sexta-feira, 4 de dezembro de 2020

MIGALHAS QUENTES

Publicidade

JT

Distribuidores da Herbalife que dividiam espaço comercial não têm vínculo empregatício

TRT da 9ª região concluiu que não havia na relação requisitos como subordinação e onerosidade.

terça-feira, 17 de fevereiro de 2015

A 7ª turma do TRT da 9ª região negou o reconhecimento de vínculo empregatício entre um vendedor autônomo de produtos da empresa Herbalife com um distribuidor, com quem dividia o espaço comercial. O colegiado concluiu que não havia na relação requisitos como subordinação e onerosidade, mantendo o entendimento de 1º grau.

O vendedor ajuizou a ação alegando que ajudou no atendimento aos clientes e na limpeza do espaço comercial do colega por cerca de três meses. Ele pediu registro em carteira e o pagamento das verbas rescisórias decorrentes da suposta relação de emprego.

O proprietário admitiu a presença do colega no estabelecimento de novembro de 2013 a fevereiro de 2014, mas negou a contratação. Ele argumentou que distribuidores de produtos Herbalife não estão autorizados a contratar empregados, mas que podem aceitar a participação de novos distribuidores em atividades de sua unidade, como forma de prepará-los para o início de seus próprios negócios.

Trabalhador autônomo

Documentos juntados nos autos comprovaram o registro do colaborador como distribuidor da Herbalife. Segundo o relator, desembargador do Trabalho Ubirajara Carlos Mendes, uma testemunha declarou ainda que não existe subordinação no relacionamento entre distribuidores e garantiu que o autor da ação prestava serviços como forma de treinamento, podendo inclusive vender seus próprios produtos no local.

"A subordinação jurídica que, frise-se, é o elemento diferenciador central entre as figuras do trabalhador autônomo e do trabalhador com vínculo empregatício, não ficou cabalmente comprovada na hipótese. Não existem sequer indícios de que o réu desse ordens para o reclamante."

O magistrado ainda observou a ausência do requisito onerosidade, já que a remuneração que o colaborador alegou ter recebido do dono do espaço consistia em lucro obtido com a revenda de seus produtos.

  • Processo: 0000480-11.2014.5.09.0325

Confira a decisão.

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 13/2/2015 11:20