domingo, 28 de fevereiro de 2021

MIGALHAS QUENTES

Publicidade

Votação

Senado abre processo de impeachment contra Dilma

Dilma se afasta do cargo por prazo máximo de 180 dias. Michel Temer pode assumir ainda hoje a presidência.

quinta-feira, 12 de maio de 2016

Por 55 votos a 22, o Senado decidiu, na manhã desta quinta-feira, 12, abrir processo de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff, por entender que há indícios suficientes de que ela cometeu crime de responsabilidade, infringindo a CF e a lei 1.079/50.

Dilma se afasta do cargo por prazo máximo de 180 dias, período em que os senadores concluirão esse processo e decidirão se efetivamente ela cometeu crime de responsabilidade. Ela manterá direitos, como residência no Palácio da Alvorada, salário integral e uma equipe de funcionários para auxiliá-la.

Ainda na manhã de hoje, primeiro secretário do Senado, senador Vicentinho Alves, levará ao Palácio do Planalto a notificação da decisão do Senado. Levará também uma notificação comunicando ao vice-presidente Michel Temer que ele é o governante em exercício. Temer deve assumir ainda hoje a presidência da República.

Votação

A sessão deliberativa extraordinária teve duração de 20 horas e 34 minutos. Abrindo os trabalhos às 10h de ontem, o presidente do Senado, Renan Calheiros, pediu "serenidade e espírito público" do plenário, lembrando que aquele era um momento histórico, que devia estar acima de paixões partidárias.

Da tribuna, o advogado-Geral da União, José Eduardo Cardozo, em defesa de Dilma, alegou que a acusação lançada contra a chefe do Executivo não se ampara em fatos reais consistentes com crime de responsabilidade.

Ele sustentou que foi a queda de receita que sinalizou que a meta fiscal não poderia ser atendida pelo governo. E terminou sublinhando que, se fosse consumado o processo de impeachment, "haverá um golpe que manchará a nossa historia".

Encerrada a votação, Renan convocou reunião da Mesa Diretora da Casa para as 16h desta quinta-feira, à qual comparecerá o presidente do STF, Ricardo Lewandowski, para conduzir o processo que se inicia.

Pedido

O
pedido em análise foi formulado no fim do ano passado por Hélio Bicudo e Miguel Reale Jr. e Janaina Pascoal. Em dezembro, o pedido foi admitido e colocado em tramitação pelo presidente da Casa, Eduardo Cunha.

Os juristas discorrem sobre supostos crimes de responsabilidade perpetrados pela chefe do Executivo e também a respeito de ações consideradas improbidade administrativa. Foi incluída ainda, posteriormente, a questão das pedaladas fiscais em 2014, a continuidade da prática em 2015 e o relatório do TCU pela rejeição das contas do governo relativas ao exercício de 2014.

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 12/5/2016 07:08

LEIA MAIS