sábado, 16 de janeiro de 2021

MIGALHAS QUENTES

Publicidade

Exclusividade

Grendene não consegue indenização por suposta falsificação de sandália Melissa

O desenho industrial do calçado não detinha mais proteção.

quinta-feira, 18 de fevereiro de 2016

A empresa de calçados Grendene teve negado pedido de indenização por suposta falsificação de sandália da marca Melissa. A 3ª turma do STJ negou provimento a recurso da empresa, mantendo decisão de primeira e segunda instância.

A Grendene alegava violação de direitos de exclusividade de desenho industrial. Segundo a empresa, estabelecimentos comerciais de São Paulo vendiam, sem sua autorização, modelo idêntico a um dos calçados produzidos por ela, a sandália "Melissa Furadinha", assinalada com a marca Sandy.

De acordo com a Grendene, o desenho do calçado é registrado no Inpi, que garantia o direito de comercialização exclusiva. Sustentava ainda que o comércio dos produtos falsificados com preços menores do que os da sandália original configuraria concorrência desleal. Por isso, pedia a suspensão da comercialização das sandálias, além de indenização por danos morais.

O pedido, porém, foi negado em primeira e segunda instância. O TJ/SP considerou que o desenho de calçado já era de domínio público desde a anulação do registro da sandália no Inpi, em 2003. Também registrou que, para análise e julgamento do caso, não era necessário estudo técnico especial.

Relator do caso no STJ, o ministro Villas Bôas Cueva esclareceu que os privilégios de uso exclusivo concedidos pela lei de propriedade industrial (9.279/96) são temporários e podem até mesmo ser anulados por via administrativa ou judicial.

Assim, o ministro observou que, como o registro de desenho industrial foi anulado em 2003, "o modelo da sandália conhecida como Melissa Furadinha não mais detinha a proteção/privilégio estabelecido pela lei da propriedade industrial, após a anulação de seu registro de desenho industrial", tornando-se de domínio público.

Então concluiu que não caberia à empresa impedir que outros fabricantes produzissem modelos semelhantes àqueles comercializados pela Grendene.

Fonte: STJ

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 18/2/2016 17:06