domingo, 29 de novembro de 2020

MIGALHAS QUENTES

Publicidade

Futebol

STJD julga Portuguesa por escalar jogador irregular no Brasileirão

De acordo com defesa da Lusa, um resultado consumado no campo só pode ser desprezado em situações contra a lisura do placar.

segunda-feira, 16 de dezembro de 2013

O STJD inicia nesta segunda-feira, 16, às 17h, sessão de julgamento em que a Portuguesa responderá por escalar jogador irregularmente em partida válida pela última rodada do Campeonato Brasileiro. De acordo com a defesa da Lusa, capitaneada pelos advogados Felipe Legrazie Ezabella (Goffi Scartezzini Advogados Associados) e João Zanforlin Schablatura, a escalação do atleta não teve influência no resultado da partida, muito menos no do campeonato.

O caso refere-se a partida realizada em 8/12, na última rodada do torneio, entre Portuguesa e Grêmio, quando o meia-atacante Heverton, reserva do time paulista, entrou em campo aos 32 minutos do segundo tempo. O atleta em questão havia sido expulso em jogo contra o Bahia e cumpriu suspensão automática diante da Ponte Preta, na rodada seguinte. Após ser punido por duas partidas pela 4ª comissão disciplinar do STJD na sexta-feira anterior ao jogo contra o Grêmio, o jogador deveria cumprir mais uma suspensão. A Portuguesa, no entanto, não teria sido notificada a tempo para o cumprimento da punição e o jogador entrou em campo no empate por 0 a 0.

Em memorial que faz referência à crônica "Tapetão não é preciso", do jornalista Xico Sá, os advogados da Lusa defendem o que chamam de "pontos de honra" e expõem a análise dos princípios da moralidade, proporcionalidade, razoabilidade, in dubio pro reo, insignificância jurídica, pro competitione e fair play em oposição à legalidade. De acordo com a defesa, o time paulista já estava livre da queda e o Grêmio já classificado para a Libertadores.

Dentre outros aspectos, os causídicos defendem que violar um princípio é muito mais grave que transgredir uma norma jurídica. Conforme afirmam, as normas são importantes, mas não é possível aplicar todas as regras a todos o tempo todo. "Em qualquer caso, futebolístico ou jurídico, para chegar a uma solução que a maioria das pessoas classificaria como justa é preciso fazer referência a um conjunto de regras não escritas que chamamos de bom senso. Sem ele nenhum sistema para em pé", afirmam.

Segundo os advogados, além da impossibilidade de obter qualquer vantagem esportiva com a escalação do jogador, a atuação do atleta foi irrelevante desportivamente. Conforme alegam, o Código Disciplinar da Fifa dispõe que, antes da aplicação da pena, deve ser levado em consideração todos os fatores relevantes no caso e o grau de culpa do ofensor o que significaria a absolvição da Portuguesa ou, no máximo, a perda de 1 ponto.

Os causídicos citam ainda questão processual relevante no que diz respeito aos prazos para validade dos efeitos da decisão. Citando o art. 133 do CBJD, que determina que os efeitos produzir-se-ão a partir do dia seguinte à proclamação, Ezabella e Schablatura defendem que o dia seguinte não pode ser sábado, onde não há expediente. Citando artigos do próprio Código, que é portaria, e do Estatuto do Torcedor (lei Federal 10.671/03), os representantes lembram que a súmula 310 do STF determina que quando a intimação tiver lugar na sexta-feira, o prazo terá início na segunda-feira seguinte.

"Se a questão processual for superada, no mérito, absolver a Portuguesa não é dizer que ela estava certa ao escalar o jogador, mas que a análise do caso concreto, com todas as suas especificidades, em cotejo com os princípios jurídicos e esportivos, faz com que o erro não mereça tamanha, ou qualquer, punição. Um resultado consumado no campo só pode ser desprezado em situações contra a lisura do placar. Não é o caso em questão", finalizam.

Veja a íntegra do memorial.

  • Processo: 153/13

__________________

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 16/12/2013 10:09