quinta-feira, 29 de outubro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

As instituições financeiras e a responsabilidade social e ambiental: o papel do regulador

Fernando R. de Almeida Prado

A preocupação com a chamada responsabilidade social e ambiental das empresas no Brasil é resultado de uma moderna cultura corporativa, que vem ganhando força e progressiva projeção nos últimos anos.

segunda-feira, 30 de agosto de 2004


As instituições financeiras e a responsabilidade social e ambiental: o papel do regulador

Fernando R. de Almeida Prado*

A preocupação com a chamada responsabilidade social e ambiental das empresas no Brasil é resultado de uma moderna cultura corporativa, que vem ganhando força e progressiva projeção nos últimos anos. Essa nova ordem demonstra que as empresas podem ser capazes de imprimir à comunidade e ao ambiente que as rodeiam valores importantes na construção de uma nova sociedade, quer através de ações efetivas para mitigar efeitos colaterais que resultam da própria atividade empresarial, quer fomentando a construção de uma nova mentalidade pautada por princípios éticos, sociais e ambientais.

O setor financeiro também se insere nesse novo contexto e, como conseqüência natural, algumas instituições financeiras já adotam, na condução de seus negócios, políticas condizentes com elevados princípios de responsabilidade social e ambiental. Por exemplo, certos bancos passaram a oferecer crédito com prazos e condições mais favoráveis e a administrar e gerir fundos de investimento que beneficiam apenas empresas que preencham determinados requisitos de ética e de responsabilidade social e ambiental.

A adoção dessa nova postura por parte dos bancos privados também é fruto da ação de organismos de crédito públicos, tanto no mercado doméstico como no internacional. No cenário interno, o BNDES, por exemplo, observa princípios ético-ambientais na execução de sua política de crédito há décadas.

No cenário internacional, merece destaque a atuação do IFC, que em outubro de 2002 convocou vários bancos para discutir questões ambientais e sociais, o que resultou na elaboração dos chamados "Princípios do Equador"1. Trata-se de um conjunto de critérios de responsabilidade social e ambiental que deverão ser observados pelos bancos na avaliação e aprovação da concessão de financiamentos a projetos de infra-estrutura.

Existem também diversas iniciativas concretas para que sejam adotados mecanismos contábeis de aferição do chamado passivo ambiental, a fim de que este se torne visível aos órgãos reguladores, investidores, funcionários e permita aos bancos uma melhor avaliação da viabilidade da concessão de empréstimos e financiamentos.

Como se vê, são várias as ações e movimentos tanto da iniciativa privada como da pública convergindo para a edificação do conceito de responsabilidade social e ambiental. Entretanto, verifica-se que a ação dos órgãos reguladores dos mercados financeiro e de capitais para fomentar e incentivar essas iniciativas ainda é tímida. Muito embora já existam algumas normas isoladas2 que podem incentivar o financiamento a projetos e empresas que contribuam para a melhoria do meio ambiente, não há notícia de que o Conselho Monetário Nacional esteja estudando a adoção de um conjunto de medidas concretas que possam incentivar as instituições financeiras brasileiras a concederem financiamentos a projetos que contribuam para o desenvolvimento responsável, e que atentem para a preservação de valores sociais e do meio ambiente.

O Conselho, através do Banco Central do Brasil poderia, por exemplo, adotar medidas de redução da taxa dos recolhimentos compulsórios e encaixes obrigatórios para as instituições bancárias que concedessem empréstimos e financiamentos que atendessem a determinados critérios éticos, sociais e ambientais.

Tal medida, ora apresentada a título meramente exemplificativo, certamente daria impulso ao já existente movimento de que fazem parte algumas instituições financeiras brasileiras, que acabam por forçar seus clientes a terem uma atuação responsável nas áreas social e ambiental e, com isso, poderem acessar crédito com maior facilidade.

Os princípios de responsabilidade social afirmam-se paulatinamente como uma tendência no meio corporativo mundial, especialmente nos paises mais desenvolvidos. Os reflexos dessa realidade já alcançam o Brasil, e as autoridades monetárias devem estar atentas a esta nova tendência internacional.
_________

1 Informações precisas e detalhadas acerca dos princípios do Equador podem ser obtidas no site http://www.equator-principles.com/.


2
Vide as operações de crédito para a execução de ações de saneamento ambiental a que se refere a Resolução 2827, de 30/3/2001.
De acordo com os termos de referido normativo, a contratação de operações de crédito para a execução específica de ações de saneamento ambiental encontra-se sujeita a limites e condições diferenciados, mais flexíveis que aqueles aplicáveis às demais operações de crédito envolvendo entidades do setor público

___________

* Advogado do escritório Pinheiro Neto Advogados

* Este artigo foi redigido meramente para fins de informação e debate, não devendo ser considerado uma opinião legal para qualquer operação ou negócio específico.

© 2004. Direitos Autorais reservados a PINHEIRO NETO ADVOGADOS











_________________

Atualizado em: 27/8/2004 14:30

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Gilberto Bercovici

Migalheiro desde 2007

Stanley Martins Frasão

Migalheiro desde 2002

Sílvio de Salvo Venosa

Migalheiro desde 2019

Teresa Arruda Alvim

Migalheira desde 2006

Marco Aurélio Mello

Migalheiro desde 2014

Lenio Luiz Streck

Migalheiro desde 2005

Abel Simão Amaro

Migalheiro desde 2004

Sérgio Roxo da Fonseca

Migalheiro desde 2004

Selma Ferreira Lemes

Migalheira desde 2005

Roberto Rosas

Migalheiro desde 2015

Publicidade