sábado, 31 de outubro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Nova lei deve alterar atuais contratos de estágio

José Carlos Wahle

Tramita um projeto de lei com o propósito de modificar a legislação a respeito da atividade de estágio. É o resultado do Grupo de Trabalho Interministerial - GTI, envolvendo os Ministérios da Previdência, do Trabalho e da Educação.

terça-feira, 20 de abril de 2004

Nova lei deve alterar atuais contratos de estágio

 

José Carlos Wahle*

 

Tramita um projeto de lei com o propósito de modificar a legislação a respeito da atividade de estágio. É o resultado do Grupo de Trabalho Interministerial - GTI, envolvendo os Ministérios da Previdência, do Trabalho e da Educação.

 

O GTI concluiu que a legislação sobre a prática de estágio "necessita de profunda reformulação para cumprir a sua finalidade legítima ... tornar o estágio uma atividade curricular supervisionada, assumida intencionalmente pela instituição de ensino".

 

O Governo está preocupado, basicamente, com: 1) a má utilização do estágio no desempenho de atividades que caberiam a empregados; 2) a conseqüente perda de arrecadação previdenciária; e 3), sintomaticamente em terceiro lugar, a contrariedade dos princípios fundamentais do processo educativo.

 

Tudo isso é verdade, mas a culpa não é da lei vigente.

 

É verdade que o atual modelo de estágio permite abusos. Há estagiários que nada aprendem e que apenas servem como força de trabalho mais barata do que o empregado. Também é verdade que o mau uso do estágio causa prejuízos individuais (direitos trabalhistas) e também coletivos (redução de postos de trabalho e perda de receita da Previdência Social).

 

Mas não é menos verdade que o desvirtuamento do estágio, por se tratar de fraude, é ato nulo. A empresa fraudadora pode ser punida com multa e até com o encerramento das atividades do estabelecimento infrator. A fiscalização cabe aos Ministérios do Trabalho e da Previdência e ao Ministério Público do Trabalho. Além da punição, a empresa fraudadora é obrigada a indenizar o trabalhador que foi indevidamente contratado no regime de estágio.

 

A legislação que seria revogada - Lei 6.494/77 e Decreto87.497/82 -, aplicada em conjunto com a CLT (artigos 2o, 3o e 9o), contém elementos suficientes para assegurar que o estágio cumpra a sua legítima finalidade. Podemos citar como exemplos a necessidade de termo de compromisso com a intervenção da instituição de ensino e a jornada compatível com horário escolar.

 

O combate à fraude não depende de lei nova, mas sim de maior eficiência dos órgãos de fiscalização.

 

Enfim, se vier, a nova lei traria algumas novidades que afetariam muitos contratos de estágio que seguem. São condições de validade mais objetivas do as atualmente exigidas: i) jornada máxima de 6 horas por dia e 30 por semana; e ii) limite de estagiários em 20% do número de empregados.

 

Infelizmente, há no Brasil um sentimento geral de que algumas leis "não pegam". São leis que, por assim dizer, não "caem no gosto popular" e que a Administração Pública não faz muita questão de fiscalizar.

 

Se o projeto em questão se transformar em lei, as empresas que contratarem estagiários deverão, basicamente, adequar as suas atividades de estágio à nova jornada e ao número de vagas de estágio. Mas não nos deixemos enganar: para corrigir desvios de conduta social, não basta mudar a lei, há que mudar a mentalidade em relação ao cumprimento da lei pela sociedade e em relação à sua fiscalização pela Administração.

 

__________________

 

 

* Advogado do escritório Veirano Advogados

 

 

 

 

 

 

 

 

___________________

Atualizado em: 19/4/2004 14:16

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Celso Cintra Mori

Migalheiro desde 2005

Teresa Arruda Alvim

Migalheira desde 2006

Gisele Nascimento

Migalheira desde 2017

Júlio César Bueno

Migalheiro desde 2004

Allan de Oliveira Kuwer

Migalheiro desde 2020

Valmir Pontes Filho

Migalheiro desde 2004

Vantuil Abdala

Migalheiro desde 2008

Maria Berenice Dias

Migalheira desde 2002

Luís Roberto Barroso

Migalheiro desde 2003

Almir Pazzianotto Pinto

Migalheiro desde 2003

Rogério Pires da Silva

Migalheiro desde 2005

Renato de Mello Almada

Migalheiro desde 2018

Publicidade