uma vez ou outra, a Administração Pública crava limites ao exercício da mais ampla defesa em frontal desaforo ao sistema constitucional.

Ainda recentemente, a Administração Pública passou a exigir depósito prévio em dinheiro para o exercício da defesa ou para abrir acesso a recurso administrativo. Muito recentemente o Superior Tribunal de Justiça reconheceu a inconstitucionalidade de tal medida.

Decidiu-se que o fato de se condicionar a interposição de recurso administrativo a depósito prévio da multa devida em decorrência da possível infração afronta claramente o princípio da ampla defesa, assegurado pela Carta Magna, porquanto, havendo impossibilidade de se efetuar o depósito, a defesa do requerido, na instância administrativa, fica cerceada.

Precedentes citados do STF: AC 1.566/MG, DJ 27/4/2007; ADI 1.073/DF, DJ 28/5/2001; do STJ: AgRg no Ag 112.789/PA, DJ 30/6/1997, e RMS 240/SP, DJ 1º/6/1992. REsp 943.116-SP, relator Ministro José Delgado, julgado em 2 de junho de 2007.

___________________

*Professor Doutor das Faculdades de Direito da UNICOC/Ribeirão Preto e da UNESP/Franca





_______________

Atualizado em: 25/7/2007 13:51

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Giselle Farinhas

Migalheira desde 2017

Roberto Rosas

Migalheiro desde 2015

Vanessa Mollo

Migalheira desde 2019

Cesar de Lima e Silva

Migalheiro desde 2019

Guilherme Alberge Reis

Migalheiro desde 2020

Celso Cintra Mori

Migalheiro desde 2005

Carla Domenico

Migalheira desde 2011

Publicidade