sexta-feira, 15 de janeiro de 2021

MIGALHAS QUENTES

Publicidade

Rodovia Federal

STF inicia julgamento sobre cobrança de pedágio em BR que corta município

Os munícipes solicitaram que os veículos emplacados da cidade fossem liberados de pagar o pedágio, já que não há via alternativa.

quinta-feira, 11 de abril de 2019

Nesta quinta-feira, 11, os ministros do STF deram início ao julgamento do RE 645.181, com repercussão geral reconhecida, sobre legalidade de cobrança de pedágio em rodovia Federal que corta bairros de município. Até o momento, o relator, ministro Alexandre de Moraes, votou por negar provimento ao recurso, permitindo a cobrança. Julgamento foi suspenso em razão do pedido de vista do ministro Luís Roberto Barroso.

t

O caso

Os habitantes de Palhoça/SC ingressaram com uma ação popular pedindo que os veículos emplacados da cidade fossem liberados de pagar o pedágio de rodovia Federal que corta bairros do município, já que não há pista alternativa para trafegar.

O pedido foi negado em 1ª e 2ª instâncias. Para o TRF da 4ª região, a cobrança de pedágio não está condicionada à existência ou não de via alternativa.

O MPF recorreu dessa decisão ao Supremo alegando que a cobrança viola diversos dispositivos constitucionais, já que impõe empecilhos ao direito dos residentes em Palhoça de terem livre acesso, em sua própria cidade, ao trabalho e a serviços públicos, comércio e familiares sem que tenham que pagar tarifas.

Os representantes do município afirmaram que o contribuinte que reside em Palhoça não pode ser cobrado porque o tráfego intramunicipal não se encaixa na possibilidade de cobrança de imposto interestaduais e intermunicipais, prevista no art. 150 da Constituição.

Relator

O ministro Alexandre de Moraes negou provimento ao recurso. Em seu voto, o ministro relembrou o julgamento recente da ADIn 4.382 em que, por unanimidade, foi declarada a inconstitucionalidade da lei estadual 14.824/09, de Santa Catarina, que isentou do pagamento de taxa de pedágio todos os veículos emplacados nos municípios onde estão instaladas as praças de cobrança das rodovias federais BR-101 e BR-116, mesma rodovia da ação em questão.

Assim, o ministro entendeu que se não é possível a isenção, como já definido, o restante dos pedidos, inclusive aquele relativo à isenção temporária até a construção da via alternativa também ficaria prejudicada.

Assim, propôs a seguinte tese:

"A cobrança de pedágio em trecho de rodovia situado em área urbana é compatível com a Constituição inclusive quanto a aqueles domiciliados no município em que localizada a praça de cobrança e independe da disponibilização aos usuários de via alternativa gratuita"

Pedido de vista

O ministro Luís Roberto Barroso pediu vista por afirmar ter dúvidas sobre a questão, já que, para ele, o pedágio dentro do município pode ser um ônus excessivo para o trabalhador.

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 11/4/2019 17:07