quinta-feira, 28 de janeiro de 2021

MIGALHAS QUENTES

Publicidade

Judiciário inibe propaganda eleitoral que atingia marca de empresa

O juiz de direito da 1ª Vara de Itapipoca, interior do Ceará, determinou que um candidato a vereador se abstivesse de realizar propaganda eleitoral utilizando direta ou indiretamente marca registrada de propriedade de empresa.

quarta-feira, 5 de novembro de 2008


Propaganda Eleitoral

O juiz de direito da 1ª Vara de Itapipoca/CE determinou que um candidato a vereador se abstivesse de realizar propaganda eleitoral utilizando direta ou indiretamente marca registrada de propriedade de empresa. O advogado Armando Moraes, de Imaculada Gordiano Advogados Associados, foi responsável pelo caso

  • Veja abaixo a matéria encaminhada pelo escritório.

__________________
___________

Judiciário inibe propaganda eleitoral que atingia marca de empresa

O juiz de direito da 1ª Vara de Itapipoca, interior do Ceará, determinou que um candidato a vereador se abstivesse de realizar propaganda eleitoral utilizando direta ou indiretamente marca registrada de propriedade de empresa.

O fato aconteceu em razão de o candidato distribuir panfletos e realizar propaganda em frente à fábrica, que conta com aproximadamente dois mil funcionários, utilizando a marca nos impressos, atingindo a reputação empresarial e fazendo promessas eleitoreiras envolvendo diretamente a marca.

Por conta da irregularidade da utilização e com base no direito que tem a pessoa jurídica em resguardar a sua imagem e o seu nome, em razão do registro da marca junto ao INPI, houve o ingresso de uma ação inibitória com o objetivo de garantir a integridade material e a reputação da indústria.

Com a decisão, o candidato foi proibido de promover propaganda atingindo direitos da empresa. "A medida teve como principal objetivo resguardar a marca empresarial e, na fundamentação do pedido, utilizou dispositivos da lei eleitoral que proíbem os candidatos de promoverem suas propagandas em prejuízo a terceiros com direitos garantidos por lei", explica o advogado responsável, Armando Moraes, do escritório Imaculada Gordiano Sociedade de Advogados.

Com base em informações dadas pelo advogado, qualquer forma de reprodução de marca registrada ou apenas depositada perante o INPI pode ser questionada judicialmente caso atinja negativamente a imagem e a reputação. "As empresas sofrem muito com esse tipo de atentado, que pode ser prevenido ou remediado com uma nova medida judicial adequada", salienta Armando Moraes.

____________

____________

Por: Redação do Migalhas

Atualizado em: 5/11/2008 08:53