terça-feira, 24 de novembro de 2020

MIGALHAS QUENTES

Publicidade

Justiça do Trabalho

Advogada não consegue reconhecimento de vínculo com escritório

Depoimento da própria advogada, de acordo com TRT, não denotou a existência de subordinação, mas de coordenação de trabalhos.

quinta-feira, 24 de março de 2016

A 1ª câmara do TRT da 15ª região negou recurso no qual uma advogada pretendia a reforma de decisão que não reconheceu vínculo empregatício com escritório e duas instituições financeiras. De acordo com o relator, desembargador Ricardo Antonio de Plato, o depoimento da própria advogada não denota a existência de subordinação, mas de coordenação dos trabalhos, "o que difere da subordinação para fins de reconhecimento de vínculo empregatício".

Em seu voto, o magistrado ainda observa que testemunha patronal confirmou a autonomia da recorrente na prestação de serviços, "não tendo horários definidos, nem obrigação de prestar contas e tampouco seu labor era revisado por superior hierárquico".

A recorrente pretendia ter o reconhecimento do vínculo de emprego e a condenação das instituições financeiras como responsáveis solidário e a condenação do escritório a anotar a CTPS, pagar diferenças salariais, horas extras, aviso prévio, dentre outros. Os pedidos foram julgados improcedentes pelo juízo de 1ª instância.

De acordo com os autos, a advogada e o escritório firmaram contrato de associação que previa que ela prestaria serviços de advocacia sem subordinação. O juízo de 1º grau entendeu que a autora não produziu qualquer prova apta a infirmar as provas documentais e orais produzidas pelo escritório. "Não há que se falar em reconhecimento do vínculo e condenação do Réu ao cumprimento das obrigações dele decorrentes e ao pagamento de compensação por uso de veículo do próprio trabalhador." O entendimento foi mantido pelo TRT.

  • Processo: 0002307-73-2013-5-15-0083

Confira a íntegra da sentença e do acórdão.

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 23/3/2016 17:48