quarta-feira, 28 de outubro de 2020

MIGALHAS QUENTES

Publicidade

Incêndio atinge prédio do Juizado Especial Federal na Av. Paulista em SP

Os bombeiros controlaram, por volta das 9h de hoje um incêndio que atingiu o prédio do Juizado Especial Federal, na Avenida Paulista, Zona Sul de São Paulo. A pista no sentido Paraíso da avenida foi totalmente interditada entre a Rua Peixoto Gomide e a Alameda Campinas.

terça-feira, 9 de janeiro de 2007


Fogo

Incêndio atinge prédio do Juizado Especial Federal na Av. Paulista em SP

Os bombeiros controlaram, por volta das 9h de hoje, um incêndio que atingiu o 11º andar do prédio do Juizado Especial Federal, na Av. Paulista, Zona Sul de São Paulo. Ninguém ficou ferido.

A pista no sentido Paraíso da avenida ficou totalmente interditada entre a Rua Peixoto Gomide e a Alameda Campinas, mas duas faixas foram liberadas por volta das 10h15. O local foi totalmente desobstruído às 11h. A Companhia de Engenharia de Tráfego - CET recomenda que os motoristas evitem passar pela Avenida Paulista e ruas próximas ao local do incêndio.

Quinze carros do Corpo de Bombeiros foram enviados ao local para controlar o fogo, que teria começado por volta das 8h. Seguranças do edifício ligaram para a emergência dos bombeiros às 8h17. Nove minutos mais tarde, o primeiro carro de combate ao fogo já estava no local, com os primeiros dos quarenta e cinco homens que trabalharam para conter o incêndio.

O fogo foi debelado em cerca de 15 minutos. Às 10h, os bombeiros já trabalhavam no rescaldo do local atingido pelo incêndio. As janelas do edifício foram quebradas para ajudar na ventilação. O agente de segurança da Justiça Federal Fábio Neves afirmou que o prédio deve ficar fechado até que seja feita a perícia pela Polícia Federal. "É a praxe em órgãos públicos federais", afirmou.

Segundo a juíza Marisa Cucio, presidente do Juizado Especial Federal, o local atingido pelo fogo estava em reforma. O andar não era utilizado para atendimento ao público. Apenas de 15 pessoas estavam no prédio no início do incêndio, já que o expediente no local começa apenas às 9h. Os bombeiros precisaram retirar apenas uma mulher, que estava no 10º andar. Nenhum edifício em volta do prédio foi esvaziado e o acesso ao metrô na Estação Trianon-Masp, em frente à Fiesp, permaneceu aberto para uso.

"Eu estava no 12º andar, e vi fumaça saindo pelo duto", afirmou o estagiário Anderson Andrade, de 19 anos. "Encontrei umas dez pessoas descendo pelas escadas." A copeira Helena Gonçalves dos Santos, que estava no 13º andar, também foi alertada pela fumaça. "Eu estava fazendo café, e vi um fumaceiro subir por debaixo da pia."

Acidente

Por conta da curiosidade dos motoristas que passam em frente ao local do incêndio, já foram registrados dois acidentes no local. Um carro atropelou um motociclista - que já foi atendido pelos bombeiros no local. Em outro acidente, um carro acertou a traseira de outro. Ninguém ficou ferido.

Segundo a CET, com o bloqueio, formou-se um congestionamento do acesso da Avenida Rebouças até o local do incêndio, de pelo menos 1 km. No sentido contrário da via, devido a curiosidade dos motoristas, a lentidão chega a 1,4 km, da Praça Oswaldo Cruz até a Rua Pamplona.

Bombeiros descartam abalo na estrutura do prédio incendiado

 

O Corpo de Bombeiros descartou que o incêndio no prédio do Juizado Especial Federal na Avenida Paulista tenha abalado a estrutura do edifício. "Para abalar isso aí, precisa de muito incêndio", disse o coronel João dos Santos de Souza que comandou a operação.

 

Ele informou que o trabalho de rescaldo praticamente já foi concluído e que os bombeiros apenas recolhem os materiais no 11º andar, atingido pelo fogo. "Foi um incêndio de médias proporções. A população pode ficar tranqüila porque não houve danos maiores."

 

Os bombeiros chegaram ao prédio por volta das 8h26 e demoraram 15 minutos para debelar as chamas. Depois disso, começou o trabalho de rescaldo que durou cerca de duas horas. Ninguém ficou ferido no incêndio que deixou apenas danos materiais. Além de cadeiras, mesas e computadores queimados, alguns vidros da lateral do prédio tiveram que ser quebrados para facilitar a saída da fumaça.

 

O coronel informou que o prédio já foi liberado pelo bombeiros, mas os responsáveis pelo juizado decidiram suspender o expediente nesta terça-feira. Depois da saída dos bombeiros do prédio, deve ser feita uma perícia federal para determinar as causas do incêndio. Mais cedo, o coronel Souza havia dito que a suspeita mais forte é de um curto-circuito na área de computadores que fica no 11º andar.

_______

_________

Fonte: G1

_________________

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 9/1/2007 09:46