quarta-feira, 24 de fevereiro de 2021

MIGALHAS QUENTES

Publicidade

Má-fé

Autora que não comprovou ilegalidade de negativação é condenada por má-fé

Decisão é da 27ª câmara de Direito Privado do TJ/SP.

quarta-feira, 27 de fevereiro de 2019

Autora que alegou negativação indevida e não comprovou ilegalidade da cobrança é condenada por litigância de má-fé. Decisão é da 27ª câmara de Direito Privado do TJ/SP, que manteve decisão de 1º grau.

A mulher ingressou na Justiça contra a Telefônica Brasil S/A (Vivo) requerendo concessão de tutela antecipada para que seu nome fosse retirado de cadastro de inadimplentes. Ela alegou que a negativação era indevida e que desconhecia o débito com a operadora. Assim, requereu indenização por danos morais.

t

O juízo de 1º grau julgou improcedentes os pedidos ao considerar que houve contratação do serviço por parte da autora. Assim, condenou-a ao pagamento de multa por litigância de má-fé.

Ao analisar o caso, a relatora na 27ª câmara de Direito Privado, desembargadora Ana Catarina Strauch, ponderou que, conforme a sentença, a autora fez alegações genéricas e não comprovou o cancelamento da linha telefônica.

Segundo a magistrada, restou claro que a autora alterou a verdade dos fatos, e é evidente que a demandante "quis fazer uso do manto protetivo consumerista para transferir à empresa ré a incumbência de provar a existência/inexistência do negócio jurídico, ou mesmo o equívoco na cobrança do débito, sem ao menos dar embasamento às alegações veiculadas em juízo".

Ao considerar o fato inconcebível "diante da seriedade que permeia a relação processual entre as partes mesmas e entre elas e o Poder Judiciário", a relatora votou por negar provimento ao recurso.

O voto foi seguido à unanimidade pelo colegiado, que condenou a autora por má-fé.

  • Processo: 1003866-82.2018.8.26.0223

Veja a íntegra do acórdão.

_______

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 27/2/2019 09:26

LEIA MAIS