terça-feira, 27 de outubro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Direito trabalhista e a nova realidade empresarial

No final da década de 90, cogitava-se nos corredores do Poder Legislativo, em Brasília, a possibilidade de a Justiça do Trabalho ser extinta, sob o pretexto de que tal órgão não gerava qualquer "lucro" para os cofres públicos, relegando a um segundo plano uma discussão mais detalhada e profunda a respeito da questão, inclusive da legalidade ou constitucionalidade dessa ideia.

quinta-feira, 5 de novembro de 2009


Direito trabalhista e a nova realidade empresarial

Alessandro Rangel Veríssimo dos Santos*

No final da década de 90, cogitava-se nos corredores do Poder Legislativo, em Brasília, a possibilidade de a Justiça do Trabalho ser extinta, sob o pretexto de que tal órgão não gerava qualquer "lucro" para os cofres públicos, relegando a um segundo plano uma discussão mais detalhada e profunda a respeito da questão, inclusive da legalidade ou constitucionalidade dessa ideia.

Como resposta a esse movimento, o Poder Judiciário trabalhista iniciou um movimento de valorização de suas atividades e importância de sua existência institucional, inclusive no aspecto financeiro.

Assim, no início desta década foi editada a lei 10.035/2000 (clique aqui), que introduziu na CLT (clique aqui) inúmeros dispositivos, sendo a maioria deles destinados a regulamentar procedimentos para a cobrança e recolhimento de contribuições previdenciárias decorrentes das reclamações trabalhistas que, até então, não eram eficazmente exigidas.

Dando sequência a essa "valorização", em 2002 foi editada a lei 10.537 (clique aqui), que redefiniu os parâmetros processuais a respeito da cobrança e responsabilidades pelos recolhimentos das custas e emolumentos exigíveis nas reclamações trabalhistas.

Mas foi no ano de 2004, com a promulgação da EC 45 (clique aqui), que acrescentou novas matérias à competência da Justiça do Trabalho, que esse movimento se consolidou. Isso porque questões como as referentes às indenizações por danos morais e materiais, antes inerentes à Justiça Comum Estadual, passaram a ser de competência da Justiça Especializada do Trabalho, entre outras.

Contudo, como não poderia deixar de ser, os reflexos dessa valorização não ficaram restritos e limitados ao âmbito judicial desse órgão especializado e atingiram também a sociedade, destinatária final dos serviços prestados pela Justiça e, de forma específica, as empresas, parte diretamente interessada na questão.

De fato, esse movimento de valorização fez com que o custo com a manutenção de um processo trabalhista aumentasse, obrigando as organizações empresariais a se posicionarem a respeito da importância econômica envolvida nas relações de trabalho mantidas com seus empregados, prestadores de serviços, colaboradores etc.

Nesse cenário, o advogado trabalhista, interno e terceirizado, foi extremamente valorizado, passando a desempenhar papel de fundamental importância, não apenas na gestão do contencioso judicial ou administrativo, como também e, principalmente, na estratégia econômico-financeira da organização empresarial, através da consultoria preventiva trabalhista.

Diante dessa nova realidade, a consultoria empresarial trabalhista passou a ser encarada como uma ferramenta extremamente importante para o sucesso do negócio empresarial, visto que, além de prevenir situações de riscos e auxiliar no sucesso do contencioso, também auxilia e contribui em decisões importantes para a saúde financeira da empresa e o sucesso do negócio.

Dessa forma, as estratégias a serem adotadas pelas empresas, como, por exemplo, a respeito da terceirização de determinadas atividades empresariais ou a definição da política funcional e salarial, entre outras, deixaram de ser definidas considerando apenas os aspectos econômicos e financeiros, passando a considerar também os posicionamentos provenientes de consultores trabalhistas a respeito das implicações e consequências jurídicas das decisões respectivas.

A consultoria trabalhista também passou a ser reconhecida por desempenhar papel importante no dia-a-dia empresarial. Através das orientações jurídicas repassadas, tem-se a possibilidade de prevenir o surgimento de novos conflitos nas diversas relações jurídicas havidas na esfera trabalhista, conferindo maior segurança aos envolvidos e, em muitos casos, evitando até o surgimento de passivo trabalhista.

Por fim, também reflete positivamente nos resultados das demandas trabalhistas eventualmente existentes, tendo em vista que o objetivo da consultoria preventiva é exatamente readequar os procedimentos às determinações e previsões legais, minimizando o risco de condenações judiciais.

Nítido, portanto, que a nova realidade do Poder Judiciário Trabalhista vem proporcionando uma mudança gradativa e constante nos conceitos e no comportamento empresarial, onde a figura do advogado trabalhista tem sua importância reconhecida, não apenas em razão de sua atuação na gestão contenciosa judicial e administrativa, como também e, principalmente, em razão de sua atuação na gestão preventiva de surgimento de passivos trabalhistas, realizada por meio da consultoria preventiva trabalhista.

______________

*Sócio do escritório Rodrigues Jr. Advogados

 

 

 

 

_________________

Atualizado em: 4/11/2009 11:12

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Miguel Reale Júnior

Migalheiro desde 2003

Vantuil Abdala

Migalheiro desde 2008

Abel Simão Amaro

Migalheiro desde 2004

Antonio Pessoa Cardoso

Migalheiro desde 2004

Carla Domenico

Migalheira desde 2011

Valmir Pontes Filho

Migalheiro desde 2004

Anna Carolina Venturini

Migalheira desde 2014

Teresa Arruda Alvim

Migalheira desde 2006

Júlio César Bueno

Migalheiro desde 2004

Publicidade