sexta-feira, 4 de dezembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Laboratório nacional de células-tronco embrionárias

Inaugurou-se neste último novembro o LANCE - Laboratório Nacional de Células-Tronco Embrionárias, junto ao Hospital Universitário Clementino Fraga Filho, vinculado a Universidade Federal do Rio de Janeiro e em parceria com a Universidade de São Paulo, o Ministério da Saúde, o BNDES - Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social, a FINEP - Financiadora de Estudos e Projetos e o CNPQ - Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico.

terça-feira, 15 de dezembro de 2009


Laboratório nacional de células-tronco embrionárias

Patrícia Luciane de Carvalho*

Inaugurou-se neste último novembro o LANCE - Laboratório Nacional de Células-Tronco Embrionárias, junto ao Hospital Universitário Clementino Fraga Filho, vinculado a Universidade Federal do Rio de Janeiro e em parceria com a Universidade de São Paulo, o Ministério da Saúde, o BNDES - Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social, a FINEP - Financiadora de Estudos e Projetos e o CNPQ - Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. Este laboratório público funciona também como centro de pesquisa e conta com o apoio de vinte e seis pesquisadores, os quais voltam suas atividades para a produção em grande escala de células-tronco embrionárias, as quais serão, em parte, fornecidas gratuitamente a laboratórios previamente credenciados, bem como para aplicação terapêutica, a exemplo contra a doença de Parkinson.

Na prática as universidades produzem e multiplicam as células-tronco embrionárias; enquanto que as demais entidades financiam e estabelecem diretrizes a serem alcançadas pelo empreendimento. Tudo em conformidade com a Lei de Biossegurança 11.105, de 24 de março de 2005 (clique aqui), que autoriza o uso de células-tronco de embriões humanos para pesquisas e que em 29 de maio de 2008 foi declarada constitucional pelo STF, no sentido de que esta prática não viola a vida e nem a dignidade humana, desde que os embriões, quando viáveis, não sejam destruídos para a retirada das células-tronco. Sobre este aspecto, depreende-se da decisão da Suprema Corte que o material de onde se extrai as células-tronco não tem vida, não se enquadra na condição de nascituro, já que são inviáveis à constituição de vida humana e destinam-se ao descarte. Portanto, melhor que sejam aproveitadas em pesquisa.

Mas porque tamanho interesse pelas células-tronco? Em conformidade com os ensinamentos da Dra. Mayana Zatz (médica geneticista e Pró-Reitora da USP), correspondem a células com capacidade de gerar cópias de si mesma e com potencial de diferenciação em vários tecidos. Dentre as espécies a mais importante é a célula-tronco pluripotente, eis que se diferencia em quase todos os 216 tecidos humanos, excetuando-se apenas a placenta e os anexos embrionários. A grande dúvida que existe é como conseguem estas células no embrião humano se determinarem como de um específico tecido (sangue, osso, fígado e nos demais). Todavia, em laboratório, a exemplo do LANCE, consegue-se colocar substâncias diferenciadoras em "cultura" de células-tronco in vitro, as quais proporcionam o resultado esperado, ou seja, a formação de um determinado tecido. Por sua vez, quanto à natureza importam as células-tronco embrionárias, já que estas possuem a maior capacidade de diferenciação, eis que não são adultas e possuem o maior número de células pluripotentes. Destacam-se, assim, as células-troncos embrionárias, pela capacidade de reprodução e de diferenciação.

Estas células podem ser obtidas através do corpo humano, da clonagem terapêutica e de embriões descartados. A de menor importância é a que advêm do corpo humano, já que é obtida a célula-tronco do tipo adulta, a qual, por não ser embrionária, possui limitação no processo de multiplicação e diferenciação. Não se ignora a importância, ocorre que a multiplicação e a diferenciação são os elementos primordiais para a celeridade e eficiência da pesquisa e da aplicação em terapias. A decorrente da clonagem terapêutica é fruto de manipulação genética voltada à produção de embriões. Nesta manipulação obtém-se primeiro células do tipo totipotentes, apenas na segunda fase da manipulação é que se obtém as do tipo pluripotentes, que são aquelas que possuem alta capacidade de diferenciação nos 214 dos 216 tecidos humanos. Em que pese sua funcionalidade, necessária a etapa precedente de produção dos embriões, o que por certo determina um maior lapso temporal e maiores investimentos. Por sua vez, a obtenção através dos embriões descartados, que são aqueles inviáveis à constituição da vida humana, corresponde à economia de tempo e de dinheiro, eis que alcança diretamente das células embrionárias o material propício à multiplicação e diferenciação.

O objetivo do LANCE é exatamente através das células-tronco embrionárias, que são células primárias ou originárias, promover o desenvolvimento de tecidos/órgãos, para que estes se prestem à terapia de doenças, no sentido de regenerarem o tecido adoecido. Tudo isto aproveitando da capacidade destas células de se multiplicarem e de se diferenciarem, além do fato de estarem disponíveis, eis que descartáveis. A Dra. Alexandra Vieira pesquisadora do INCOR indica como vantagens dessa aplicação no caso de doenças do coração, a reposição do tecido isquêmico com células cardíacas saudáveis; osteoporose, repopular o osso com células novas e fortes; Parkinson, reposição das células cerebrais produtoras de dopamina; diabetes, infundir o pâncreas com novas células produtoras de insulina; cegueira, reposição das células da retina; medula espinhal, reposição das células neurais; esclerose, geração de novo tecido neural ao longo da medula; distrofia muscular, reposição do tecido muscular; e, osteoartritre, desenvolver nova cartilagem.

Esta empreitada que une entidades federais e a USP, como estadual, de modo imediato determina o know-how nacional em pesquisa de células-tronco, coloca o Brasil dentre os poucos no mundo com específica capacidade e dentre aqueles que permitem o aproveitamento dessas células para pesquisa e terapia, a formação de pessoal altamente especializado, o acesso não apenas do LANCE, mas de outros laboratórios, de modo gratuito, a estas células e a disseminação do conhecimento, propiciando, desta forma, o desenvolvimento e a acessibilidade de modo difuso. Indiretamente o LANCE coloca o Brasil diante de um "mundo novo", eis que inicialmente volta-se com maior destaque ao tratamento da doença de Parkinson, mas diante do natural desenvolvimento tem-se a possibilidade terapêutica para outras enfermidades. Traduzindo-se em meio pelo qual o Brasil promoverá o acesso à vida, à saúde e à dignidade. Por outro lado, promoverá também o desenvolvimento econômico, de modo sustentável, em um setor de alta tecnologia e extremamente valorizado pela biotecnologia. Para tal, necessário que o conhecimento produzido, em sendo permitido pela legislação e tratados específicos, seja protegido de modo exclusivo pelo LANCE e seus parceiros em pesquisa e desenvolvimento. Os direitos de propriedade intelectual devidamente protegidos afastam a usurpação do conhecimento gerado por terceiros de má-fé, principalmente no âmbito de um empreendimento que funciona como uma "rede" no fornecimento de células.

Representa também o LANCE uma forma de joint venture, eis que reúne entidades que complementam suas competências para a consecução de um fim comum, obtendo ganho de tempo, de pessoal especializado e de investimento. Nesta esteira de atuação, sugere-se que no médio prazo esta parceria alcance a iniciativa privada, para que de uma forma ainda mais célere e específica a sociedade acesse de modo menos oneroso o direito à saúde, por meio de novas técnicas e medicamentos.

__________________

*Consultora jurídica em Propriedade Intelectual e autora da obra Patentes Farmacêuticas e Acesso a Medicamentos

 

 

 

 

____________

Atualizado em: 14/12/2009 11:27

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Murillo de Aragão

Migalheiro desde 2018

Scilio Faver

Migalheiro desde 2020

Ricardo Trajano Valente

Migalheiro desde 2020

Gilberto Giusti

Migalheiro desde 2003

Henrique de Melo Pomini

Migalheiro desde 2020

Maria Berenice Dias

Migalheira desde 2002

Vanessa Mollo

Migalheira desde 2019

Justiliana Sousa

Migalheira desde 2020

Publicidade