terça-feira, 19 de janeiro de 2021

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

O Suicídio do Trânsito - Direto e Indireto

Suicídio de trânsito é figura não-conhecida do direito pátrio, mas deveria. O suicídio, mesmo o comum, ainda que sob o aspecto formal configure indiferente penal, tem crucial relevância em sua perfeita identificação. Sabe-se que o suicídio e a tentativa de suicídio não são tipificados na legislação penal. O primeiro por razão óbvia, a segunda por política criminal, dado o risco de estimular novas tentativas. Conquanto não configure crime, é inquestionável tratar-se de ação ilícita, vez que afrontosa a um bem supremo: a vida. O próprio Código Penal, implicitamente, assim a considera (art. 146, § 3º, II). O suicídio (matar a si mesmo), assim como o homicídio (matar alguém), pode se dar de forma direta ou indireta. Na direta, o agente tem a intenção de matar. Na indireta, embora não tenha intenção de matar, assume o risco do previsível resultado morte, com o qual anui (dolo eventual); ou, não anui, presumindo que não irá ocorrer (culpa consciente); ou mata, simplesmente, por imperícia, imprudência ou negligência (culpa inconsciente). Pois bem, no suicídio de trânsito assim se dá. O agente pode, por exemplo, deliberadamente se jogar na frente de um veículo em movimento, visando dar cabo à própria vida (suicídio de trânsito direto), como cruzar movimentada avenida fora da faixa de pedestres, ou, ainda, atravessar o leito de rodovia ao invés de fazê-lo pela segura passarela (suicídio de trânsito indireto com culpa consciente), ou, inopinadamente, cruzar a rua sem a devida atenção (suicídio de trânsito indireto com culpa inconsciente). O que é importante sublinhar, é que em qualquer dessas hipóteses o condutor do veículo envolvido no evento não é, nem em tese, autor de homicídio de trânsito, previsto no artigo 302 do CBT (Código Brasileiro de Trânsito). O veículo em movimento é mero instrumento do qual serviu-se o suicida (intencional ou não), para matar-se. O condutor é vítima de danos materiais e morais, além de testemunha ocular do suicídio. Contudo, esse não é o entendimento corrente, tampouco o que ocorre na prática. Na prática, o desafortunado condutor que se vê envolvido em trágico evento desse jaez - enquanto seguia licitamente pela via pública, observando as normas legais e regulamentares - além de vivenciar o intenso trauma que decorre da involuntária participação na morte violenta de um ser humano, é, em regra, indiciado como autor de homicídio de trânsito, e, logo adiante, denunciado perante a justiça criminal, transformando-se em réu de ação penal, gravosa condição que suporta até o momento em que seja proferida sua absolvição. Cumpre indagar: é justo? É razoável? Não parece. Nessas circunstâncias, sublinhe-se, o condutor não dá causa ao evento em que resulta morto o pedestre - que agiu de forma temerária, desatenta, ou até mesmo intencional - é vítima dele. Trafega regularmente, com veículo em perfeito estado, observando a velocidade permitida e demais regras de trânsito, com a atenção e prudência que se espera do homem médio, quando subitamente emerge na frente do veículo o pedestre suicida, que morre. Então, o pedestre não foi morto, matou-se. Deixou deliberadamente de fazer uso da faixa de travessia para pedestres, cruzando movimentada via em local proibido, perigoso, assumindo assim o risco de matar-se. Anuindo, na lição de Nelson Hungria, ao advento do resultado; arriscando-se a produzi-lo, ao invés de renunciar a ação temerária e caminhar mais alguns metros realizando a passagem em segurança. Aliás, em tais hipóteses o pedestre não apenas deixa de realizar a passagem em segurança, mas o faz de forma ilícita, descumprindo regras de circulação e conduta para pedestres ditadas pelo CTB, dispostas no artigo 69. O Código de Trânsito também tipifica infrações no artigo 254, dentre as quais: "é proibido ao pedestre permanecer ou andar nas pistas de rolamento, exceto para cruzá-las onde for permitido; cruzar pistas de rolamento nos viadutos; atravessar a via dentro das áreas de cruzamento; andar fora da faixa própria, passarela, passagem aérea ou subterrânea; desobedecer à sinalização de trânsito específica", proibições, em regra, ignoradas. De outra parte, não se desconhece a fragilidade do ser humano frente às máquinas; que existem motoristas potencialmente assassinos, irresponsáveis, psicóticos, violentos, indivíduos que merecem sofrer as mais duras penas e restrições que se lhes possam legalmente impor. Contudo, aqui o que se pretende questionar é o equivocado enquadramento padrão que habitualmente se dá ao atropelamento no trânsito, partindo da preconcebida premissa que o autor do evento é sempre o condutor do veículo e a vítima é sempre o atropelado, salvo a menos freqüente hipótese de suicídio direto, quando inequívoca e testemunhada. Desse equívoco crucial derivam outros, como o sustentado por parte ponderável da doutrina e da jurisprudência que considera justa e adequada a presunção relativa de culpa dos condutores, daí autorizando a inversão do ônus da prova. Isso, bem entendido, na esfera da responsabilização civil. O pior, como antes visto, é o que se passa na esfera penal. Ali o condutor, vítima do evento mortal a que deu causa o pedestre suicida (intencional ou não), torna-se, sempre, autor, em tese, de homicídio culposo de trânsito, submetido à injusta situação de coação processual. Oportuno anotar, segundo matéria veiculada no jornal O Estado de São Paulo de 24 de setembro de 2007, que "Dez anos depois da entrada em vigor do Código de Trânsito Brasileiro, 76% dos atropelamentos fatais investigados pela Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) em São Paulo no ano passado ocorreram em travessias 'ao longo da via', e não em cruzamentos. Mas, em 26% do total de casos, a culpa não foi do pedestre: automóveis desgovernados invadiram canteiros centrais ou calçadas." Deflui dos aludidos dados estatísticos oficiais que os pedestres têm culpa em 74% dos atropelamentos ocorridos na cidade de São Paulo. O elevado índice talvez se explique pelo fato de que, segundo consta, cerca de 50% dos atropelados revelaram a presença de álcool no sangue. E, como bem observado alhures, "ao contrário do que acontece com o condutor, não há legislação que permita a autoridade policial deter temporariamente o pedestre bêbado, a não ser que esteja perturbando a ordem". Quanto à equivocada presunção de culpa dos condutores, bastante arraigada na jurisprudência pátria, vale transcrever excerto de iluminado voto-condutor do ministro do Superior Tribunal de Justiça, Antônio de Pádua Ribeiro, relator do Recurso Especial nº 169-937-RS, que frente a evento do gênero, assim deixou assente: "Trata-se, na espécie, de acidente de trânsito, atropelamento, envolvendo o veículo da ré e as duas autoras, em sinaleiro de via movimentada. Não há motivo aparente para que se presuma a culpa de qualquer uma das partes. O acidente poderia ser provocado tanto pela desatenção do motorista, como das pedestres." Assim, não parece razoável que cidadãos que trafeguem licitamente, observando as normas de trânsito, e que, inopinadamente, se vêem envolvidos em inevitável acidente fatal causado por pedestre que agiu de forma temerária e manifestamente ilícita (cruzando via movimentada em local proibido, sem fazer uso da faixa ou passarela de pedestre), ou com imprudência ou negligência, venham a ser automaticamente qualificados de autores de homicídio e submetidos a processo penal na condição de réus, sob tal gravosa imputação.

sexta-feira, 5 de setembro de 2008


O suicídio de trânsito - direto e indireto

Thomaz Thompson Flores Neto*

Suicídio de trânsito é figura não-conhecida do direito pátrio, mas deveria. O suicídio, mesmo o comum, ainda que sob o aspecto formal configure indiferente penal, tem crucial relevância em sua perfeita identificação.

Sabe-se que o suicídio e a tentativa de suicídio não são tipificados na legislação penal. O primeiro por razão óbvia, a segunda por política criminal, dado o risco de estimular novas tentativas.

Conquanto não configure crime, é inquestionável tratar-se de ação ilícita, vez que afrontosa a um bem supremo: a vida. O próprio Código Penal (clique aqui), implicitamente, assim a considera (art. 146, § 3º, II).

O suicídio (matar a si mesmo), assim como o homicídio (matar alguém), pode se dar de forma direta ou indireta.

Na direta, o agente tem a intenção de matar. Na indireta, embora não tenha intenção de matar, assume o risco do previsível resultado morte, com o qual anui (dolo eventual); ou, não anui, presumindo que não irá ocorrer (culpa consciente); ou mata, simplesmente, por imperícia, imprudência ou negligência (culpa inconsciente).

Pois bem, no suicídio de trânsito assim se dá. O agente pode, por exemplo, deliberadamente se jogar na frente de um veículo em movimento, visando dar cabo à própria vida (suicídio de trânsito direto), como cruzar movimentada avenida fora da faixa de pedestres, ou, ainda, atravessar o leito de rodovia ao invés de fazê-lo pela segura passarela (suicídio de trânsito indireto com culpa consciente), ou, inopinadamente, cruzar a rua sem a devida atenção (suicídio de trânsito indireto com culpa inconsciente).

O que é importante sublinhar, é que em qualquer dessas hipóteses o condutor do veículo envolvido no evento não é, nem em tese, autor de homicídio de trânsito, previsto no artigo 302 do CBT (Código Brasileiro de Trânsito - clique aqui) .O veículo em movimento é mero instrumento do qual serviu-se o suicida (intencional ou não), para matar-se. O condutor é vítima de danos materiais e morais, além de testemunha ocular do suicídio.

Contudo, esse não é o entendimento corrente, tampouco o que ocorre na prática.

Na prática, o desafortunado condutor que se vê envolvido em trágico evento desse jaez - enquanto seguia licitamente pela via pública, observando as normas legais e regulamentares - além de vivenciar o intenso trauma que decorre da involuntária participação na morte violenta de um ser humano, é, em regra, indiciado como autor de homicídio de trânsito, e, logo adiante, denunciado perante a justiça criminal, transformando-se em réu de ação penal, gravosa condição que suporta até o momento em que seja proferida sua absolvição.

Cumpre indagar: é justo? É razoável? Não parece.

Nessas circunstâncias, sublinhe-se, o condutor não dá causa ao evento em que resulta morto o pedestre - que agiu de forma temerária, desatenta, ou até mesmo intencional - é vítima dele. Trafega regularmente, com veículo em perfeito estado, observando a velocidade permitida e demais regras de trânsito, com a atenção e prudência que se espera do homem médio, quando subitamente emerge na frente do veículo o pedestre suicida, que morre.

Então, o pedestre não foi morto, matou-se. Deixou deliberadamente de fazer uso da faixa de travessia para pedestres, cruzando movimentada via em local proibido, perigoso, assumindo assim o risco de matar-se. Anuindo, na lição de Nelson Hungria, ao advento do resultado; arriscando-se a produzi-lo, ao invés de renunciar a ação temerária e caminhar mais alguns metros realizando a passagem em segurança.

Aliás, em tais hipóteses o pedestre não apenas deixa de realizar a passagem em segurança, mas o faz de forma ilícita, descumprindo regras de circulação e conduta para pedestres ditadas pelo CTB, dispostas no artigo 69.

O Código de Trânsito também tipifica infrações no artigo 254, dentre as quais: "é proibido ao pedestre permanecer ou andar nas pistas de rolamento, exceto para cruzá-las onde for permitido; cruzar pistas de rolamento nos viadutos; atravessar a via dentro das áreas de cruzamento; andar fora da faixa própria, passarela, passagem aérea ou subterrânea; desobedecer à sinalização de trânsito específica", proibições, em regra, ignoradas.

De outra parte, não se desconhece a fragilidade do ser humano frente às máquinas; que existem motoristas potencialmente assassinos, irresponsáveis, psicóticos, violentos, indivíduos que merecem sofrer as mais duras penas e restrições que se lhes possam legalmente impor.

Contudo, aqui o que se pretende questionar é o equivocado enquadramento padrão que habitualmente se dá ao atropelamento no trânsito, partindo da preconcebida premissa que o autor do evento é sempre o condutor do veículo e a vítima é sempre o atropelado, salvo a menos freqüente hipótese de suicídio direto, quando inequívoca e testemunhada.

Desse equívoco crucial derivam outros, como o sustentado por parte ponderável da doutrina e da jurisprudência que considera justa e adequada a presunção relativa de culpa dos condutores, daí autorizando a inversão do ônus da prova. Isso, bem entendido, na esfera da responsabilização civil.

O pior, como antes visto, é o que se passa na esfera penal. Ali o condutor, vítima do evento mortal a que deu causa o pedestre suicida (intencional ou não), torna-se, sempre, autor, em tese, de homicídio culposo de trânsito, submetido à injusta situação de coação processual.

Oportuno anotar, segundo matéria veiculada no jornal O Estado de São Paulo de 24 de setembro de 2007, que "Dez anos depois da entrada em vigor do Código de Trânsito Brasileiro, 76% dos atropelamentos fatais investigados pela Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) em São Paulo no ano passado ocorreram em travessias 'ao longo da via', e não em cruzamentos. Mas, em 26% do total de casos, a culpa não foi do pedestre: automóveis desgovernados invadiram canteiros centrais ou calçadas".

Deflui dos aludidos dados estatísticos oficiais que os pedestres têm culpa em 74% dos atropelamentos ocorridos na cidade de São Paulo. O elevado índice talvez se explique pelo fato de que, segundo consta, cerca de 50% dos atropelados revelaram a presença de álcool no sangue. E, como bem observado alhures, "ao contrário do que acontece com o condutor, não há legislação que permita a autoridade policial deter temporariamente o pedestre bêbado, a não ser que esteja perturbando a ordem".

Quanto à equivocada presunção de culpa dos condutores, bastante arraigada na jurisprudência pátria, vale transcrever excerto de iluminado voto-condutor do ministro do Superior Tribunal de Justiça, Antônio de Pádua Ribeiro, relator do Recurso Especial nº 169-937-RS, que frente a evento do gênero, assim deixou assente:

"Trata-se, na espécie, de acidente de trânsito, atropelamento, envolvendo o veículo da ré e as duas autoras, em sinaleiro de via movimentada. Não há motivo aparente para que se presuma a culpa de qualquer uma das partes. O acidente poderia ser provocado tanto pela desatenção do motorista, como das pedestres".

Assim, não parece razoável que cidadãos que trafeguem licitamente, observando as normas de trânsito, e que, inopinadamente, se vêem envolvidos em inevitável acidente fatal causado por pedestre que agiu de forma temerária e manifestamente ilícita (cruzando via movimentada em local proibido, sem fazer uso da faixa ou passarela de pedestre), ou com imprudência ou negligência, venham a ser automaticamente qualificados de autores de homicídio e submetidos a processo penal na condição de réus, sob tal gravosa imputação.

_________________

*Advogado





________________

Atualizado em: 5/9/2008 10:45

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Luis Felipe Salomão

Luis Felipe Salomão

Migalheiro desde 2014
Luís Roberto Barroso

Luís Roberto Barroso

Migalheiro desde 2003
Sóstenes Marchezine

Sóstenes Marchezine

Migalheiro desde 2021
Selma Ferreira Lemes

Selma Ferreira Lemes

Migalheira desde 2005
Levi Rezende Lopes

Levi Rezende Lopes

Migalheiro desde 2020
Jones Figueirêdo Alves

Jones Figueirêdo Alves

Migalheiro desde 2011
Justiliana Sousa

Justiliana Sousa

Migalheira desde 2020
Ricardo Alves de Lima

Ricardo Alves de Lima

Migalheiro desde 2020
Giselle Farinhas

Giselle Farinhas

Migalheira desde 2017
Lenio Luiz Streck

Lenio Luiz Streck

Migalheiro desde 2005
Carolina Amorim

Carolina Amorim

Migalheira desde 2020

Publicidade