segunda-feira, 26 de outubro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

A VII Conferência Nacional da OAB (II)

Durante 14 anos (1964-1978) a Nação, o Estado e o povo brasileiros sofreram a dominação dos Atos Institucionais, ou sejam, as manifestações solenes do poder constituinte exercido primeiramente pelo chamado Comando Supremo da Revolução e posteriormente por presidentes militares.

terça-feira, 17 de junho de 2008


A VII Conferência Nacional da OAB (II):

Do Estado autoritário ao Estado Democrático de Direito

René Ariel Dotti*

"A História é emula do tempo, repositório de fatos, testemunha do passado, aviso do presente e advertência do porvir". Miguel de Cervantes (1547-1616).

Durante 14 anos (1964-1978) a Nação, o Estado e o povo brasileiros sofreram a dominação dos Atos Institucionais, ou sejam, as manifestações solenes do poder constituinte exercido primeiramente pelo chamado Comando Supremo da Revolução e posteriormente por presidentes militares. Aquela liderança, representada pelos comandantes-em-chefe do Exército, da Marinha e da Aeronáutica, baixou, em 9 de abril de 1964, o Ato Institucional nº. 1, que vigorou até 31 de janeiro de 1966. Entre as alterações que mutilaram a Constituição liberal de 1946 (clique aqui), o AI nº. 1, decretou:

a) A eleição indireta do presidente e do vice-presidente da República, a ser realizada 2 dias a contar do Ato, pela maioria absoluta dos membros do Congresso Nacional, em sessão pública e votação nominal, para mandatos até 31 de janeiro de 1966;

b) O Congresso Nacional deveria votar os projetos encaminhados pelo Executivo em 30 dias sob pena de serem tidos como tacitamente aprovados;

c) A suspensão, por 6 meses das garantias constitucionais e legais de vitaliciedade e estabilidade;

d) A demissão, dispensa, disponibilidade, aposentadoria, transferência para a reserva ou a reforma do servidor civil ou militar que atentasse contra "a segurança do país, o regime democrático e a probidade da administração pública". O controle jurisdicional desses atos se limitava ao exame de formalidades extrínsecas, vedada a apreciação dos fatos que os motivaram, bem como da sua conveniência ou oportunidade;

e) "No interesse da paz e da honra nacional", o presidente da República poderia suspender, sem qualquer limitação constitucional, os direitos políticos por 10 anos e cassar mandatos legislativos federais, estaduais e municipais, excluída a apreciação judicial desses atos.

A multiplicidade de prisões como reação em cadeia, por um lado, e as manifestações de euforia, por outro, eram contrastes em cenários tão distintos quanto antagônicos. Nas ruas e nas praças ressonavam os slogans das marchas "da família, com Deus pela liberdade", enquanto nos porões e nas salas de tortura ecoavam os sons dos gemidos e modelavam-se as máscaras dos tormentos físicos e espirituais. Demissões, aposentadorias e outros atos punitivos, além da cassação de mandatos parlamentares e da suspensão dos direitos políticos, produziram o terror na vida pública e nas instituições nacionais.

Porém o terror não inibiu a luta dos advogados brasileiros em favor da liberdade e de outros direitos confiscados pelo Estado autoritário. Sem temor e com civismo eles começavam a escrever uma das páginas mais notáveis da história recente. (Segue)

__________________





*Advogado do Escritório Professor René Dotti









_____________

Atualizado em: 13/6/2008 11:17

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS

Décio Sartore

Migalheiro desde 2007

Bruno Prima

Migalheiro desde 2020

Gaudêncio Torquato

Migalheiro desde 2005

Carolina Petrarca

Migalheira desde 2016

André Luiz Padilha

Migalheiro desde 2020

Breno Casiuch

Migalheiro desde 2016

Daniela Teixeira

Migalheira desde 2013

Rodrigo Toler

Migalheiro desde 2019

Renata Toscano

Migalheira desde 2011

Edvaldo Nilo de Almeida

Migalheiro desde 2020

Publicidade