quinta-feira, 29 de outubro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Os limites da participação recíproca

Luís Felipe F. Kietzmann e Rafael Federici

O desenvolvimento de grupos econômicos freqüentemente exige a organização de várias empresas distintas. Esta fragmentação jurídica dos grupos esta normalmente relacionada à organização das atividades operacionais conforme o segmento de cada negócio, mas não raro é também fruto de planejamentos fiscais mais complexos.

quarta-feira, 23 de julho de 2008


Os limites da participação recíproca

Luís Felipe F. Kietzmann*

Rafael Federici*

O desenvolvimento de grupos econômicos freqüentemente exige a organização de várias empresas distintas. Esta fragmentação jurídica dos grupos esta normalmente relacionada à organização das atividades operacionais conforme o segmento de cada negócio, mas não raro é também fruto de planejamentos fiscais mais complexos.

Com a pluralidade de operações sob um mesmo comando, a composição societária tornou-se uma questão delicada, já que envolve o controle, a responsabilidade e a participação nos resultados de cada uma dessas empresas. Nesse cenário, despontam casos em que duas empresas figuram como sócias uma da outra - situação denominada de "participação recíproca".

Existe uma tendência mundial no sentido de coibir a participação recíproca. A principal razão para isso é que empresas que são sócias mutuamente acabam criando o chamado "capital fictício", ou seja, parte dos seus patrimônios é representada por ações ou quotas de outra sociedade, as quais, se fossem liquidadas simultaneamente, simplesmente se anulariam.

No Brasil, a Lei das Sociedades Anônimas (6.404/1976 - clique aqui) proibiu expressamente a participação recíproca entre empresas coligadas e controladas (artigo 244), conceituando a sociedade controladora como aquela titular de diretos que assegurem preponderância nas deliberações sociais; e a sociedade coligada como aquela que participa com 10% ou mais no capital de outra, sem controlá-la.

Conclui-se, em resumo, que a Lei 6.404/1976 considerou admissível a participação mútua inferior a 10% do capital das empresas. Acima desse limite, a participação entre companhias controladas ou coligadas deveria ser unilateral - ou seja, somente a controladora poderia participar no capital da controlada e somente a coligada investidora poderia participar no capital da coligada investida.

O Código Civil (Lei 10.406/2002 - clique aqui) importou a vedação à participação recíproca inserida na Lei 6.404/1976. De acordo com a sua redação (art. 1.101), no entanto, nenhum percentual mínimo foi autorizado, restando como única alternativa para as empresas a manutenção de reserva especial no mesmo montante das suas participações recíprocas.

Desde a entrada em vigor do novo Código Civil, portanto, coexistem duas regras distintas relativas à participação recíproca no Brasil, quais sejam:

Para sociedades anônimas, regulamentadas pela Lei 6.404/1976, a regra segundo a qual a participação recíproca é vedada apenas entre as sociedades controladas ou coligadas; e

Para sociedades limitadas e outras sociedades personificadas não reguladas por lei especial, a regra do Código Civil, de acordo com a qual não pode haver participação recíproca, independentemente do percentual dessa participação.

A dicotomia legal acima indicada parece não atender aos princípios gerais do Direito Societário Brasileiro, principalmente pelo fato de que se aplica maior rigor às sociedades limitadas - estrutura empresarial tipicamente mais simples - do que às sociedades anônimas. Justifica-se, portanto, que sociedades personificadas não reguladas por lei especial - em particular as limitadas - possam adotar o mesmo tratamento conferido às sociedades anônimas no que se refere à participação recíproca.

___________

*Sócios do escritório Comparato, Nunes e Federici Advogados




 

_____________

Atualizado em: 21/7/2008 13:30

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Ricardo Penteado

Migalheiro desde 2008

Vantuil Abdala

Migalheiro desde 2008

Gustavo Binenbojm

Migalheiro desde 2005

Almir Pazzianotto Pinto

Migalheiro desde 2003

Celso Cintra Mori

Migalheiro desde 2005

Luis Felipe Salomão

Migalheiro desde 2014

Sílvio de Salvo Venosa

Migalheiro desde 2019

Selma Ferreira Lemes

Migalheira desde 2005

Publicidade