sexta-feira, 4 de dezembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Projeto de Lei altera as regras para a Concessão do Efeito Suspensivo ao Recurso de Apelação (art. n°. 520 do CPC), conferindo maior efetividade à sentença

Maurício Traldi e Ricardo Ferreira Pastore

Tramita perante a Câmara dos Deputados o Projeto de Lei da Câmara nº. 30/2005 SF (PL nº. 3605/2004, na origem - "PL"), de autoria do Deputado Federal Colbert Martins, do PPS/BA, que altera a redação do artigo n°. 520 do Código de Processo Civil ("CPC"), modificando a sistemática para concessão do efeito suspensivo ao recurso de apelação.

quarta-feira, 5 de dezembro de 2007


Projeto de Lei altera as regras para a Concessão do Efeito Suspensivo ao Recurso de Apelação (art. n°. 520 do CPC), conferindo maior efetividade à sentença

Maurício Traldi*

Ricardo Ferreira Pastore*

Tramita perante a Câmara dos Deputados o Projeto de Lei da Câmara nº. 30/2005 SF (PL nº. 3605/2004 - clique aqui -, na origem - "PL"), de autoria do Deputado Federal Colbert Martins, do PPS/BA, que altera a redação do artigo n°. 520 do Código de Processo Civil (clique aqui), modificando a sistemática para concessão do efeito suspensivo ao recurso de apelação.

Como é sabido, o efeito suspensivo impede a imediata produção de efeitos da decisão recorrida até o julgamento final do recurso, impossibilitando, dessa forma, a execução provisória da decisão.

De acordo com a atual redação do artigo n°. 520 do CPC (caput, primeira parte), como regra, o recurso de apelação deve ser recebido nos efeitos devolutivo e suspensivo. No rol não taxativo contido nos incisos do art. n°. 520 do CPC (caput, segunda parte), o legislador relacionou algumas das hipóteses nas quais o recurso deve ser recebido apenas no efeito devolutivo:

"Art. n°. 520 - A apelação será recebida em seu efeito devolutivo e suspensivo. Será, no entanto, recebida só no efeito devolutivo, quando interposta de sentença que:

I - homologar a divisão ou a demarcação;

II - condenar à prestação de alimentos;

III - (Revogado pela Lei nº. 11.232/05 - clique aqui -);

IV - decidir o processo cautelar;

V - rejeitar liminarmente embargos à execução ou julgá-los improcedentes;

VI - julgar procedente o pedido de instituição de arbitragem;

V - confirmar a antecipação dos efeitos da tutela."

O PL propõe uma inversão na regra dos efeitos, de forma que a concessão do efeito suspensivo passe a ser exceção, e não mais a regra geral, devendo, em princípio, o recurso ser recebido apenas no efeito devolutivo. Confira-se a redação do art. n°. 520 aprovada pela Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania ("CCJ") da Câmara dos Deputados, após emendas do Senado Federal:

"Art. 520. A apelação será recebida no efeito devolutivo, devendo, no entanto, ser recebida também no efeito suspensivo quando disposição expressa de lei assim o determinar, ou quando interposta de sentença:

I - proferida em ação relativa ao estado ou capacidade da pessoa;

II - diretamente conducente à alteração em registro público;

III - cujo cumprimento necessariamente produza conseqüências práticas irreversíveis;

IV - que substitua declaração de vontade;

V - sujeita a reexame necessário."

Oportunamente o PL será votado pelo Plenário da Câmara dos Deputados. Se aprovado, seguirá para a sanção ou veto Presidencial.

- Considerações preliminares sobre o PL

O PL está inserido no contexto das últimas reformas implementadas no CPC e que visam conferir maior efetividade e celeridade ao processo.

O PL tem o objetivo claro de corrigir incoerência do sistema processual. Como bem salientado na "Justificação" do PL, "É mais fácil alcançar a efetividade de uma decisão interlocutória que antecipa os efeitos da tutela do que a de uma sentença que concede essa mesma tutela, agora em sede de cognição plena e exauriente. Isso porque aquela é atacada via recurso de agravo, que de regra não tem efeito suspensivo, ao passo que a última desafia apelação, onde a regra é inversa, ou seja, o recurso é recebido em ambos os efeitos."1

Além disso, pretende-se com essa alteração diminuir o número de recursos protelatórios: "A par das propostas de alteração do sistema recursal, cremos que a possibilidade de efetivação das sentenças de primeiro grau, independentemente de eventual revisão, em muito contribuiria para a diminuição dos recursos meramente protelatórios. Afinal, se a execução imediata da sentença passar a ser regra, o interesse recursal protelatório diminuirá, principalmente diante das novas regras da execução provisória."2

Considerando que a lei processual tem aplicação imediata aos processos em andamento, entendemos que o acompanhamento da tramitação desse PL é medida que se impõe. A aprovação do PL trará conseqüências aos processos em andamento em Primeira Instância não sentenciados (no momento da entrada em vigor da lei), permitindo que o credor dê início à execução provisória da sentença, caso o recurso de apelação não seja recebido no efeito suspensivo.

Em conclusão, ao tornar exceção a concessão do efeito suspensivo ao recurso de apelação, o PL confere à sentença maior efetividade, seguindo a tendência dos sistemas processuais mais modernos.

_____________

1 Justificação apresentada pelo Deputado Federal Colbert Martins quando da apresentação do PL na Câmara dos Deputados, in (clique aqui).

2 Justificação apresentada pelo Deputado Federal Colbert Martins quando da apresentação do PL na Câmara dos Deputados, in (clique aqui).

_____________

*Associados da Área Contenciosa do escritório Pinheiro Neto Advogados


* Este artigo foi redigido meramente para fins de informação e debate, não devendo ser considerado uma opinião legal para qualquer operação ou negócio específico.


© 2007. Direitos Autorais reservados a PINHEIRO NETO ADVOGADOS








________________

Atualizado em: 4/12/2007 08:00

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Scilio Faver

Migalheiro desde 2020

Sílvio de Salvo Venosa

Migalheiro desde 2019

Gustavo Abdalla

Migalheiro desde 2019

Teresa Arruda Alvim

Migalheira desde 2006

Renato de Mello Almada

Migalheiro desde 2008

Ronaldo de Jesus

Migalheiro desde 2019

Vantuil Abdala

Migalheiro desde 2008

Douglas Lima Goulart

Migalheiro desde 2020

Publicidade