quinta-feira, 22 de outubro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Eldorado: oportunidades de negócios no Rio Grande do Norte

Quando os primeiros colonizadores aportaram na América, foram fisgados pela lenda indígena que conta a história do Eldorado, uma cidade com construções em ouro maciço e tesouros em quantidades inimagináveis. Séculos se passaram e o continente segue atraindo os olhares do velho continente. Só que, agora, em um mundo ultraglobalizado, são as oportunidades de negócios que captam a atenção dos investidores.

quarta-feira, 19 de março de 2008


Eldorado: oportunidades de negócios no Rio Grande do Norte

Carlos Rosemberg*

Quando os primeiros colonizadores aportaram na América, foram fisgados pela lenda indígena que conta a história do Eldorado, uma cidade com construções em ouro maciço e tesouros em quantidades inimagináveis. Séculos se passaram e o continente segue atraindo os olhares do velho continente. Só que, agora, em um mundo ultraglobalizado, são as oportunidades de negócios que captam a atenção dos investidores.

Sob esse prisma, uma área em franca expansão econômica e com muitas variáveis a serem exploradas, o Eldorado é o Nordeste brasileiro, principalmente os Estados de Pernambuco, Ceará, Rio Grande do Norte e Bahia. Com um tema de tal envergadura e tantas opções, concentraremos a atenção no Rio Grande do Norte e as suas potencialidades para o mercado investidor.

O Rio Grande do Norte possui uma área de pouco mais de 52 milhões km² (algo como a Costa Rica), com uma população estimada em 3.000.000 de habitantes. O Produto Interno Bruto do RN praticamente duplicou entre os anos de 2001 e 2005, saltando de R$ 10 bilhões para R$ 18 bilhões, de acordo com o IBGE . Entre 1999 e 2004, o Estado cresceu a uma taxa de 5% ao ano. Outra estatística que merece destaque é o IDH, com a indicação de 0,705, a segunda melhor do Nordeste. As exportações atingiram a marca de US$ 371,5 milhões em 2006, representando um crescimento de 66% entre 2002 e 2006 . Mas, de onde vêm esses números? Principalmente do extrativo de recursos minerais, a fruticultura e o turismo.

O Estado Potiguar possui a segunda maior reserva nacional de petróleo - produção de 81 mil barris/dia - e a quarta maior reserva de gás natural, com uma produção de 3,6 milhões de metros cúbico/dia. A Petrobrás pretende investir R$ 2,9 bilhões em exploração e produção no RN, aumentando a produção para 115 mil barris/dia até 2011 . O número de poços perfurados deve atingir a marca de 407 em 2008.

Além do petróleo e do gás natural, ainda merece destaque a produção de GLP, diesel e querosene de aviação. O Estado conta também com um parque eólico e com condições plenamente favoráveis à exploração e produção de energia solar. A partir de 2008, estará concluída a obra de criação da Termelétrica do Vale do Açu, que terá capacidade de gerar 340 MW.

Com o objetivo de apoiar e incrementar o desenvolvimento industrial, o Estado oferece subsídios fiscais aos investidores. O PROADI (Programa de Apoio ao Desenvolvimento Industrial) assegura a concessão de financiamento às empresas novas ou já existentes, na forma de contrato de mútuo de execução periódica. O PROGÁS (Programa de Apoio ao Desenvolvimento das Atividades do POLOGÁS-SAL) destina-se à concessão de incentivo às indústrias utilizadoras de gás, através de subsídio no preço de venda de gás às empresas.

No turismo, mais de 2 milhões de pessoas visitaram o Rio Grande do Norte somente em 2006, fazendo com que a receita no setor ultrapassasse US$ 570 milhões e a expectativa é de ascensão. Há uma verdadeira invasão de investidores imobiliários europeus, com a construção de imóveis ao longo dos 410 quilômetros de litoral e 140 praias que o Estado disponibiliza. Os resorts e a grande procura dos estrangeiros, sobretudo europeus, pela 'segunda residência', atrai cada vez mais empreendimentos (recentemente, a Revista Veja publicou reportagem nesse sentido, chamando a atenção para o forte movimento de investidores estrangeiros na região). Nunca é demais lembrar que o Rio Grande do Norte é o Estado brasileiro mais próximo da Europa (um vôo entre Natal e Lisboa tem duração de apenas 7 horas).

O setor do agronegócio, principalmente com a fruticultura, é outro fator de destaque na economia potiguar. O melão, o açúcar, a castanha de caju e a banana lideraram as exportações no setor, em 2007, movimentando quase US$ 50,0 milhões. As frutas frescas, inclusive, estão isentas da cobrança de ICMS, juntamente com as hortaliças, os produtos agropecuários e os extrativos de animais e vegetais.

Em linhas gerais, o Estado do Rio Grande do Norte é uma região extremamente favorável ao investimento, seja por sua posição geográfica, seja por ser um mercado ávido e propício à implantação de negócios diversificados, com recursos naturais e incentivos fiscais que são convites irrecusáveis ao empreendedor.

Navegar, já não é mais preciso. A disputa comercial agora é regida pela busca por oportunidades, diversificação dos negócios e eliminação dos riscos. Nessa corrida, a visão empreendedora é decisiva e o Rio Grande do Norte está com as suas portas - marítimas, terrestres e aéreas - abertas ao desenvolvimento responsável, seguro e lucrativo.

_________________________________
1
(
clique aqui)

2 Revista FOCO. Ano VII, n. 100, 25.12.07, pág. 17.

3 Diário de Natal. 30.1.08, pág. 5.

____________________

*Advogado do escritório Trigueiro Fontes Advogados










_________________

Atualizado em: 18/3/2008 10:02

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

É Autor Migalhas? Faça seu login aqui

AUTORES MIGALHAS

Estevão Silva

Migalheiro desde 2020

Vanessa Medina Cavassini

Migalheira desde 2019

Deborah Portilho

Migalheira desde 2003

Darkson Galvão

Migalheiro desde 2003

Diego Fernandes Estevez

Migalheiro desde 2019

Ana Luisa Porto Borges

Migalheira desde 2006

Fernanda Pereira Machado

Migalheira desde 2020

Renata Martins Alvares

Migalheira desde 2020

Vinicius Jucá Alves

Migalheiro desde 2003

Décio Sartore

Migalheiro desde 2007

Scilio Faver

Migalheiro desde 2020

Publicidade