quinta-feira, 26 de novembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

O Mercado de Capitais no Brasil

João Woiler

Em razão do estouro das contas públicas ano após ano, e da constante emissão de novos títulos públicos, principalmente no mercado interno, o mercado de capitais no Brasil transformou-se em mero agente de captação do Governo que inunda o mercado com os títulos da dívida pública.

terça-feira, 29 de outubro de 2002

 

O MERCADO DE CAPITAIS NO BRASIL

Um ano após a Lei 10.303 de 31.10.2001 ("Lei 10.303/01"), que trouxe alterações importantes à Lei 6.404 de 15.12.1976 ("Lei das Sociedades por Ações")

João Woiler*

INTRODUÇÃO

1. - No próximo dia 31.10.2002 fará um ano da promulgação da Lei nº 10.303 de 31.10.2001, que introduziu importantes conceitos de boa governança corporativa no direito de empresa, e que teve por intenção reforçar e dar um novo alento ao mercado de capitais no Brasil.

2. - A análise que segue demonstra que as alterações na legislação apesar de bem intencionadas não tiveram o resultado esperado, e que somente a Reforma Previdenciária e Fiscal serão capazes de permitir a formação de um mercado de capitais no Brasil.

O Mercado de Capitais do Brasil em números

Capitalização e número de empresas listadas na BOVESPA

3. - Comparado aos mercados norte-americano e britânico, o mercado de capitais no Brasil é proporcionalmente pequeno em relação ao tamanho da economia. Enquanto nos Estados Unidos e no Reino Unido o valor total do mercado de capitais é maior que o valor do respectivo Produto Interno Bruto ("PIB") anual, no Brasil esse valor é inferior a um terço do PIB. O mercado de capitais no Brasil é pequeno não só em razão do tamanho de sua economia mas principalmente por questões estruturais.

4. - Após a adoção do Plano Real em 1994, o mercado de capitais no Brasil viveu anos de crescimento e euforia, mas hoje está minguando e luta para sobreviver. Em 15.10.2002, o valor de mercado das empresas listadas na BOVESPA era de apenas US$ 95.37 bilhões, tendo atingido US$ 255.4 bilhões em 1997, cinco anos atrás, momento em que atingiu o seu ponto mais alto. Outro fator preocupante é o número de empresas listadas na BOVESPA, que também está em declínio, sendo que, apenas 406 empresas estavam listadas na BOVESPA em 15.10.2002, após ter atingido 582 em 1994 e 599 em 1998.

Capitalização e No. de Empresas Listadas na BOVESPA

Ano

No. de Empresas

Listadas

Valor de Mercado

US$ bilhões

1994

582

189.05

1995

577

147.56

1996

589

216.92

1997

595

255.40

1998

599

160.88

1999

534

228.53

2000

495

225.52

2001

470

185.44

2002*

406

95.37

Fonte: BOVESPA

(*) Referente ao dia 15.10.2002

Volume negociado em US$ na BOVESPA

5. - O volume das ações negociadas na BOVESPA em US$ nos anos após o Plano Real apresentou uma enorme volatilidade, mas no ano de 2001 teve o menor volume em 8 anos, e no ano de 2002 mantém a curva descendente.

Volume Negociado na BOVESPA

Ano

Volume (US$ bilhões)

1994

88.20

1995

69.44

1996

97.76

1997

191.09

1998

139.97

1999

85.49

2000

101.72

2001

65.26

2002*

41.30

Fonte: BOVESPA

(*) Referente ao dia 15.10.2002

Volume negociado em US$ na NYSE de American Depositary Receipt ("ADR") de emissão de empresas brasileiras

6. - Parte da perda no volume negociado na BOVESPA se deve à transferência da negociação de ações da BOVESPA para a NYSE através da emissão de ADR por empresas brasileiras. Essa transferência se deu por diversas razões, destacando-se a necessidade de encontrar novos investidores no mercado internacional, de se obter visibilidade internacional, e em razão do custo inferior de transação na NYSE principalmente depois da incidência da CPMF nos negócios efetuados no Brasil. Não obstante a transferência de negócios da BOVESPA para a NYSE, o volume negociado de ADR brasileiros na NYSE também vem caindo após ter seu auge em 1998, e mantém queda em 2002.

Volume Negociado de ADR de emissão de empresas brasileiras na NYSE

Ano

Volume (US$ bilhões)

1994

0.268

1995

2.19

1996

25.80

1997

83.26

1998

94.91

1999

52.82

2000

69.36

2001

36.35

2002*

21.50

Fonte: BOVESPA

(*) Referente ao dia 1.8.2002

O persistente Déficit Público como causa do declínio do Mercado de Capitais no Brasil

7. - A razão preponderante do declínio do mercado de capitais no Brasil não foi a CPMF, ou a desvalorização do Real em 1999, ou lacunas na lei societária, mas tão somente o persistente déficit público do Governo brasileiro, englobando Municípios, Estados e a União.

Fonte: IBGE/DIEESE

8. - O Governo brasileiro, por razões históricas e políticas, gasta mais do que arrecada, e desde a adoção do Plano Real em 1994 não tem se utilizado do recurso de emitir dinheiro para cobrir esse rombo. A emissão de dinheiro para cobrir o déficit público era a causa primária da inflação pré-Real e com a estabilização deixou de ser utilizada. Para cobrir o déficit público, o Governo passou a emitir títulos da dívida pública captando a poupança brasileira e grande parte da poupança externa que veio ao Brasil para financiar seus gastos. O dinheiro poupado pelos brasileiros e o investimento externo recorde que o País recebeu na década de 90, ao invés de serem canalizados para o setor produtivo através do mercado de capitais foram utilizados para pagar as contas do Governo, seja a conta de juros, seja a conta da previdência, seja a conta do custeio da máquina.

O Mercado de Capitais transformado em mero financiador do Governo

9. - Em razão do estouro das contas públicas ano após ano, e da constante emissão de novos títulos públicos, principalmente no mercado interno, o mercado de capitais no Brasil transformou-se em mero agente de captação do Governo que inunda o mercado (crowd out the market) com os títulos da dívida pública. Esse processo pode ser acompanhado pelo gráfico do crescimento do endividamento do Governo que vem crescendo ano a ano, e em 2002 já está acima de 60% do PIB.

Fonte: Banco Central do Brasil

Lei das SOCIEDADES POR AÇÕES

10. - A promulgação da Lei 10.303/01, que trouxe modificações significativas à Lei das Sociedades por Ações, as regras de boa prática de governança corporativa contidas no Novo Mercado desenvolvido pela BOVESPA, e o esforço da CVM de zelar pela proteção dos interesses dos acionistas minoritários, são bons exemplos de que o ambiente legal e fiscalizatório é favorável ao desenvolvimento do mercado de capitais no Brasil.

11. - Se por um lado o ambiente legal e fiscalizatório é favorável, por outro lado representa custo para as empresas e para os controladores, que terão de decidir se vale ou não manter o capital aberto em um mercado ilíquido. Com o déficit público consumindo todos os recursos disponíveis no mercado, muitas empresas simplesmente preferem fechar o capital ao ver suas ações sendo vendidas a valores inexpressivos pela absoluta falta de liquidez no mercado.

Ações para revigorar o Mercado de Capitais no Brasil

Reduzir o déficit público

12. - O processo de revitalização do mercado de capitais no Brasil passa necessariamente pela redução do déficit público. A legislação brasileira em vigor é moderna, e até para que seja testada, e as necessidades de mudanças sejam sentidas e entendidas, o mercado precisa existir. Nada acontecerá sem que haja o imediato reinício do processo de reformas como a Reforma das Previdências Pública e Privada, Reforma Administrativa, Reforma da Lei de Falências, Reforma do Poder Judiciário, Reforma Eleitoral, e por fim a Reforma Tributária. Enfim, falta fazer muita coisa para controlar as finanças públicas e permitir ao País voltar a investir, crescer e ter um mercado de capitais forte e com influência decisiva no seu desenvolvimento.

______________________________________

* associado do escritório Pinheiro Neto Advogados, coordenado por C. Beatriz Padovan Pacheco, integrantes da Área Empresarial.

* Este Memorando foi redigido meramente para fins de informação e debate, não devendo ser considerado uma opinião legal para qualquer operação ou negócio específico.

Ó 2002. Direitos Autorais reservados a Pinheiro Neto Advogados.

 

 

 

 

_______________________

Atualizado em: 1/4/2003 11:49

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Sílvio de Salvo Venosa

Migalheiro desde 2019

Quésia Falcão de Dutra

Migalheira desde 2019

Giselle Farinhas

Migalheira desde 2017

Selma Ferreira Lemes

Migalheira desde 2005

Marcelo Branco Gomez

Migalheiro desde 2020

Leonardo Quintiliano

Migalheiro desde 2019

Sérgio Roxo da Fonseca

Migalheiro desde 2004

Carlos Barbosa

Migalheiro desde 2019

Jones Figueirêdo Alves

Migalheiro desde 2011

Gisele Nascimento

Migalheira desde 2017

Publicidade