terça-feira, 19 de janeiro de 2021

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Brasil

Nenhuma mudança significativa foi implantada na legislação brasileira de preços de transferência durante o exercício de 2007, exceto pelo fato de, pelo terceiro exercício consecutivo, terem sido promulgadas uma instrução normativa e uma portaria a fim de reduzir os possíveis efeitos adversos sobre os cálculos de preços de transferência provocados pela valorização da moeda brasileira (Real) frente às moedas estrangeiras, especialmente o dólar norte-americano, durante o exercício de 2007.

quarta-feira, 2 de abril de 2008


Preço de Transferência*

Brasil (2007)

Clarissa Giannetti Machado**

Nenhuma mudança significativa foi implantada na legislação brasileira de preços de transferência durante o exercício de 2007, exceto pelo fato de, pelo terceiro exercício consecutivo, terem sido promulgadas uma instrução normativa e uma portaria a fim de reduzir os possíveis efeitos adversos sobre os cálculos de preços de transferência provocados pela valorização da moeda brasileira (Real) frente às moedas estrangeiras, especialmente o dólar norte-americano, durante o exercício de 2007.

Como em exercícios anteriores (2005 e 2006), a Secretaria da Receita Federal do Brasil publicou a Portaria 329/07 e a Instrução Normativa 801/07 (publicadas em 28 de dezembro de 2007), que permitem que os contribuintes sujeitos às regras de preços de transferência do Brasil ajustem suas receitas de exportações a partes vinculadas durante 2007 utilizando um fator de 1,28.

A possibilidade de utilizar o fator de 1,28 aplica-se aos seguintes casos:

(i) na comparação com transações locais independentes, para confirmar a possibilidade de aplicar o "safe harbor" de pelo menos 90% do preço utilizado com partes independentes;

(ii) na comparação com o preço "parâmetro", caso o contribuinte tenha optado por utilizar o custo de produção mais 15% do método do custo de aquisição ou produção mais tributos e lucro ("CAP") e

(iii) no cálculo da margem de lucro de 2007 para aplicar o "safe harbor" imperfeito de 5% de lucro líquido.

Além disso, a Instrução Normativa acima mencionada prevê a opção de calcular o "safe harbor" imperfeito de 5% de lucro líquido para o ano calendário de 2007 considerando os resultados registrados pelo contribuinte apenas em 2007, em vez de utilizar a média do ano sob análise e dos dois anos anteriores, que é a regra geral estabelecida pela legislação brasileira.

_______________

* Trench, Rossi e Watanabe Advogados, associado a Baker & McKenzie, publica em Migalhas uma série de artigos que descreve as principais mudanças ocorridas no ano de 2007 na prática de preços de transferência nos principais países da América Latina.

___________

**Advogada do escritório Trench, Rossi e Watanabe Advogados, associado a Baker & McKenz



______________

Atualizado em: 31/3/2008 08:15

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Letícia Baddauy

Letícia Baddauy

Migalheira desde 2020
Selma Ferreira Lemes

Selma Ferreira Lemes

Migalheira desde 2005
Jeniffer Gomes da Silva

Jeniffer Gomes da Silva

Migalheira desde 2020
Giselle Farinhas

Giselle Farinhas

Migalheira desde 2017
Miguel Reale Júnior

Miguel Reale Júnior

Migalheiro desde 2003
Flávia Pereira Ribeiro

Flávia Pereira Ribeiro

Migalheira desde 2019
Ivo Ricardo Lozekam

Ivo Ricardo Lozekam

Migalheiro desde 2020
Daniele Sampaio

Daniele Sampaio

Migalheira desde 2020
Ricardo Alves de Lima

Ricardo Alves de Lima

Migalheiro desde 2020
Carla Louzada Marques

Carla Louzada Marques

Migalheira desde 2020
Murillo de Aragão

Murillo de Aragão

Migalheiro desde 2018

Publicidade