quarta-feira, 25 de novembro de 2020

MIGALHAS QUENTES

Publicidade

Golpe militar

Ação popular busca barrar comemoração do golpe de 64 determinada por Bolsonaro

Presidente determinou que unidades militares realizem "comemorações devidas" em 31 de março.

terça-feira, 26 de março de 2019

Após o presidente Jair Bolsonaro determinar que quartéis realizem "comemorações devidas" do golpe de 64, o advogado Carlos Alexandre Klomfahs ingressou com ação popular nesta terça-feira, 26, para requerer que a presidência da República se abstenha de comemorar o dia 31 de março de 1964.

t

Na ação, o advogado afirma que, com as comemorações, "o leitmotiv do Governo Federal não é o interesse público e sim o 'jogo da classe dominante'".

"Muda-se o governo prossegue o drama. Há reiterado problema incontornável quanto à violação à moralidade administrativa. Isso porque o grau de desenvolvimento de um país se mede pela expansão e efetividade dos direitos fundamentais."

Comemoração

Na última segunda-feira, 25, o porta-voz da presidência, general Otávio Rêgo Barros, afirmou que o presidente determinou ao Ministério da Defesa que sejam feitas comemorações em referência à "data histórica", quando um golpe militar derrubou o governo João Goulart e iniciou um regime ditatorial que durou 21 anos. No período, não houve eleição direta para presidente. O Congresso Nacional chegou a ser fechado, mandatos foram cassados e houve censura à imprensa.

"O presidente não considera 31 de março de 1964 um golpe militar", disse o porta-voz. Segundo Rêgo Barros, na avaliação de Bolsonaro, sociedade civil e militares, "percebendo o perigo" que o país vivenciava naquele momento, se uniram para "recuperar e recolocar o nosso país no rumo". "Salvo melhor juízo, se isso não tivesse ocorrido, hoje nós estaríamos tendo algum tipo de governo aqui que não seria bom para ninguém", disse o porta-voz.

A efeméride voltará ao calendário de comemorações das Forças Armadas após oito anos. Em 2011, a então presidente Dilma Rousseff, ex-militante torturada no regime ditatorial, orientou os comandantes da Aeronáutica, do Exército e da Marinha a suspenderem qualquer atividade que lembrasse a data nas unidades militares.

Outras ações

Outra ação popular foi posteriormente proposta pelo senador Randolfe Rodrigues, pela deputada Joênia Wapichana e pelo porta-voz da Rede Sustentabilidade Pedro Ivo Batista, a fim de coibir os atos de comemoração ao golpe de 64. 

Os parlamentarem alegam "completo descompasso com os preceitos republicanos estabelecidos na CF/88, e por haver clara violação ao patrimônio público econômico e moral".

No mesmo sentido, a DPU ingressou com ACP, alegando que a ditadura militar violou diversos direitos e garantias fundamentais dos brasileiros e que o regime promoveu assassinatos, torturas, prisões arbitrárias e cassações de políticos, funcionários públicos e dirigentes sindicais.

Todas as ações requerem, liminarmente, que as Forças Armadas se abstenham de comemorar a data que marcou o início da ditadura militar no Brasil. 

Gravidade constitucional

Em nota pública divulgada nesta terça-feira, 26, a PGR pontuou ser "incompatível com o Estado Democrático de Direito festejar um golpe de Estado e um regime que adotou políticas de violações sistemáticas aos direitos humanos e cometeu crimes internacionais." 

"Embora o verbo comemorar tenha como um significado possível o fato de se trazer à memória a lembrança de um acontecimento, inclusive para criticá-lo, manifestações anteriores do atual presidente da República indicam que o sentido da comemoração pretendida refere-se à ideia de festejar a derrubada do governo de João Goulart em 1º de abril de 1964 e a instauração de uma ditadura militar. Em se confirmando essa interpretação, o ato se reveste de enorme gravidade constitucional, pois representa a defesa do desrespeito ao Estado Democrático de Direito."

O presidente do Conselho Federal da OAB, Felipe Santa Cruz, disse, em nota, que comemorar a instalação da ditadura é "dirigir olhando para o retrovisor, mirando uma estrada tenebrosa". "A quem pode interessar celebrar um regime que mutilou pessoas?"

Em um cenário de crise econômica, com quase 13 milhões de desempregados, é preciso olhar para a frente e tratar do que importa: o futuro do povo brasileiro. Comemorar a instalação de uma ditadura que fechou instituições democráticas e censurou a imprensa é querer dirigir olhando para o retrovisor, mirando uma estrada tenebrosa. Não podemos dividir ainda mais uma nação já fraturada: a quem pode interessar celebrar um regime que mutilou pessoas, desapareceu com seus inimigos, separou famílias, torturou tantos brasileiros e brasileiras, inclusive mulheres grávidas? Não podemos permitir que os ódios do passado envenenem o presente, destruindo o futuro.

Felipe Santa Cruz

 

Presidente nacional da OAB

A Anadef - Associação dos Defensores Públicos Federais manifestou repúdio à medida anunciada pelo porta-voz do governo sobre a recomendação de Bolsonaro. "A decisão do Governo é um estimulo grave ao ódio e à tortura." Veja a íntegra:

Nota Pública

A Associação dos Defensores Públicos Federais (Anadef) manifesta repúdio à medida anunciada pelo porta-voz do Palácio do Planalto, que confirmou a recomendação do presidente Jair Bolsonaro para atos em comemoração ao Golpe Militar, no próximo dia 31 de março.

Para os defensores públicos federais, que atuam na garantia dos direitos humanos, a decisão do Governo é um estimulo grave ao ódio e à tortura. Celebrar a data é ignorar a dor de dezenas de brasileiros, é retroceder aos direitos conquistados sob a morte daqueles que lutaram por um País livre, entre eles índios, sindicalistas e líderes rurais e religiosos, desaparecidos e assassinados durante o triste período da ditadura militar. 

Temos apreço e respeito às Forças Armadas que têm como seu papel institucional garantir e preservar os poderes constitucionais. No entanto, sob a pretensão de exaltar o Exército Brasileiro, a comemoração do golpe de 64 celebra um momento em que o papel das Forças Armadas foi deturpado e corrompido. O golpe de 64 representou uma violação profunda do Estado Democrático de Direito, inaugurando um período em que a tortura, a violência e a perseguição política foram institucionalizados no Brasil.

Em nome daqueles que sofreram e ainda sofrem a dor dos dias marcados pela ditadura militar, rechaçamos qualquer manifestação no sentido de reconhecer a data além do que ela estritamente representa: um dos períodos de maior sofrimento na história do País.

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 26/3/2019 14:02