quarta-feira, 24 de fevereiro de 2021

MIGALHAS QUENTES

Publicidade

PF

Operação Zelotes investiga desvios estimados em R$ 19 bi em processos no CARF

PF cumpre 41 mandados de busca e apreensão, incluindo em escritórios de advocacia.

quinta-feira, 26 de março de 2015

A PF deflagrou na manhã desta quinta-feira, 26, a Operação Zelotes para desarticular organizações criminosas que atuavam junto ao CARF manipulando o trâmite de processos e o resultado de julgamentos, resultando em bilhões de reais economizados pelas empresas autuadas em detrimento do erário da União.

Além da PF, participam dos trabalhos o MPF, a Corregedoria do Ministério da Fazenda e a RF. Ao todo, 180 policiais Federais e 55 fiscais da RF estão cumprindo 41 mandados de busca e apreensão em SP, CE e no DF.

As investigações, iniciadas em 2013, apontaram que a organização atuava no interior do órgão patrocinando interesses privados, buscando influenciar e corromper conselheiros com o objetivo de conseguir a anulação ou diminuir os valores dos autos de infrações da RF.

Apurou-se que servidores repassavam informações privilegiadas obtidas dentro do Conselho para escritórios de assessoria, consultoria ou advocacia em Brasília, São Paulo e outras localidades, para que estes realizassem captação de clientes e intermediassem a contratação de "facilidades" dentro do CARF.

Em diversas ocasiões, foram constatados tráfico de influência no convencimento de empresas devedoras ao fisco. Eram oferecidos manipulação do andamento de processo, "pedidos de vista", exame de admissibilidade de recursos e ainda decisões favoráveis no resultado de julgamentos de recursos a autos de infrações tributárias, por meio da corrupção de conselheiros.

O grupo se utilizava de empresas interpostas para dissimular suas ações e o fluxo do dinheiro, que era lavado, retornava como patrimônio aparentemente lícito para estas empresas. Até o momento, as investigações se estendem sob julgamentos suspeitos da ordem de R$ 19 bi, sendo que já foram, efetivamente, identificados prejuízos de quase R$ 6 bi.

Os investigados responderão pelos crimes de Advocacia Administrativa Fazendária, Tráfico de Influência, Corrupção Passiva, Corrupção Ativa, Associação Criminosa, Organização Criminosa e Lavagem de Dinheiro.

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 26/3/2015 09:56