quinta-feira, 22 de outubro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Taxa judiciária

A garantia constitucional de acesso à justiça, que serve para a realização efetiva dos demais direitos, seguida da exigência de custas judiciais são alternativas que, à primeira vista, se chocam. O acesso à justiça constitui direito fundamental do homem, contemplado na Constituição, pelos princípios do juiz natural, inc. LIII, artigo 5o; do devido processo legal, inciso LIV; do contraditório da ampla defesa, inciso LV; pela assistência jurídica integral e gratuita aos que necessitarem da tutela jurisdicional, inciso LXXIV, etc.

quinta-feira, 24 de junho de 2004

Taxa judiciária


Antonio Pessoa Cardoso*


A garantia constitucional de acesso à justiça, que serve para a realização efetiva dos demais direitos, seguida da exigência de custas judiciais são alternativas que, à primeira vista, se chocam. O acesso à justiça constitui direito fundamental do homem, contemplado na Constituição, pelos princípios do juiz natural, inc. LIII, artigo 5o; do devido processo legal, inciso LIV; do contraditório da ampla defesa, inciso LV; pela assistência jurídica integral e gratuita aos que necessitarem da tutela jurisdicional, inciso LXXIV, etc. O pagamento de custas judiciais para efetivação destes princípios, inseridos como dever do Estado, torna-se mais inaceitável na medida em que "a Justiça é o pão do povo", na expressão do defensor dos oprimidos, Bertold Brecht. Todavia, este raciocínio perde sentido, quando se percebe a diversidade de pessoas, pobres e ricos, de situações, aqueles que buscam repetidamente os serviços judiciários e os que dificilmente batem às portas da justiça. A gratuidade irrestrita violaria outro princípio constitucional consistente na redução das desigualdades sociais, inciso III, art. 3o.

 

O enunciado acima presta-se mais para debates no terreno filosófico e  acadêmico.

 

Daí, entretanto, colhe-se a lição de que o Estado tem a obrigação de facilitar o acesso de todos ao "pão do povo", ancoradouro da dignidade do homem. A cobrança de custas judiciais de quem não pode pagar, sem prejuízo de seu próprio sustento e do de sua família, implica na criação de obstáculo ao acesso à justiça; a morosidade, na prestação dos serviços, penaliza o pobre e beneficia o rico.

 

O serviço judiciário é de ordem pública, portanto possuidor de conotação teleológica, inexistente na área empresarial; enquanto este segmento busca fundamentalmente o lucro, aquele persegue basicamente o interesse coletivo. Com esta visão, a lei cuida de fornecer aos agentes públicos recursos adequados para o pleno exercício da cidadania, portanto da dignidade humana.

 

O avanço do instituto da assistência jurídica, inciso LXXIV e a criação da Defensoria Pública como instituição essencial à função jurisdicional, art. 134, Constituição Federal, e Lei Complementar n. 80/94 inserem-se na conquista de facilidades para acesso do cidadão á justiça. Sabe-se que, em torno de 75% das ações que correm no Judiciário, envolvem o Poder Público que conta com os benefícios da gratuidade, além de outras vantagens de ordem processual, a exemplo, do prazo especial para contestar, duplo grau de jurisdição, ou seja, dois julgamentos, sendo um no juízo singular e outro no coletivo, etc. Tal situação mostra-se bastante semelhante com a do usuário que contrata e paga pelo plano de saúde, mas excede abusivamente na busca do médico e do laboratório. A diferença reside no fato de que o consumidor paga pelos serviços, enquanto o Estado nada despende com a agravante de descumprir propositadamente as leis, sonegar legítimo direito do cidadão e servir-se de expedientes escusos, através de profissionais habilidosos e bem pagos, para postergar no cumprimento de decisões judiciais. E o pior é que a mega-estrutura montada para fazer justiça torna-se mais cara, mais morosa exatamente por culpa do Estado, que desvia a finalidade maior do Judiciário, garantia do direito do cidadão, e joga para o caminho político, servir aos caprichos dos detentores eventuais do Poder.

 

O Estado, responsável pela ordem política, social e econômica do povo, usa e abusa dos serviços judiciários, fundamentalmente porque desrespeita os direitos do cidadão e provoca o chamamento do Judiciário para dirimir o conflito. Confia na morosidade da justiça e selar a validade da expressão VÁ PROCURAR SEUS DIREITOS, utilizada, em larga escala, pelos caloteiros para não pagar o que deve. 

 

A legislação sobre a matéria reflete o absoluto descaso do Estado, quando  estabelece altas custas, elitizando os serviços judiciários e aumentando a massa dos excluídos, em flagrante violação a princípios constitucionais.

 

Ao lado deste quadro de dureza implacável com os carentes, aparece outro de infinita benevolência, a guerra fiscal entre os Estados. Trata-se da anistia de impostos em troca de novos investimentos, operação que exige redução ou até mesmo isenção de impostos para os empresários, causando evidentemente maiores encargos para a classe média, a exemplo das crescentes taxas judiciárias.

 

A seccional paulista da Ordem dos Advogados do Brasil movimenta-se contra a Lei n. 11.608 de 29/12/2003, e sob sua provocação o Conselho Federal da OAB ajuizou em início do corrente mês uma ADIn, com pedido de liminar, contra referida lei que foi regulamentada pelo Provimento n. 833 de 8/1/2004, em vigor desde janeiro/2004.

 

O valor da taxa judiciária toma por base a UFESP, Unidade Fiscal do Estado de São Paulo, e, no corrente ano, cada UFESP vale R$12, 49, contra R$11,49 no ano de 2003.

 

A nova lei aumentou o preparo do recurso de apelação de 1%, lei anterior, para 2%. Manteve o percentual de 1% para distribuição e execução de sentença, mas o valor mínimo foi fixado em cinco UFESP, ou seja, R$62, 45, cobrança inexistente anteriormente.

 

Ao lado deste rigor fiscal, mais uma vez há favorecimento para os mais ricos, pois as ações com valores altos tiveram custas menores. Enquanto paga-se R$6,91 para demandas com valor de até R$46, 99, ou seja, percentual de 14,71%, desembolsa-se R$2.987,76 para causas com valor de R$500.000,00, ou seja, percentual de apenas 0,6%.

 

O tratamento desigual acentua-se na medida em que aumenta o valor patrimonial: R$20.000.000,00, paga-se menos de 0,2%; R$100.000.000,00 despende-se menos de 0,04%.

 

Na área recursal, não se entende o tratamento diferenciado dispensado à taxa de retorno na apelação e no agravo de instrumento: naquela, apelação, incide a taxa de retorno de R$17, 78, no agravo cai para a metade, R$8,89. No recurso de apelação ainda se cobra 2% sobre o valor da causa, a título de preparo e no agravo o montante é fixo, R$124,90. Registre-se que a taxa de retorno aumenta na medida em que o processo cresce de volume, padronizado em 200 folhas cada.

 

Nas ações de inventários, arrolamentos, causas de separação judicial e de divórcio, e outras, em que haja partilha de bens ou direitos, o contribuinte, cujo monte mor é da ordem de R$ 50.001,00, está sujeito ao pagamento de tributo em idêntico valor ao outro que possua patrimônio correspondente a R$ 500.000,00. É o que está disposto no § 7. ° art. 4. ° da Lei Estadual n. ° 11.608/03 ao fixar em 100 UFESP, ou seja, 1.249,00 a taxa para as causas com valores compreendidos entre R$50.001,00 e R$500.000,00. O primeiro, patrimônio de R$50.001,00, paga 2,5% sobre o acervo, enquanto o segundo, bens que alcançam o valor de R$500.000,00, desembolsa a mesma importância R$1.250,00, correspondente a apenas 0,25% do patrimônio. Se este for igual ou superior a R$5.000.000,00 paga-se 3.000 UFESP, ou seja, R$37.470,00, incidindo um percentual máximo de 0,75%.

 

A isenção de custas acontece para causas cujo valor não ultrapassa a R$50.000,00. Preocupa-se aqui com a desigualdade de tratamento na progressividade dos encargos relativos às taxas judiciárias.

 

Na Bahia, a Lei 7.753, editada no ano 2000, dispõe sobre a tabela de custas no Estado. Como na maioria dos estados, existe a discriminação, na medida em que se fixa alíquota bem mais alta para causas com valores menores. O valor da causa para pagamento de custas inicia-se com R$46, 99, menos de 20% do salário mínimo, e chega ao teto máximo de R$297.379,86.

 

Em Brasília, para apuração das custas em processo de inventário e arrolamento,  fixou-se o valor mínimo dos bens, em R$4.000,00, quando se paga R$163, 50, percentual de R$4,1% e alcança-se o valor máximo do monte mor em R$162.000,00, percentual aproximado de 1,2%, sobre o qual se paga 1.944,00.

 

A Constituição Federal, parágrafo 1. °, art. 145 determina:

"Sempre que possível, os impostos terão caráter pessoal e serão graduados segundo a capacidade econômica do contribuinte..."

As leis que regulam as taxas judiciárias nos Estados mostram desinteresse na implementação dos objetivos fundamentais traçados pela Constituição, quais sejam, a construção de uma sociedade livre, justa e solidária, a erradicação da pobreza e da marginalização e a redução das desigualdades sociais e regionais. (art. 3o. Constituição Federal).

 

Tratam com absoluto descaso o disposto no inciso III, artigo 3o da Constituição e é significativo o distanciamento do caminho para erradicar as desigualdades sociais no País. 

 

As leis sobre taxa judiciais não observam os princípios constitucionais da igualdade e da capacidade contributiva. O fato gerador para o tributo enunciado é o mesmo e os contribuintes com diferentes capacidades contributivas estão sendo obrigados a recolher em igual valor, não guardando relação alguma de proporcionalidade. Quem tem mais, paga menos tributo e quem tem menos paga mais tributo.

 

__________________

 

* Juiz em Salvador





___________

Atualizado em: 23/6/2004 12:30

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

É Autor Migalhas? Faça seu login aqui

AUTORES MIGALHAS

Brunna Frota Silva

Migalheira desde 2020

Luiz Fernando Neto Silva

Migalheiro desde 2020

Germano Naumann Margotto

Migalheiro desde 2020

Camila Crespi Castro

Migalheira desde 2019

Rodrigo Toler

Migalheiro desde 2019

Adriano Ferriani

Migalheiro desde 2019

Kleber Luiz Zanchim

Migalheiro desde 2009

Ulisses Sousa

Migalheiro desde 2004

Leandro Falavigna

Migalheiro desde 2014

Gisele Shinozaki Kauer

Migalheira desde 2020

Eduardo Surian Matias

Migalheiro desde 2013

Thiago Massicano

Migalheiro desde 2019

Publicidade