terça-feira, 19 de janeiro de 2021

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

O grande agiota

No dia 13.2.2008, fui mais uma vez surpreendida ao ler meu jornal com a informação que um dos maiores bancos nacionais divulgou o seu ganho de 2007, onde seu lucro cresceu 97%, chegando a inimaginável quantia de R$ 8,47 bilhões.

sexta-feira, 22 de fevereiro de 2008


O grande agiota

Sylvia Romano*

No dia 13/2/08, fui mais uma vez surpreendida ao ler meu jornal com a informação que um dos maiores bancos nacionais divulgou o seu ganho de 2007, onde seu lucro cresceu 97%, chegando a inimaginável quantia de R$ 8,47 bilhões.

Eu, como todo brasileiro mais ou menos esclarecido, questiono a importância deste resultado e a falta de sensibilidade dos seus dirigentes em fazer alarde sobre tal desaforo que somos obrigados a engolir. Qualquer empresário consciente neste país sabe que, neste momento, seus negócios vão de mal a pior, e que o ganho exorbitante destes novos agiotas que se tornaram os bancos em nosso território é um descalabro cada vez maior, e pior, com a conivência de um governo corrupto e comprado por estas instituições financeiras.

Um setor que tem de ter entre as suas prioridades o fomento da economia e do desenvolvimento passou a ser o espoliador de todos nós, obrigados pelo sistema a trabalhar com esses novos ditadores da economia. Um setor como o financeiro, que remunera as aplicações de todos aqueles que conseguem amealhar migalhas em torno de 0,7% ao mês e que cobra juros em média de até 10% ou mais daqueles que necessitam de empréstimos, não está gratificando, mas achacando ou melhor dizendo roubando de seus correntistas.

Este setor ditatorial que se tornou todo o sistema bancário nacional, em vez de remunerar seus colaboradores em função da sua alta rentabilidade hoje graças à informatização de todo o sistema, paga um dos mais baixos salários de toda a economia e, em contrapartida, cobra de seus correntistas até o estacionamento de quem precisa se dirigir às suas agências.

Nesse momento de grandes escândalos políticos, o resultado financeiro deste banco poderia até servir de cortina de fumaça para os desmandos governamentais que ocorrem em Brasília, o que talvez venha até a fazer parte dos acordos que, com certeza, existem entre os sócios membros da Febraban e quem comanda este pobre e explorado Brasil.

_________________




*Advogada do escritório Sylvia Romano Consultores Associados










______________

Atualizado em: 21/2/2008 11:06

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Gustavo Binenbojm

Gustavo Binenbojm

Migalheiro desde 2005
Celso Cintra Mori

Celso Cintra Mori

Migalheiro desde 2005
Ricardo Trajano Valente

Ricardo Trajano Valente

Migalheiro desde 2020
Abel Simão Amaro

Abel Simão Amaro

Migalheiro desde 2004
Antonio Pessoa Cardoso

Antonio Pessoa Cardoso

Migalheiro desde 2004
Ricardo Alves de Lima

Ricardo Alves de Lima

Migalheiro desde 2020
Guilherme Alberge Reis

Guilherme Alberge Reis

Migalheiro desde 2020
Carlos Barbosa

Carlos Barbosa

Migalheiro desde 2019
Marco Aurélio Mello

Marco Aurélio Mello

Migalheiro desde 2014
Fabricio Soler

Fabricio Soler

Migalheiro desde 2018
Sóstenes Marchezine

Sóstenes Marchezine

Migalheiro desde 2021
Marília Lira de Farias

Marília Lira de Farias

Migalheira desde 2020

Publicidade