domingo, 17 de janeiro de 2021

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Arquivo Carlos Lacerda

O presente ano marcará o 10º aniversário da assinatura do convênio entre a FUNDAMAR - FUNDAÇÃO 18 DE MARÇO e a Universidade de Brasília - UnB, para a organização do Arquivo Carlos Lacerda. A data deve ser celebrada porque se tratar da viabilização de um dos arquivos mais ricos sobre a vida política e cultural do Brasil, abrangendo o período de 1930 a 1977.

quinta-feira, 26 de março de 2009


Arquivo Carlos Lacerda

Stanley Martins Frasão*

O presente ano marcará o 10º aniversário da assinatura do convênio entre a FUNDAMAR - FUNDAÇÃO 18 DE MARÇO e a Universidade de Brasília - UnB, para a organização do Arquivo Carlos Lacerda. A data deve ser celebrada porque se tratar da viabilização de um dos arquivos mais ricos sobre a vida política e cultural do Brasil, abrangendo o período de 1930 a 1977.

Após a morte de Carlos Lacerda (23.5.1977), sua família doou à UnB, em 1979, a vasta documentação sobre ele. São inúmeros itens que durante 20 anos ficaram guardados em caixas e foram utilizados apenas por pesquisadores que sabiam de sua existência. Somente em 1999, a Universidade preocupada com o risco que estavam correndo tão importantes documentos para a história recente do país, procurou patrocínio para organizá-los. O apoio veio da Fundamar - Fundação 18 de Março, na forma de financiamento. O material emergiu a público e se transformou no Arquivo Carlos Lacerda, que fica na Divisão de Coleções especiais da Biblioteca de Brasília

O arquivo Carlos Lacerda foi dividido em "Vida Pessoal", "Produção Intelectual", "Empresário" e "Vida Política", essa última é evidentemente maior, em razão de sua atuação como Governador do Estado da Guanabara. O plano de trabalho proposto, apresentado e ratificado pela FUNDAMAR , teve como objetivo permitir o acesso rápido às informações relativas ao político, jornalista, escritor, contista, dentre outros. Trata-se de um conjunto de documentos com um grande potencial informativo sobre aspectos importantes da história contemporânea do Brasil. O arquivo é composto por 26,54 metros lineares de documentos textuais, isto corresponde a cerca de 159 mil folhas de documentos, 4.426 ampliações fotográficas, 266 slides, 86 discos de vinil e 2 fitas de áudio. Nele estão registradas as atividades intelectuais, políticas e empresariais de Carlos Frederico Werneck Lacerda (1914-1977). O material contém, ainda, registros de sua vida pessoal, a relação com amigos, familiares, políticos, artistas, escritores e admiradores.

Destaca-se, especialmente, os documentos relacionados à vida política brasileira, principalmente nas décadas de 1950 e 1960, mesmo porque é impossível falar de Lacerda e do seu Arquivo, sem falar em política. Político foi ele em tempo integral por toda a sua vida. Sobre o escritor continua pesando o patrulhamento ideológico destinado ao político. Unanimidade existe apenas ao se considerar a sua oratória. "Orador de pompas asiáticas" como enfatizou Romero Neto no prefácio do excelente "Sangue e Paixão" com o qual Lacerda inaugurou na língua portuguesa o romance-verdade; ou o "maior tribuno que passou pela Câmara dos Deputados" na opinião de Paulo Pinheiro Chagas ("Esse velho vento da Aventura", página 330). Do "Quilombo de Manuel Congo" - escrito em 1935 e reeditado em 1998 - ao "A Casa de Meu Avô", Carlos Lacerda escreveu mais de 30 livros, sendo que o último elevado ao patamar de obra prima por, Carlos Drummond de Andrade: "Ainda que você não tivesse outros títulos - e têm muitos - bastaria este, o de autor da" "A Casa de Meu Avô" para garantir-lhe esse lugar que importa mais do que os lugares convencionalmente tidos como importantes" (Carta de 26/12/76). Dos publicados em vida, raros livros ficaram na primeira edição. A Fundamar, novamente em convênio com a UnB organizou a publicação de quatro obras do autor: "Rosas e Pedras de Meu Caminho", Brasília 2.001 Ed. Universidade de Brasília, "21 Contos Inéditos de Carlos Lacerda", e "3 Peças Inéditas de Carlos Lacerda" (O rio, Amapá e Uma bailarina solta no mundo), ambos da Ed. Universidade de Brasília e Imprensa Oficial do Estado/SP, 2003 e "Minhas Cartas e as dos Outros" Ed. Universidade de Brasília, 2005.

É ainda cedo para se falar de Carlos Lacerda com a devida imparcialidade. Homem que despertava fascínio entre os amigos e ódio entre os adversários, pode ser, mesmo que precariamente decifrado pelo ex-presidente Jânio Quadros: "Era uma personalidade paradoxal. Tinha vôos condoreiros e, às vezes, mergulhava, abandonando as alturas. Corajoso, culto, erudito mesmo, jornalista completo e desassombrado, tribuno terrível, administrador eficiente - o Rio de Janeiro que o diga -, político altivo e apaixonado. Sua vida é página de gestos grandiosos e contradições consigo mesmo. No balanço todos somos devedores de seus ideais, sem embargo dos excessos da palavra mágica e do comportamento imprevisível. "Deixemos a história julgá-lo".

________________

(Colabarão do estagiário Mateus Victória Gontijo)

________________

*Advogado, sócio do escritório Homero Costa Advogados









______________

Atualizado em: 25/3/2009 13:27

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Gustavo Abdalla

Gustavo Abdalla

Migalheiro desde 2019
Gilberto Bercovici

Gilberto Bercovici

Migalheiro desde 2007
Quésia Falcão de Dutra

Quésia Falcão de Dutra

Migalheira desde 2019
Rogério Pires da Silva

Rogério Pires da Silva

Migalheiro desde 2005
Julio Cesar dos Santos

Julio Cesar dos Santos

Migalheiro desde 2019
Lilia Frankenthal

Lilia Frankenthal

Migalheira desde 2020
Carla Louzada Marques

Carla Louzada Marques

Migalheira desde 2020
Sílvio de Salvo Venosa

Sílvio de Salvo Venosa

Migalheiro desde 2019
Gabriela Araujo Sandroni

Gabriela Araujo Sandroni

Migalheira desde 2020
Marco Aurélio Mello

Marco Aurélio Mello

Migalheiro desde 2014
Scilio Faver

Scilio Faver

Migalheiro desde 2020

Publicidade