sábado, 16 de janeiro de 2021

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

O efeito suspensivo dos embargos à execução fiscal após o advento da lei 11.382/06

Najara Ricardo Soares

Existem normas jurídicas que regulam as condutas humanas. Quando existirem normas conflitantes se deve utilizar três critérios para solucionar tal antinomia, quais sejam, o hierárquico, o da especialidade e o cronológico. Mas nem sempre é fácil encontrar a resposta, pois as normas conflitantes podem envolver mais de um critério. Deve, entretanto sempre prevalecer o Princípio da Justiça e da Razoabilidade, visando o bem comum e a segurança nas relações.

segunda-feira, 17 de agosto de 2009


O efeito suspensivo dos embargos à execução fiscal após o advento da lei 11.382/06

Najara Ricardo Soares*

Existem normas jurídicas que regulam as condutas humanas. Quando existirem normas conflitantes se deve utilizar três critérios para solucionar tal antinomia, quais sejam, o hierárquico, o da especialidade e o cronológico. Mas nem sempre é fácil encontrar a resposta, pois as normas conflitantes podem envolver mais de um critério. Deve, entretanto sempre prevalecer o Princípio da Justiça e da Razoabilidade, visando o bem comum e a segurança nas relações.

Importante destacar que para que uma lide processual se perfaça de maneira justa e igualitária, todos têm assegurado, pela CF/88 (clique aqui), o direito à Ampla Defesa, ao Contraditório e ao Devido Processo Legal. Isto porque é o Poder Judiciário que irá dirimir os conflitos sociais e normativos, de acordo com o Estado Democrático Brasileiro.

No âmbito do direito tributário, o processo de execução fiscal é o meio para a Fazenda Pública cobrar seus créditos tributários, pois visa garantir a arrecadação tributária, responsável por manter a estrutura administrativa do Estado.

Já o embargo à execução fiscal é o meio processual que permite a realização dos Princípios acima destacados, possibilitando ao devedor contribuinte se defender da pretensão da Fazenda Pública, e buscar um julgamento imparcial da lide, na busca da efetividade processual.

Para que o processo executivo fiscal se perfaça de forma justa e em respeito aos princípios constitucionais individuais e processuais, até o advento da lei 11.382/06 (clique aqui), era concedido o efeito suspensivo aos embargos à execução.

Contudo, sobreveio a referida lei que introduziu alterações no CPC (clique aqui) visando maior celeridade processual.

Veja-se que o objetivo desta mudança foi de beneficiar o exequente a qualquer custo. Contudo, quando se trata de execução fiscal que tem como objeto um título executivo elaborado única e exclusivamente pela Fazenda Pública, sem qualquer consentimento do executado, o cuidado que se deve ter é muito maior.

Porém, não é assim que estão entendendo a Fazenda Pública e os Juízes competentes, aplicando o CPC de forma subsidiária, independente do que dispõe implicitamente a Lei de Execuções Fiscais.

Outrossim, esta interpretação vai de encontro com a própria intenção do legislador quando propôs o projeto de lei que resultou na lei 11.382/06, cujo objetivo era explicitamente excluir qualquer possibilidade de aplicação do disposto na referida lei à Lei de Execuções Fiscais.

Essa alteração ao CPC (art. 739-A que excluiu os efeitos suspensivos aos embargos à execução) se aplicado à Lei de Execuções Fiscais - LEF, trará um enorme impacto ao sistema jurídico e à sociedade, uma vez que viola expressamente vários princípios constitucionais norteadores do direito. Deve-se levar em consideração ainda, que se admitir o seguimento de atos expropriatórios, sem análise do mérito dos embargos à execução fiscal, caso haja alguma irregularidade ou ilegalidade na formação do título executivo pela Fazenda Pública, o dano aos contribuintes é exorbitante e de difícil reparação. Ainda, caso seja julgado procedente os embargos, tais decisões se tornarão sem efetividade alguma, uma vez que o direito do executado já teria sido violado.

Diante do exposto, não resta dúvida que o entendimento da Fazenda Pública em querer aplicar o artigo 739-A do CPC à execução fiscal, com a justificativa de que a Lei de Execuções Fiscais é omissa quanto ao efeito suspensivo dos embargos à execução, visa exclusivamente benefício próprio, em total abuso de poder e em total afronta ao Estado Democrático de Direito. E o pior é perceber que o Poder Judiciário vem interpretando referida aplicação do artigo 739-A do CPC nos processos executivos fiscais, da mesma forma, ou seja, em total desacordo com o entendimento maciço da doutrina pátria e das prerrogativas previstas na CF/88.

________________

*Advogada e sócia do escritório Piazzeta e Boeira Advocacia Empresarial

________________

Atualizado em: 14/8/2009 10:54

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Cesar de Lima e Silva

Cesar de Lima e Silva

Migalheiro desde 2019
Charline Pinheiro Dias

Charline Pinheiro Dias

Migalheira desde 2019
Almir Pazzianotto Pinto

Almir Pazzianotto Pinto

Migalheiro desde 2003
Gilberto Bercovici

Gilberto Bercovici

Migalheiro desde 2007
Thiago Boaventura

Thiago Boaventura

Migalheiro desde 2017
André Lucenti Estevam

André Lucenti Estevam

Migalheiro desde 2020
Stanley Martins Frasão

Stanley Martins Frasão

Migalheiro desde 2002
Allan de Oliveira Kuwer

Allan de Oliveira Kuwer

Migalheiro desde 2020
Scilio Faver

Scilio Faver

Migalheiro desde 2020
Agnaldo Bastos

Agnaldo Bastos

Migalheiro desde 2018
Sóstenes Marchezine

Sóstenes Marchezine

Migalheiro desde 2021

Publicidade