quarta-feira, 21 de outubro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Que país é este

Affonso Ghizzo Neto

Casos de corrupção banalizados pelo cotidiano, jogo do bicho, propinas, superfaturamentos em licitações. Homicídios, queimas de arquivo, caso Waldomiro, caso Celso Daniel, desvio de verbas públicas, esquemas de fraudes gigantescas, roubo do erário, mau trato da coisa pública.

quinta-feira, 17 de junho de 2004

Que país é este


Affonso Ghizzo Neto*

"Nas favelas, no Senado
Sujeira pra todo lado
Ninguém respeita a Constituição
Mas todos acreditam no futuro da nação
Que país é este"

Casos de corrupção banalizados pelo cotidiano, jogo do bicho, propinas, superfaturamentos em licitações. Homicídios, queimas de arquivo, caso Waldomiro, caso Celso Daniel, desvio de verbas públicas, esquemas de fraudes gigantescas, roubo do erário, mau trato da coisa pública. Tudo isso, uma vergonha, circunstâncias que desanimam todos os cidadãos de bem.

A atuação independente do Ministério Público, investigando, requerendo prisões de criminosos poderosos, interpondo ações judiciais para punição de delitos de alto bordo, pode ter um lamentável fim. Ministros de Estado, Governadores, Prefeitos, Parlamentares e outras autoridades não poderão ser mais investigadas pelo Ministério Público. Ocorre que o Supremo Tribunal Federal (STF), ao julgar um caso específico de um deputado, está prestes a decidir se o Ministério Público pode ou não exercer a investigação criminal.

Caso o SFT decida que o Ministério Público não possa exercer a função investigatória, todos os processos interpostos com base em investigações realizadas pelo Ministério Público contra parlamentares, empresários e outros poderosos, serão considerados nulos.

A Constituição e sua interpretação devem refletir, por certo, o desenvolvimento da democracia, com o amadurecimento da sociedade e a investigação séria de seus representantes (políticos, juízes, promotores etc.). A ação da imprensa, das organizações não governamentais e da população, ao lado da atuação operante do Ministério Público, tem sido fundamental para a punição de pessoas até então consideradas intocáveis.

Aliás, políticos, agentes públicos, empresários etc; quando honestos, nada têm a perder com a investigação independente e imparcial realizada pelo Ministério Público.

Pensar o contrário, no momento político atual, com o ataque desmedido ao Poder Judiciário, com o controle externo etc; pode parecer casuísmo. E, mais que isso, representa um retrocesso no caminho que a sociedade vem trilhando no exercício da cidadania e no efetivo combate à corrupção.

Estamos assistindo agora a luta do "bem" contra o "mal". Cabe a cada cidadão brasileiro, através de telefonemas, e-mail's, e outras manifestações gerais, se indignar contra mais este ataque ao Regime Democrático de Direito. A sociedade deve dizer não à corrupção, sendo essencial a permanência dos poderes investigatórios do Ministério Público que, afinal, é o titular da ação penal, responsável maior pela punição dos criminosos.

"Terceiro mundo se for
Piada no exterior
Mas o Brasil vai ficar rico
Vamos faturar um milhão
Quando vendermos todas as almas
Dos nossos índios em um leilão
Que país é este"

__________

* Promotor de Justiça em Chapecó/SC






__________

Atualizado em: 17/6/2004 09:01

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

É Autor Migalhas? Faça seu login aqui

AUTORES MIGALHAS

Natalia Biondi Gaggini

Migalheira desde 2020

Bruna Silveira Sahadi

Migalheira desde 2019

Marcelo Arantes

Migalheiro desde 2020

Eveline Andrade

Migalheira desde 2020

Rafael Cezar

Migalheiro desde 2020

Vanessa Inhasz Cardoso

Migalheira desde 2015

Igor Nascimento de Souza

Migalheiro desde 2018

Felipe Fernandes Reis

Migalheiro desde 2020

Luciano Garcia Rossi

Migalheiro desde 2002

Henrique Soares Melo

Migalheiro desde 2020

Milena Pappert

Migalheira desde 2020

Suzan Raphaellen Franche

Migalheira desde 2020

Lucas Andrade Araripe

Migalheiro desde 2020

Publicidade