quinta-feira, 26 de novembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Pulseiras eletrônicas

Nos parece louvável a iniciativa do governo paulista em sancionar a Lei n°. 12.906/08, de autoria do Deputado Baleia Rossi do PMDB, que estabelece normas suplementares de direito penitenciário e regula a vigilância eletrônica.

quarta-feira, 14 de maio de 2008


Pulseiras eletrônicas

Matheus Guimarães Cury*

Nos parece louvável a iniciativa do governo paulista em sancionar a Lei n°. 12.906/08 (clique aqui), de autoria do Deputado Baleia Rossi do PMDB, que estabelece normas suplementares de direito penitenciário e regula a vigilância eletrônica.

Iniciativa louvável, se analisarmos apenas pela expectativa popular. No entanto, não basta apenas a boa vontade em responder ao clamo social, é preciso analisar a constitucionalidade da lei.

Nos termos do artigo 24, inciso I da Constituição Federal (clique aqui), compete ao Estado, concorrentemente com a União legislar sobre direito penitenciário.

E justamente, com base nesse dispositivo foi sancionada a referida lei, sob o argumento de se estabelecer normas de direito penitenciário.

O parágrafo único do artigo 1° da Lei Estadual nº. 12.906/08 prevê:

"A vigilância eletrônica consiste no uso da telemática e de meios técnicos que permitam, à distância e com respeito à dignidade da pessoa a ela sujeita, observar sua presença ou ausência em determinado local e durante o período em que, por determinação judicial, ali deva ou não possa estar".

Simplificando ao leitor, trata-se de regulamentação do uso de pulseiras eletrônicas, visando monitorar os condenados que cumprem pena em domicílio; que estão proibidos de freqüentar determinados lugares; que estão em benefício de livramento condicional e os presos autorizados à saída temporária do estabelecimento prisional.

Prevê, ainda, a respectiva Lei, em seu artigo 7°, que a violação dos deveres quanto ao monitoramento eletrônico configura falta grave.

Contudo, devemos questionar se tal matéria relaciona-se ao Direito Penitenciário ou são normas que devem ser reguladas no âmbito da Execução da Pena, de caráter penal e processual penal.

Nos termos do artigo 22, inciso I da Constituição Federal, compete privativamente à União legislar sobre direito penal e direito processual penal, e nos parece claramente que tais regras devem ser regulamentadas no âmbito da Execução Penal, motivo pelo qual caberia apenas à União, através de sanção do Presidente da República regular o monitoramento eletrônico.

A Lei de Execução Penal, nº. 7.210/84 (clique aqui), trata da Execução das Penas em Espécie, dos Regimes, da Progressão de Regime, da Regressão de Regime, das autorizações de saída, do Livramento Condicional e tantos outros institutos de Execução de Pena, entre eles "Das Faltas Disciplinares".

Nos parece evidente que cabe privativamente à União legislar sobre a matéria. E mais, a Lei Estadual jamais poderia trazer qualquer previsão sobre "falta grave". O instituto é regulado por Lei Federal e não pode o Estado, em nenhuma hipótese, incrementá-lo, eis que o cometimento de falta grave acarreta a perda de benefícios.

Tanto que o Legislador Estadual prevê no artigo 2° da referida Lei, que "a vigilância eletrônica dependerá de consentimento do condenado". Prevendo que seria questionada a inconstitucionalidade da Lei o Legislador Estadual preferiu o consentimento.

Ainda que se colha o consentimento do condenado, esbarramos na sanção disciplinar, que não pode ser regulada por Lei Estadual, conforme já explicitado, pois, uma vez caracterizada a falta grave, sofrerá o condenado com reflexos penais.

Ao contrário do sustentado pelo legislador que entende ser constitucional o texto legal, a Lei Estadual não traz meras regras de direito penitenciário, como regulamentações de visitas ou transferências de presos, mas sim, por via oblíqua, impõe sanção de natureza grave, contrariando o dispositivo constitucional.

Como já dissemos, louvável a iniciativa do Deputado Baleia Rossi, que atende ao clamo social. No entanto, não basta ser louvável, tem que se respeitar a Constituição Federal, pilar do nosso Estado Democrático de Direito.

________________

*Advogado, Professor de Direito Penal da UNISANTOS, Membro Efetivo do Conselho Penitenciário do Estado de São Paulo, Mestre em Direito pela UNIMES, Pós-Graduado em Direito Penal Econômico pela Universidade de Coimbra - Portugal

 

 

________________

Atualizado em: 13/5/2008 11:55

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Gustavo Binenbojm

Migalheiro desde 2005

Ronaldo de Jesus

Migalheiro desde 2019

Jocineia Zanardini

Migalheira desde 2020

Gisele Nascimento

Migalheira desde 2017

Marco Aurélio Mello

Migalheiro desde 2014

Roberto Rosas

Migalheiro desde 2015

Carlos Barbosa

Migalheiro desde 2019

Sérgio Roxo da Fonseca

Migalheiro desde 2004

Renato da Fonseca Janon

Migalheiro desde 2017

Publicidade