sábado, 24 de outubro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Divisão de poder e representatividade na Câmara dos Deputados: uma aplicação da Teoria dos Jogos

Fábio Zugman e Walter Fabrício de Castro Telli

Neste artigo procura-se analisar a dinâmica em processos de votação utilizando a Teoria dos Jogos como referencial teórico e a Câmara dos Deputados do Brasil como ilustração. A partir de dados recentes extraídos do IBGE e da Câmara através da Internet foram realizadas simulações e inferências sobre a dinâmica nessa instância legislativa através do cálculo dos chamados Valor de Shapley (Shapley, 1953) e Valor A Priori (Shapley e Shubik, 1954).

quinta-feira, 3 de fevereiro de 2005


Divisão de poder e representatividade na Câmara dos Deputados: uma aplicação da
Teoria dos Jogos

Administração Pública

Fábio Zugman

Walter Fabrício de Castro Telli*

Resumo

Neste artigo procura-se analisar a dinâmica em processos de votação utilizando a Teoria dos Jogos como referencial teórico e a Câmara dos Deputados do Brasil como ilustração. A partir de dados recentes extraídos do IBGE e da Câmara através da Internet foram realizadas simulações e inferências sobre a dinâmica nessa instância legislativa através do cálculo dos chamados Valor de Shapley (Shapley, 1953) e Valor A Priori (Shapley e Shubik, 1954). Discrepâncias de poder e representatividade entre regiões, unidades federativas, partidos políticos e poder por habitante são identificadas no decorrer do estudo, revelando situações em que apenas duas regiões, seis unidades federativas ou quatro partidos possuem a influência necessária para dominar o processo de votação. Busca-se alcançar uma base científica para a discussão do processo de votação em situações de cooperação e conflito.

Demonstra-se o poder desproporcional exercido por determinados membros, bem como o poder que determinadas alianças podem adquirir.

Palavras-Chave: Representatividade, conflito, votação, Teoria dos Jogos.

1. INTRODUÇÃO

A progressiva evolução do processo democrático brasileiro traz consigo um questionamento relacionado à representatividade dos cidadãos, após quase quinze anos da promulgação da Constituição em que se estabeleceram as regras para a divisão das cadeiras da Câmara dos Deputados entre as unidades federativas da República. Dada a importância das decisões tomadas nesse fórum, a necessidade de estabelecerem-se parâmetros para garantir o equilíbrio de poder e representatividade entre a população das unidades federativas torna-se auto-evidente.

Esse artigo procura desenvolver uma discussão acerca do conceito de equilíbrio de poder utilizando como base científica a Teoria dos Jogos. O objeto de análise escolhido foi o processo deliberativo. Como uma aplicação específica, utilizou-se a estrutura de votação da Câmara dos Deputados brasileira devido à sua importância e ao fato de buscar-se uma proporcionalidade nessa casa, o que não ocorre no Senado.

Para ler a íntegra do artigo, clique aqui.
__________

* Associados ao ICED - Instituto Comportamento, Evolução e Direito







__________

Atualizado em: 2/2/2005 09:46

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS

Daniel Gerber

Migalheiro desde 2019

Marcel Belfiore Santos

Migalheiro desde 2004

Maurício Zockun

Migalheiro desde 2020

Marcus Antonio Gianeze

Migalheiro desde 2020

Raphael Miziara

Migalheiro desde 2018

Ranieri Mazzilli Neto

Migalheiro desde 2005

Paula Lôbo Naslavsky

Migalheira desde 2012

João Vieira Neto

Migalheiro desde 2017

Anne Caroline Wendler

Migalheira desde 2020

Pedro Gonzáles Tinoco

Migalheiro desde 2011

Daiane Dias Rodrigues

Migalheira desde 2019

Publicidade