domingo, 29 de novembro de 2020

MIGALHAS QUENTES

Publicidade

Concurso público

Experimentar maconha na adolescência não justifica exclusão de candidato em concurso

Fato ocorrido há mais de dez anos não tem relevância penal, administrativa ou civil.

sexta-feira, 26 de maio de 2017

A 1ª câmara Cível do TJ/DF determinou que o Secretário de Estado de Políticas para Crianças, Adolescentes e Juventude do DF faça a reinserção de candidato em concurso para o cargo de especialista socioeducativo, do qual foi excluído na fase de análise de via pregressa, por ter declarado espontaneamente que já teria experimentado maconha em sua adolescência.

O secretário sustentou no MS impetrado pelo autor que a eliminação do candidato teria ocorrido por ato da banca organizadora do certame, e que o edital não foi devidamente impugnado pelo candidato no momento cabível. Por fim, sustentou a legalidade da exigência de idoneidade moral incontestável e atuação íntegra, especialmente em razão do cargo disputado, que trabalha diretamente com adolescentes em conflito com a lei.

A relatora, desembargadora Leila Arlanch, considerou que o fato narrado pelo candidato não tinha relevância a justificar sua exclusão.

"Não é razoável a eliminação do candidato em razão de fato pretérito, cujo tempo decorrido (mais de 10 anos) exclui qualquer relevância apta a considerar o candidato não recomendado em investigação social para concurso público."

De acordo com o voto da desembargadora, "o candidato logrou demonstrar a inexistência de inquéritos policiais ou ações judiciais, bem como que já lecionou música em conceituadas instituições de ensino desta capital as quais atestam a sua idoneidade". A decisão do colegiado foi unânime em conceder a segurança requerida.

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 26/5/2017 08:32