terça-feira, 19 de janeiro de 2021

MIGALHAS QUENTES

Publicidade

História inspiradora

De doméstica a juíza: "Comparar desiguais resulta em injustiças", diz magistrada da Bahia

Antônia Marina Faleiros e seus irmãos tiveram uma infância de extrema privação e de restrição material na zona rural de Serra Azul/MG. Ao Migalhas, a juíza conta de sua trajetória.

quinta-feira, 7 de janeiro de 2021

"Quem tem a cama feita, pode ser mais ou menos; vocês têm que ser muito bons no que fazem". Foram essas palavras que Antônia Marina Faleiros ouviu por diversas vezes de sua mãe durante a infância.

O conselho materno, que pode parecer difícil de ouvir, se assemelha à realidade de Antônia e de seus cinco irmãos quando crianças. Crescidos na zona rural de Serra Azul/MG e filhos de dona de casa e de trabalhador braçal, a família vivia em situação de extrema privação e de restrição material. Antônia, por exemplo, já teve de trabalhar no canavial quando adolescente. Hoje, Antônia Marina Faleiros é juíza da 1ª vara Criminal de Lauro de Freitas/BA.

"No início, eu sequer imaginava a possibilidade de ser juíza", relatou. Depois de terminar o ensino médio, Antônia pegou do lixo apostilas preparatórias de concursos e, aos 20 anos, prestou seu primeiro concurso para oficial de Justiça. Foi ali que começou a vislumbrar novos horizontes: "a decisão da magistratura vem nessa sequência de concursos".

Até a aprovação, Antônia conta como era sua rotina: "eu trabalhava como doméstica em Belo Horizonte. Sempre estudei e trabalhei. Estudava nos horários de almoço e também no trajeto de ônibus".

Apesar de vencer os obstáculos, a juíza afirma categoricamente: "Não me considero e não me coloco como exemplo de meritocracia (...) Comparar desiguais resulta em desigualdades e injustiças". Para ela, sua história pode servir de inspiração, mas não de parâmetro para ações sociais.

Preconceito

Quando questionada se na magistratura já sofreu algum tipo de preconceito, a juíza responde que a discriminação aparece de forma dissimulada, como um espanto ou estranhamento da outra parte ao vê-la naquela posição: "mas que coisa interessante você aqui", exemplifica.  

Sobre o assunto, Antônia discursa a favor da diversidade em todos os setores da sociedade, incluindo o Judiciário: "instituições e sociedade são ricas quanto mais diversidade puderam agregar. É um corpo vivo que se beneficia com a diversidade".

Livro

Antônia Marina Faleiros olha para trás e reconhece que sua infância foi difícil, mas também foi recheada de lembranças afetuosas. Por isso, a juíza resolveu compilar suas memórias em um livro para sua neta: "Retalhos: colcha de histórias para Mel dormir". Segundo a magiustrada, o livro traz histórias de muita carência material, mas de muito pertencimento.

 

(Imagem: Arte Migalhas)

(Imagem: Arte Migalhas)

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 8/1/2021 13:58