terça-feira, 1 de dezembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Dano Moral Objetivo

Se no passado existiu controvérsia acerca da possibilidade de indenização por danos morais, atualmente essa idéia é admitida com naturalidade.

sexta-feira, 1 de fevereiro de 2008


Dano Moral Objetivo

Munique Teixeira Vaz*

Se no passado existiu controvérsia acerca da possibilidade de indenização por danos morais, atualmente essa idéia é admitida com naturalidade.

Cronologicamente, o ordenamento passou a expressar os danos morais na Constituição Federal de 1988 - clique aqui - (art. 5º, inc. V), no Estatuto da Criança e do Adolescente (art. n°. 17), no Código de Defesa do Consumidor - clique aqui - (art. 6º, inc. VII), e por último no Código Civil de 2002 - clique aqui - (art. n°. 186), cuja redação é inovadora, ao admitir danos "exclusivamente" morais.

A conseqüência desse aparato legislativo é a edição, pelo Superior Tribunal de Justiça, da Súmula 37 (clique aqui), aprovada em 1992, que garante a cumulação de danos morais e materiais. A partir de então, os Tribunais passaram a adotar tal posicionamento.

Todavia, ainda são muitas as dúvidas levantadas pelos danos morais, tanto de índole processual quanto de direito material.

Exemplo interessante é o pedido genérico de condenação em danos morais na petição inicial. Um olhar atento ao art. n°. 286 do Código de Processo Civil (clique aqui) induz a conclusão de que o pedido de danos morais deve ser certo e determinado, pois de "ações universais" não se trata (inc. I), com certeza já é possível determinar as consequências do ato ou fato ilícito, já que o dano moral, por essência, é instantâneo (inc. II), além do que, a determinação do valor da condenação não depende de nenhum ato do réu (inc. III).

Nesse sentido, cabe ao autor indicar expressamente na petição inicial o valor dos danos morais que alega ter sofrido, considerando que é de fato a melhor pessoa para quantificá-los, uma vez que ele próprio sofreu a ofensa moral.

Não obstante, essa não tem sido a posição do Superior Tribunal de Justiça, que reiteradamente vem decidindo que "é admissível o pedido genérico em ação de indenização por dano moral por não ser possível, quando do ajuizamento da ação, determinar-se o valor devido" (REsp 2005/0142256-8).

Aliada a essa questão, a idéia do "dano moral objetivo" me parece igualmente interessante. Um breve parêntese precisa ser aberto. Convém lembrar que o instituto da Responsabilidade Civil nasceu com viés subjetivo, para a configuração da indenização era imprescindível a demonstração de culpa. Hodiernamente, sem sombra de dúvidas, há uma migração da Responsabilidade Civil subjetiva para a objetiva, que considera a conduta do agente só no aspecto da existência, e não no prisma da ilicitude.

Fenômeno semelhante ocorreu no instituto da Boa-Fé. Inicialmente, o aspecto subjetivo era o único conhecido pela Boa-Fé, que buscava apurar na intenção do agente os reflexos jurídicos da sua ação ou omissão.

O contrário da Boa-Fé subjetiva significa, assim, Má-Fé. Contudo, já há algum tempo se fala no aspecto objetivo da Boa-Fé, como padrão de conduta esperado pelos membros da sociedade. Não está em jogo propriamente a intenção do agente, mas se a conduta praticada está dentro do molde social. Destarte, mesmo de Boa-Fé (subjetiva), ainda assim, não há óbice alguma de desrespeito a algum padrão comportamental juridicamente relevante (Boa-Fé objetiva), o que inclusive pode acarretar na anulação do negócio.

Fechado o parêntese, dá pra notar um deslocamento do prisma eminentemente subjetivo para o aspecto objetivo dos institutos. Talvez essa migração ocorra por motivos processuais, especialmente em razão da dificuldade de se provar a culpa (na Responsabilidade Civil), ou a verdadeira intenção do agente no momento do negócio.

A índole do dano moral certamente é subjetiva, é exclusivamente a vítima que tem exata compreensão do seu sofrimento. Todavia, é possível notar que o Superior Tribunal de Justiça constantemente tem considerado a vertente "objetiva" do dano moral. Explico melhor. O posicionamento do Tribunal é pacífico ao admitir a condenação por danos morais quando há inscrição indevida nos cadastros de proteção ao crédito, contudo, como não há como demonstrar que de fato a vitima teve um transtorno moral com a inscrição (pode acontecer que isso não tenha acarretado prejuízos psíquicos à vítima, que apenas buscou o Judiciário para pleitear uma oportuna compensação financeira), acaba-se por definir "que qualquer pessoa inscrita nos cadastros de restrição creditícia sofre danos morais", independentemente se de fato houve abalo ou transtorno psíquico na sua moral (subjetiva).

Esse é padrão objetivo de comportamento definido pelo Tribunal, fala-se até em "dano moral presumido", o que obviamente não permite uma análise da real afronta na moral da vítima. Assim, "a jurisprudência do STJ entende que a inscrição indevida em cadastros de proteção ao crédito, por si só, justifica o pedido de ressarcimento a título de danos morais, tendo em vista a possibilidade de presunção do abalo moral sofrido" (REsp 2004/0017142-0).

Por fim, amiúde os critérios subjetivos vão cedendo espaço para uma "objetivação" do direito, o que certamente pode facilitar um tratamento homogênio dos jurisdicionados, mas por outro lado pode acarretar pontuais injustiças lamentáveis.

_________________


*
Advogada. Professora do curso de Direito da Universidade Federal do Tocantins






_______________

Atualizado em: 24/1/2008 10:55

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Diogo L. Machado de Melo

Migalheiro desde 2008

Diego Mancini Aurani

Migalheiro desde 2020

Letícia Baddauy

Migalheira desde 2020

Flávia Pereira Ribeiro

Migalheira desde 2019

Miguel Reale Júnior

Migalheiro desde 2003

Cleanto Farina Weidlich

Migalheiro desde 2007

Carla Domenico

Migalheira desde 2011

Vanessa Mollo

Migalheira desde 2019

Stanley Martins Frasão

Migalheiro desde 2002

Douglas Lima Goulart

Migalheiro desde 2020

Allan de Oliveira Kuwer

Migalheiro desde 2020

Publicidade