segunda-feira, 30 de novembro de 2020

MIGALHAS QUENTES

Publicidade

AP 470

JB nega acesso a votos e ampliação de prazo para embargos no mensalão

Defesa de José Dirceu pretendia que os votos escritos fossem divulgados antes da publicação do acórdão. Já a defesa de Ramon Hollerbach queria a concessão de pelo menos 30 dias para apresentação dos recursos.

terça-feira, 26 de março de 2013

O ministro Joaquim Barbosa, presidente do STF, indeferiu pedidos apresentados pelas defesas de dois réus na AP 470, que levariam à ampliação de prazo para a apresentação de embargos de declaração pelos condenados. A defesa do ex-ministro da Casa Civil José Dirceu pretendia que os votos escritos dos ministros do STF fossem divulgados antes da publicação do acórdão. Já a defesa do empresário Ramon Hollerbach queria a concessão de pelo menos 30 dias de prazo para interpor embargos.

No pedido, apresentado em forma de petição avulsa na AP 470, a defesa de José Dirceu argumentou sobre a necessidade da divulgação prévia dos votos diante da "complexidade da presente ação penal e da "exiguidade do prazo" para a oposição de embargos de declaração. Ao indeferir o pedido, o presidente do STF observou que "os votos proferidos quando do julgamento da AP 470 foram amplamente divulgados e, inclusive, transmitidos pela TV Justiça". Além disso, prosseguiu o ministro Joaquim Barbosa, "todos os interessados no conteúdo das sessões públicas de julgamento, em especial os réus e seus advogados, puderam assisti-las pessoalmente no Plenário desta Corte".

Ao apresentar as razões pelas quais negou o acesso prévio aos votos, JB ressaltou que "não foram disponibilizados todos os votos proferidos pelos ministros que participaram do julgamento".

Na outra decisão, o presidente do STF rejeitou o pedido do empresário Ramon Hollerbach Cardoso de "concessão de prazo de pelo menos 30 dias para a oposição de embargos de declaração". A defesa do empresário e ex-sócio do publicitário Marcos Valério apresentou o pedido "tendo em vista a excepcionalidade do feito e a exiguidade do prazo legalmente previsto para esse recurso".

Ao analisar o pedido, o ministro Joaquim Barbosa reiterou que o julgamento da ação penal foi realizado em sessões públicas, com a participação dos interessados e transmissão ao vivo pela TV Justiça. "Disso decorre a inegável conclusão de que, embora o acórdão ainda não tenha sido publicado, o seu conteúdo já é do conhecimento de todos", salientou. "Noutras palavras, as partes que eventualmente pretendam opor embargos de declaração já poderiam tê-los preparado (ou iniciado a sua preparação) desde o final do ano passado, quando o julgamento se encerrou", concluiu o ministro Joaquim Barbosa, para indeferir o pedido de aumento de prazo.

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 26/3/2013 15:17