quarta-feira, 20 de janeiro de 2021

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

O exercício da advocacia e a investigação policial

O Inquérito Policial é um procedimento que, embora não obrigatório, se mostra cada vez mais imprescindível para que inocentes não sejam processados injustamente e para que culpados sejam processados criminalmente com mais subsídios. Tem como características marcantes, entre outras, a ausência do princípio do contraditório e o sigilo das investigações. Com uso de tais argumentos, numa análise teratológica, não raramente, vislumbramos no dia-a-dia profissional e nas notícias veiculadas pela imprensa, o cerceamento do exercício da advocacia na defesa dos direitos dos investigados.

quarta-feira, 20 de maio de 2009


O exercício da advocacia e a investigação policial

Ulysses Monteiro Molitor*

O Inquérito Policial é um procedimento que, embora não obrigatório, se mostra cada vez mais imprescindível para que inocentes não sejam processados injustamente e para que culpados sejam processados criminalmente com mais subsídios. Tem como características marcantes, entre outras, a ausência do princípio do contraditório e o sigilo das investigações. Com uso de tais argumentos, numa análise teratológica, não raramente, vislumbramos no dia-a-dia profissional e nas notícias veiculadas pela imprensa, o cerceamento do exercício da advocacia na defesa dos direitos dos investigados.

Nas operações da Polícia Federal, por exemplo, famosas pelos seus peculiares nomes e pela imensa quantidade de mandados de prisão preventiva decretados e cumpridos, acompanhamos que foi preciso, em muitos casos, a manifestação judicial para garantir aos advogados dos presos o acesso aos autos do Inquérito Policial e o direito de entrevista reservada com seus clientes.

Por outro lado, esse "sigilo" tem sido afastado diariamente com a divulgação pela mídia do teor das investigações, principalmente de trechos de conversas retirados de escutas telefônicas.

Não se pretende aqui criticar a necessária e coerente ação policial, nem admitir que criminosos permaneçam impunes, mas sim que estes sejam investigados e processados nos termos e limites da lei.

Sobre o sigilo das investigações, dispõe o artigo 20 do CPP (clique aqui) que "A autoridade assegurará no inquérito o sigilo necessário à elucidação do fato ou exigido pelo interesse da sociedade". No entanto, tal dispositivo deve ser aplicado em consonância com o Estatuto da Advocacia, Lei Federal 8.906/94 (clique aqui), nos art. 7º, XIII a XV e § 1º, no sentido de que este não atinge o advogado. Cabe ressaltar que o sigilo tem como finalidade não somente o bom andamento da investigação policial para que não seja prejudicada a colheita de provas mas, também, à proteção ao princípio da presunção da inocência, de modo que o investigado não seja "julgado" e "punido" antecipadamente pela opinião pública antes da decisão judicial que será tomada após oportunidade de contraditório e ampla defesa.

Ainda que não tenha procuração, pode o advogado ter acesso aos autos de inquérito policial, pois nos termos do inciso XIV do artigo 7º da lei 8.906/94, é direito do advogado "examinar em qualquer repartição policial, mesmo sem procuração, autos de flagrante e de inquérito, findos ou em andamento, ainda que conclusos à autoridade, podendo copiar peças e tomar apontamentos". Porém, vale ressaltar que se no curso do inquérito policial for decretada a quebra do sigilo bancário ou fiscal do investigado, se impõe a necessidade de procuração em favor do advogado para acesso aos autos.

Afastar o exame do procedimento policial ao investigado ou seu advogado seria o mesmo que admitir a existência da ficção criada por Franz Kafka, na obra "O Processo", onde o protagonista era inquirido e processado sem ter a mínima noção dos fatos que o levaram àquela situação.

Vigora também no curso da fase policial o princípio inquisitivo. É a ausência do contraditório e da ampla defesa, agindo a autoridade policial de forma discricionária na busca do esclarecimento dos fatos. Nela, não existe julgamento e nem defesa pois a finalidade do Inquérito Policial é a apuração de prova de materialidade e indícios de autoria para instruir eventual oferecimento de denúncia pelo membro do Ministério Público.

No entanto, o princípio inquisitivo não autoriza o presidente da investigação ao cometimento de arbitrariedades. Já decidiu o STF que "A mera instauração de inquérito, quando evidente a atipicidade da conduta, constitui meio hábil a impor violação aos direitos fundamentais, em especial ao princípio da dignidade humana" (HC 82.969-4/PR DJ 17.10.2003).

Outro aspecto tormentoso dentro da investigação policial diz respeito a incomunicabilidade do indiciado preso. Prevista no artigo 21 ("A incomunicabilidade do indiciado dependerá sempre de despacho nos autos e somente será permitida quando o interesse da sociedade ou a conveniência da investigação o exigir") e seu parágrafo único do CPP, somente pode ser decretada judicialmente pelo prazo máximo de três dias, e nunca atinge o advogado.

Ademais, o inciso III do artigo 7º do Estatuto da Ordem dos Advogados do Brasil dispõe que é direito do advogado "comunicar-se com seus clientes, pessoal e reservadamente, mesmo sem procuração, quando estes se acharem presos, detidos ou recolhidos em estabelecimentos civis ou militares, ainda que considerados incomunicáveis".

No que tange ao cerceamento do exercício da advocacia, a lei 4.898, de 9 de dezembro de 1965 (clique aqui), que regula o direito de representação e o processo de Responsabilidade Administrativa, Civil e Penal, nos casos de abuso de autoridade, em seu artigo 3º, alínea j, aduz que constitui abuso de autoridade qualquer atentado "aos direitos e garantias legais assegurados ao exercício profissional", culminando sanções administrativa e penal, de forma autônoma ou cumulada.

Sem prejuízo de sanções civis, penais ou administrativas contra a autoridade policial que eventualmente impeça o exercício de direito, a negativa de permitir a entrevista reservada do preso com seu defensor ou o acesso aos autos do inquérito policial abre espaço para a impetração de Mandado de Segurança com pedido liminar, com fundamento no artigo 5.º, LXIX, da CF (clique aqui) e no artigo 1º e seguintes da Lei Federal 1.533/51 (clique aqui).

__________________

*Advogado. Professor da Universidade Municipal de São Caetano do Sul - USCS e da Faculdade Anchieta de São Bernardo do Campo. Assistente jurídico da Faculdade de Direito de São Bernardo do Campo

____________

Atualizado em: 19/5/2009 11:09

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Sílvio de Salvo Venosa

Sílvio de Salvo Venosa

Informativo Migalheiro desde 2019
Flávia Pereira Ribeiro

Flávia Pereira Ribeiro

Informativo Migalheira desde 2019
Vantuil Abdala

Vantuil Abdala

Informativo Migalheiro desde 2008
Italo Bondezan Bordoni

Italo Bondezan Bordoni

Informativo Migalheiro desde 2019
Abel Simão Amaro

Abel Simão Amaro

Informativo Migalheiro desde 2004
Carla Louzada Marques

Carla Louzada Marques

Informativo Migalheira desde 2020
Cleanto Farina Weidlich

Cleanto Farina Weidlich

Informativo Migalheiro desde 2007
Gustavo Binenbojm

Gustavo Binenbojm

Informativo Migalheiro desde 2005
Agnaldo Bastos

Agnaldo Bastos

Informativo Migalheiro desde 2018
Lenio Luiz Streck

Lenio Luiz Streck

Informativo Migalheiro desde 2005

Publicidade