quarta-feira, 27 de janeiro de 2021

MIGALHAS QUENTES

Publicidade

Ditadura

MPF recorre para abrir processo criminal contra Curió

Coronel é acusado de crimes de sequestro contra militantes da guerrilha do Araguaia durante a ditadura militar.

quarta-feira, 28 de março de 2012

O MPF encaminhou recurso, no último dia 26, à Justiça Federal persistindo no pedido de abertura de processo criminal contra o coronel Sebastião Curió. Ele é acusado por crimes de sequestro contra militantes feitos prisioneiros durante a repressão à guerrilha do Araguaia, na década de 70, no sul do Pará.

O recurso do MPF foi apresentado à JF de Marabá/PA e pode ser encaminhado ao TRF da 1ª região, caso a primeira instância não reconsidere a decisão do juiz João Otoni de Matos, que negou seguimento ao processo no último dia 16, dois dias após a apresentação da denúncia.

No recurso, os procuradores da República reafirmam a compreensão de que o processo contra Curió não contradiz a lei de anistia e o julgamento sobre o tema no STF.

Além disso, os procuradores ressaltam que a denúncia trata de crimes contra a humanidade, reafirmam os argumentos da inicial e apontam diversas lacunas na decisão judicial, que deixou de considerar documentos constantes dos autos e não se pronunciou a contento, por exemplo, sobre a sentença da Corte Interamericana de Direitos Humanos, que condenou o Brasil a apurar os crimes do Araguaia.

Para o MPF, a JF cometeu equívoco ao não analisar documento da AGU que indica a possibilidade de alguns guerrilheiros estarem vivos.

Outra questão contestada pelo MPF é a presunção de morte dos guerrilheiros a partir da lei 9.140/95, que declarou como mortos os desaparecidos durante o regime militar, para fins civis. Os procuradores sustentam que essa lei não tem abrangência penal. No entendimento do MPF, a Justiça não pode presumir a morte dos guerrilheiros desaparecidos, porque não há provas nesse sentido.

Veja a íntegra do recurso.

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 28/3/2012 08:33

LEIA MAIS