domingo, 25 de outubro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Maus pagadores

Rogério Medeiros Garcia de Lima

O cidadão brasileiro, que deve aos cofres públicos e pretende voluntariamente pagar a dívida, terá tratamento vip. O Poder Público estende o tapete vermelho para receber valores dos contribuintes.

sexta-feira, 10 de dezembro de 2004

Maus Pagadores


Rogério Medeiros Garcia de Lima*

O cidadão brasileiro, que deve aos cofres públicos e pretende voluntariamente pagar a dívida, terá tratamento vip. O Poder Público estende o tapete vermelho para receber valores dos contribuintes. Admite o emprego da internet, depósito bancário on line e outras facilidades propiciadas pela tecnologia contemporânea.

Se o Poder Público quiser cobrar judicialmente o débito de qualquer cidadão, a legislação é bastante generosa com o credor. Poderá penhorar o patrimônio do inadimplente à sua conveniência. A penhora incidirá até mesmo sobre a casa onde o devedor reside com a família. O patrimônio será vendido em leilão e o dinheiro obtido será destinado aos cofres públicos. Na atualização do débito, são incluídos correção monetária e pesados acréscimos, tais como juros e multa moratória. Uma bola de neve.

Esse mesmo Poder Público, no entanto, é péssimo pagador. Vejamos o imposto de renda, por exemplo. A declaração pode ser preenchida e enviada em poucos minutos. Todavia, a restituição do imposto, pago a mais pelo contribuinte tem sido cada vez mais demorada. A Receita Federal joga com o dinheiro do contribuinte. É preciso honrar os débitos com poderosos credores externos e internos do governo.

Quanto aos débitos judiciais, o cidadão vencedor de uma demanda contra o governo entra em um labirinto de Kafka. Ganha, mas não leva. Quem sabe um dia seus filhos ou netos venham a receber os valores devidos. Um absurdo devido ao artigo 100 da Constituição Federal de 1988: "os pagamentos devidos pela Fazenda Federal, Estadual ou Municipal, em virtude de sentença judiciária, far-se-ão exclusivamente na ordem cronológica de apresentação dos precatórios".

O precatório é um documento que os tribunais enviam aos governos federal, estaduais e municipais, para inclusão dos débitos judiciais nos respectivos orçamentos. Para ser pago até o final do ano seguinte, o precatório deverá ser apresentado até 1º de julho do ano anterior. O pagamento é feito por ordem cronológica de apresentação, com preferência para débitos alimentares (aqueles que garantem o sustento do credor).

União, estados e municípios deixam recorrentemente de pagar suas dívidas judiciais e não sofrem nenhuma sanção por isso. Segundo levantamento feito pela Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), seção de São Paulo, o governo paulista deve o pagamento de 10.158 precatórios. Desde o ano 2000, a prefeitura paulistana, por sua vez, desembolsou R$ 131 milhões para pagamento de precatórios alimentares. O desembolso foi menor do que os R$ 158 milhões gastos com publicidade, no mesmo período. A OAB-SP pretende denunciar o caso à Organização dos Estados Americanos (OEA). A garantia da celeridade da prestação jurisdicional é direito inalienável da pessoa humana. Assim proclamam as Convenções Européia dos Direitos do Homem e Americana de Direitos Humanos (Pacto de São José da Costa Rica).

Os precatórios são o maior fator de atraso no cumprimento de decisões judiciais e desprestígio da Justiça. Infelizmente, a reforma do Judiciário não o eliminará. Os governos cantam como a música popular: "tô nem aí...".
__________

*Juiz de Direito, professor do Unicentro Newton Paiva e membro do IAMG - Instituto dos Advogados de Minas Gerais







_________

Atualizado em: 9/12/2004 15:55

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS

Camilla Costa

Migalheira desde 2019

Fabiano Serra Borsatto

Migalheiro desde 2020

Damásio de Jesus

Migalheiro desde 2007

Anderson Schreiber

Migalheiro desde 2020

Larissa Ross

Migalheiro desde 2020

Andréa Mascitto

Migalheira desde 2020

Ulysses Monteiro Molitor

Migalheiro desde 2007

Cristiano Padial Fogaça

Migalheiro desde 2017

Leonardo Franco Belloti

Migalheiro desde 2019

Publicidade