domingo, 25 de outubro de 2020

MIGALHAS QUENTES

Publicidade

TJ/PR: Banco é condenado a pagar indenização à digitadora que adquiriu doença profissional

terça-feira, 8 de agosto de 2006

 

LER

 

TJ/PR: Banco é condenado a pagar indenização à digitadora que adquiriu doença profissional

 

A TJ/PR condenou o Banco do Estado de São Paulo (Banespa) ao pagamento de indenização por dano moral no valor de R$ 450 mil a uma ex-funcionária que, em 15 anos de trabalho, adquiriu doença profissional (Lesão por Esforço Repetitivo - LER). A condenação foi mantida após a Quinta Turma do TST não conhecer (rejeitar) o recurso de revista em que o banco questionava o valor da condenação.

 

O relator do recurso, juiz convocado José Pedro de Camargo, considerou que o recurso não poderia ser admitido porque o Banespa não fundamentou corretamente seu pedido. O banco questionou o valor excessivo da condenação, mas, como registrou o relator em seu voto, "não indicou qual preceito constitucional ou legal teria sido afrontado naquela fixação".

 

A jurisprudência do TST (Súmula 221) determina que a admissibilidade do recurso de revista por violação "tem como pressuposto a indicação expressa do dispositivo de lei ou da Constituição tido como violado". No caso, o Banespa alegou apenas que a decisão ia contra o "princípio constitucional da razoabilidade".

 

Outro pressuposto para a admissão de recurso - a divergência jurisprudencial, ou seja, a existência de decisões divergentes, em matéria semelhante, por outros TRTs, de acordo com o artigo 896 da CLT - também não foi observado. O banco apresentou como exemplos de decisões divergentes, acórdãos de Tribunais não trabalhistas.

 

A condenação foi decidida em reclamação trabalhista ajuizada na Vara do Trabalho de Londrina. A ex-digitadora trabalhou no Banespa entre 1985 e 2000 e, durante esse período, foi submetida a jornadas de trabalho excessivas sem os intervalos para descanso previstos em lei. Afastada por licença médica em dois períodos - um deles superior a um ano e meio -, a empregada afirmou no processo que, desde 1991, já vinha constatando problemas de LER. Em abril de 2000, quando seu quadro clínico tornou-se crítico, sem condições para exercer sua função e diante da confirmação do diagnóstico da LER, aderiu ao Plano de Incentivo à Aposentadoria.

 

As condições de saúde da digitadora - impedida de praticar atividades que exijam mobilidade das mãos e punhos - foram confirmadas por depoimentos de testemunhas (inclusive do médico que a acompanhou ao longo de todo o processo) e pelo laudo médico pericial. O perito confirmou também a ausência de condições adequadas de trabalho, que possibilitaram o surgimento e o agravamento da doença profissional.

 

A sentença da Vara do Trabalho registrou que "as condições de trabalho da reclamante variavam de ruins a péssimas; as jornadas de trabalho eram excessivas, sem gozo dos intervalos que devem necessariamente ser concedidos ao digitador, para permitir o alongamento e descanso dos tendões", e concluiu que "existe a prova do dano moral". O TRT/PR manteve a decisão, excluindo apenas a parte relativa a danos materiais.

 

No primeiro julgamento do recurso de revista, em março de 2005, a Quinta Turma havia reconhecido a incompetência da Justiça do Trabalho para julgar ações de danos morais decorrentes de acidente de trabalho e doença profissional. A digitadora interpôs embargos à Seção Especializada em Dissídios Individuais (SDI-1) que, com base em decisões do STF, reconheceu a competência da Justiça do Trabalho e determinou que o processo retornasse à Turma para que fosse julgado. (RR 4078/2000-018-09-40.5)

______________

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 8/8/2006 10:01