quinta-feira, 28 de janeiro de 2021

MIGALHAS QUENTES

Publicidade

STJ

Mantida decisão que proibiu Fundação Casa de manter adolescentes em cadeia pública

2ª turma do STJ negou recurso da instituição contra decisão do TJ/SP.

quinta-feira, 9 de maio de 2019

A 2ª turma do STJ manteve nesta quinta-feira, 9, decisão que obrigou a Fundação Casa e o Estado de SP a parar de encaminhar ou manter, cautelar ou definitivamente, adolescentes apreendidos por ato infracional em número superior à capacidade máxima das celas da cadeia pública, bem como a retirarem de lá o número excedente.  

O colegiado negou recurso interposto pela Fundação contra a decisão do TJ/SP, que também a obrigou a não permitir o ingresso de qualquer adolescente apreendido na Cadeia Pública de Guarujá.  

t

O caso teve origem em ação civil pública ajuizada pelo MP/SP em face do Estado e da Fundação. O TJ bandeirante manteve a sentença que julgou procedente o pedido do parquet para condenar as rés nas obrigações de não-fazer e fazer, sob pena de multa diária de R$ 50 mil. 

A instituição, então, interpôs recuso ao STJ, sustentando que a decisão ofenderia diversos dispositivos do ECA

Alegou que acórdão contraria o artigo 175, § 1º e 2º do Estatuto pois impede que o adolescente infrator aguarde pelo prazo de 24 horas a sua apresentação ao MP, nas dependências da Cadeia Pública do Guarujá, compelindo a Fundação a custodiar o adolescente infrator sem uma ordem judicial de internação.   

Para a instituição, a condenação violou também o ECA, pois impossibilita o exercício de um mecanismo de contenção, consistente em permitir que o adolescente aguarde a sua remoção na repartição policial, por um curto período de tempo (máximo 5 dias) até o seu ingresso na unidade de atendimento.

Argumentou ainda que para exigir o cumprimento das obrigações da Fundação, conforme os ditames do Estatuto da Criança e do Adolescente, deve o Poder Judiciário local decretar a ordem de internação, sem a qual a recorrente não tem a obrigação legal perante o adolescente", devendo a remoção do adolescente obedecer as disposições complementares do Provimento 892/04, da Corregedoria Geral de Justiça.

Relatora, a ministra Assusete Magalhães negou provimento ao REsp em decisão monocrática. Ela destacou que o TJ/SP não se manifestou acerca da alegada ofensa ao ECA e, por essa razão, à falta do indispensável prequestionamento, o recurso não pode ser conhecido, incidindo a súmula 282 do STF. 

"Com efeito, por simples leitura do recurso interposto, verifica-se que, não obstante apontar violação a dispositivo infraconstitucional, a tese recursal está embasada em análise de violação à matéria constitucional, cuja apreciação é reservada ao STF."

A fundação interpôs agravo interno contra essa decisão, julgado e negado, por unanimidade, pela 2ª turma nessa quinta-feira. 

Em seu voto, a ministra voltou a destacar que a decisão agravada negou provimento ao Resp pela impossibilidade de apreciação da norma infralegal e de matéria constitucional e que o agravo interno não impugnou especificamente os fundamentos da decisão agravada, o que constitui óbice ao seu conhecimento. 

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 9/5/2019 16:32